As lutas da história imediata: para quem serve a verdade histórica?

Autores

  • Lucas Patschiki Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i48.8640018

Palavras-chave:

História imediata. Verdade histórica. Função social da história

Resumo

Neste artigo iremos abordar algumas argumentações historiográficas de origem francesa que, tomadas como problemas teórico-metodológicos, visam impedir, dificultar ou limitar a análise pelos historiadores dos processos vividos, a prática da história imediata. Iremos compreender estas questões através das funções sociais e políticas que a verdade histórica (construída segundo um método, uma base teórica metodológica aprimorada e confirmada pela prática histórica) cumpre nas lutas sociais do presente, a história como possibilidade de servir de instrumento de libertação, de desmistificação do mundo, contrapondo-se às análises ideológicas conscientes da realidade social na disputa pelo discurso socialmente reconhecido. Entendendo que estas proposições francesas são dominantes na produção brasileira dos últimos anos, primeiro abordaremos como a história imediata foi tratada pela escola dos Annales após 1945, época de seu “ressurgimento”, até as proposições mais recentes de autores desta. Em seguida abordaremos a questão da constituição da verdade histórica como resultado do processo de produção de conhecimento histórico e, por fim, iremos abordar a questão da ideologia, das distorções propositais em suas funções políticas e sociais na sociedade de classes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Patschiki, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Bacharel em História/UEPG. Mestre em História/UNIOESTE. Linha Estado e Poder. Este artigo faz parte da dissertação “Os litores da nossa burguesia: o Mídia Sem Máscara em atuação partidária (2002-2011)”, orientada pelo Dr. Gilberto Grassi Calil e financiada pela Fundação Araucária.

Referências

AZEMA, J-P. “Tempo presente” (verbete). In. BURGUIÈRE, A. (org.). Dicionário das ciências históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

BARROS, C. Para um novo paradigma historiográfico. Disponível em http://www.h-debate.com/cbarros/spanish/articulos/nuevo_paradigma/hacia/tempo.htm, acessado em 10.09.10.

BIANCHI, A. O laboratório de Gramsci: filosofia, história e política. São Paulo: Alameda, 2008.

BLOCH, M. A estranha derrota. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011.

BURGUIÈRE, A. “Anais (escola dos)” (verbete). In. BURGUIÈRE, A. (org.). Dicionário das ciências históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

CARDOSO, C. F. Um historiador fala de teoria e metodologia. Bauru: EDUSC, 2005.

CHAVEAU, A.; TÉTARD, P. “Questões para a história do presente”. In. CHAVEAU, A.; TÉTARD, P. (orgs.). Questões para a história do presente. Bauru: EDUSC, 1999.

CHESNEAUX, J. Devemos fazer tábula rasa do passado? Sobre a história e os historiadores. São Paulo: Ática, 1995.

FALCON, F. “História e poder”. In. CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. (orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

FONTANA, J. A história dos homens. Bauru: EDUSC, 2004.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Volume 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Volume 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

HISTÓRIA AGORA. “Entrevista com o professor Ciro Flamarion Cardoso (19.03.07)”. História Agora. no. 1. Disponível em http://www.historiagora.com/index.php?option=com_content&task=view&id=10&Itemid=30, acessado em 10.09.10.

INSTITUT D’HISTOIRE DU TEMPS PRÉSENT. Historique. Disponível em http://www.ihtp.cnrs.fr/spip.php%3Frubrique1&lang=fr.html, acessado em 13.09.10.

LACOUTURE, J. “A história imediata”. In. LE GOFF, J.; CHARTIER, R.; REVEL, J. (orgs.). A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LE GOFF, J. “A história nova”. In. LE GOFF, J.; CHARTIER, R.; REVEL, J. (orgs.). A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LE GOFF, J. “A visão dos outros: um medievalista diante do presente”. In. CHAVEAU, A.; TÉTART, P. (orgs.). Questões para a história do presente. Bauru: EDUSC, 1999.

LÊNIN, V. I. As três partes e as três fontes constitutivas do marxismo. Disponível em http://files.agb-recife.webnode.com.br/200000028-b54e4b649e/As%20Tr%C3%AAs%20Fontes%20e%20as%20Tr%C3%AAs%20partes%20Constitutivas%20do%20Marxismo%20(Lenin).pdf, acessado em 14.10.11.

LÖWY, M. “O romantismo revolucionário de maio 68”. Espaço Acadêmico. no. 84. Disponível em http://www.espacoacademico.com.br/084/84esp_lowyp.htm, acessado em 10.08.10.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martin Claret, 2004.

MORAZÉ, C. A lógica da história. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

NEVES, L. M. W.; SANT ́ANNA R. “Introdução: Gramsci, o Estado educador e a nova pedagogia da hegemonia”. In. NEVES, L. M. W. A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

PAILLARD, B. “Imediata (história)” (verbete). In. BURGUIÈRE, A. (org.). Dicionário das ciências históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

RÉMOND, R. “Introdução”. In. RÉMOND, R. (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

RÉMOND, R. Por que a história política? Disponível em http://virtualbib.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/viewArticle/1975, acessado em 10.09.10.

RODRIGUES, G. “História: uma ciência do presente”. In. FERNANDEZ, E. P. F.; PADRÓS, E. S.; RIBEIRO, L. D. T.; GORKON, C. Van. Contrapontos – Ensaios de história imediata. Porto Alegre: Folha da história/Palmares, 1999.

SCHAFF, A. História e verdade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

THOMPSON, E. P. Miséria da teoria: ou um planetário de erros. Sem editora, 2009.

Downloads

Como Citar

PATSCHIKI, L. As lutas da história imediata: para quem serve a verdade histórica?. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 48, p. 225–240, 2013. DOI: 10.20396/rho.v12i48.8640018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640018. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos