A revista “O Pequeno Luterano”: nacionalismo e higienismo a partir da fé luterana (1931-1966)

Autores

  • Patrícia Weiduschadt Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)
  • Beatriz Terezinha Daudt Fischer Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640040

Palavras-chave:

Nacionalismo. Higienismo. Luteranismo. Impressos. Leitores

Resumo

O presente artigo trata da circulação, edição, produção e apropriação de um impressodenominado “O Pequeno Luterano”, editado pelo Sínodo de Missouri (atual IELB) noperíodo de 1931 a 1966, tendo como foco central os conteúdos referentes ao nacionalismoe ao higienismo, presentes em matérias seculares e religiosas. Um banco de dados foicriado especialmente como ferramenta de análise, sendo a mesma complementada pordepoimentos orais (leitores infantis, professores e editores daquele período). O artigoanalisa disciplinas de conhecimento secular, cujas temáticas estão entrelaçadas à políticanacionalista; em seguida, desdobra questões referentes à política higienista que nas páginasda revista infantil aparecem diretamente relacionadas a aspectos morais e religiosos. Arevista, circulando entre crianças das escolas paroquiais, também serviu como apoiodidático, reforçando os principais conteúdos das disciplinas escolares. Ao mesmo tempo,conforme narrativas dos sujeitos evocando memórias do tempo pretérito, a revista ajudou aformar o aluno e o futuro fiel, cidadão e ainda hoje leitor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Weiduschadt, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)

Professora efetiva da Universidade Federal de Pelotas. Doutora em Educação pela UNISINOS.

Beatriz Terezinha Daudt Fischer, Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS)

Professora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Doutora em Educação.

Referências

ARENDT, Isabel Cristina. Representações de Germanidade, Escola e Professor no AllgemeineLeherzeitungfuer Rio Grande do Sul (Jornal Geral para o Professor do Rio Grande do Sul). São Leopoldo, Unisinos, Programa de Pós-Graduação em História, Tese de Doutorado, 2005.

BICCAS, Maurilane de Souza. O Impresso como Estratégia de Formação: revista de Minas Gerais (1925-1940). Belo Horizonte, Argumenton, 2008.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em cena. Propaganda no varguismo e no peronismo. Campinas, Papirus, 1998.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano. 17 ed. Petrópolis, RJ, Vozes, 2011.

CERTEAU, Michel de. La escritura de la historia. 3. ed. México: Universidad Iberoamericana, 1993.

CHARTIER, Roger. Formas e Sentido Cultura Escrita: entre distinção e apropriação. Campinas, Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil, 2003.

CHARTIER, Roger. À Beira da Falésia: a história entre incertezas e inquietude. Porto Alegre, Ed Universidade, UFRGS, 2002.

CHARTIER, Roger. La Revolucione de la cultura escrita. Barcelona, Gedisa, 2000.

CHARTIER, Roger. A Aventura do Livro do leitor ao navegador conversações com Jean Lebrun. São Paulo, UNESP, 1999.

CHARTIER, Roger. A Ordem dos Livros: Leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Editora Universidade de Brasília, 1994.

CHARTIER, Roger. El Mundo como Representación: estúdios sobre historia cultural. Barcelona, Gedisa, 1996a.

CHARTIER, Roger. Do livro a leitura. IN: CHARTIER, Roger. Práticas de Leitura. São Paulo, Estação Liberdade, p 77-106, 1996b.

CHARTIER, Roger. A leitura: uma prática cultural Debate entre Pierre Bourdieu e Roger Chartier. . IN: CHARTIER, Roger. Práticas de Leitura. São Paulo, Estação Liberdade, p 231-254, 1996b.

CHARTIER, Roger. Textos, impressão, leituras. IN: Hunt, Lynn. A Nova História Cultural. São Paulo, 1992.

CHARTIER, Roger. A História Cultural entre práticas e representações. Lisboa, Difel, s/d.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. A etnomatemática no processo de construção de uma escola indígena. Em Aberto, Brasília, ano 14, n.63, jul./set. 1994.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis, Vozes, 1989.

GERTZ, René. O Perigo Alemão. 2a ed. Porto Alegre, Universidade/ UFRGS; 1998.

GOMES, Angela de Castro (Org.). Capanema: o ministro e seu ministério. Rio de Janeiro: 2000.

KREUTZ, Lúcio. Professor Paroquial: magistério e imigração alemã. Pelotas, Seiva, 2004a.

KREUTZ, Lúcio. Currículo Escolar, Culturas e Imposição de Língua Única. Anais do X Encontro Sul- Riograndense em História da Educação. Pelotas, Seiva, 2004b, p. 215-227.

KREUTZ, Lúcio. Língua de Referência na escola teuto-brasileira. IN: CUNHA, Jorge Luiz da e GARTNER, Angelika (orgs). Imigração Alemã no Rio Grande do Sul: história, linguagem, educação. Santa Maria, UFSM, 2003, p. 133-157

RAMBO, Arthur Blásio. O teuto-brasileiro e sua identidade. IN: FIORI, Neide Almeida (org.). Etnia e educação: a escola alemã do Brasil e estudos congêneres. Florianópolis, Tubarão, UFSC, Unisul, 2003, p. 71-89.

RAMBO, Arthur Blásio. A igreja dos Imigrantes. IN: DREHER, Martin (org.). 500 anos de Brasil e Igreja na América Meridional. São Leopoldo, EST, 2002, p. 57-73

RAMBO, Arthur Blásio. Nacionalidade e Cidadania. IN: MAUCH, Claúdia e VASCONCELLOS, Naira. (org.). Os Alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade e cultura. Canoas, ULBRA, 1994, p. 43-53.

SCHWARTZMAN, Simon / BOMENY, Helena Maria Bousquet / COSTA, Vanda Maria Ribeiro. Tempos de Capanema. São Paulo: 1984.

SEYFERTH, Giralda. A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica. IN: MAUCH, Claúdia e VASCONCELLOS, Naira. (org.). Os Alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade e cultura. Canoas, ULBRA, 1994, p. 11-27.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Ed. Autores associados, Campinas, 2008.

SOARES, Carmen Lúcia. Educação física: raízes européias e Brasil. Campinas: Autores Associados, 1994.

SOARES, Carmen Lúcia. Imagens da educação no corpo; estudo a partir da ginástica francesa no século XIX. Campinas: Autores Associados, 2002.

SOUZA, José Carlos Araujo & GATTI, Décio Junior (org). Novos temas em História da Educação Brasileira: instituições escolares e educação na Imprensa. Campinas, Autores Associados, 2002.

STEPHANOU, Maria. Prefácio. Nem uma coisa, nem outra ou nenhumas. (Re) invenções e reminiscências escolares. A modo de prefácio. In: FISCHER, Beatriz T. Daudt.(org) Tempos de escola: memórias. São Leopoldo, Oikos, 2011.

STEPHANOU, Maria. Bem viver em regras: urbanidade e civilidade em manuais de saúde. Educação Unisinos. jan/abril, p 35-44, 2006a.

STEPHANOU, Maria. Discursos médicos, educação e ciência: escola e escolares sob exame. Trabalho, Educação e Saúde. v 4, n 1, p 33-64, 2006b.

WANDERER, Fernanda. Escola e Matemática Escolar: mecanismos de regulação sobre sujeitos escolares de uma localidade rural de colonização alemã no Rio Grande do Sul. São Leopoldo, Unisinos, 2007. Tese de Doutorado.

WARTH, Carlos H. Crônicas da Igreja: Fatos históricos da Igreja Evangélica Luterana do Brasil: (1990- 1974). Porto Alegre, Concórdia S. A ., 1979.

WEIDUSCHADT, Patrícia. A revista “O Pequeno Luterano” e a formação educativa religiosa luterana no contexto pomerano em Pelotas- RS (1931-1966). Programa de Pós-Graduação em Educação. Unisinos. São Leopoldo, 2012. Tese de doutorado.

WEIDUSCHADT, Patrícia. O Sínodo de Missouri e a educação pomerana em Pelotas e São Lourenço do Sul nas primeiras décadas do século XX l- identidade e cultura escolar. Programa de Pós-Graduação em Educação. FAE/UFPEL, Pelotas, 2007. Dissertação de Mestrado.

Downloads

Como Citar

WEIDUSCHADT, P.; FISCHER, B. T. D. A revista “O Pequeno Luterano”: nacionalismo e higienismo a partir da fé luterana (1931-1966). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 47, p. 67–87, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i47.8640040. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640040. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos