Banner Portal
As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital e a precarização do trabalho docente
PDF

Palavras-chave

Trabalho docente. Classe trabalhadora. Neoliberalismo. Toyotismo

Como Citar

GOMES, Marco Antônio de Oliveira; COLARES, Anselmo Alencar; COLARES, Maria Lilia I.; BRASILEIRO, Tânia Suely Azevedo. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital e a precarização do trabalho docente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 47, p. 267–283, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i47.8640051. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640051. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Este trabalho apresenta instrumentos analíticos para compreender as mutações do mundo dotrabalho e a precarização do trabalho docente. Em um cenário histórico que muitos intelectuaisadvogam o fim do trabalho e das classes sociais, buscamos através das lentes do marxismocompreender as transformações ocorridas nas relações de trabalho e seus desdobramentos naconfiguração da classe trabalhadora, assim como os reflexos no trabalho docente. Nossoobjetivo é situar a precarização do trabalho docente dentro de uma realidade material marcadapelos antagonismos de classe em que o capital se apropria do conhecimento como um dosinstrumentos de dominação.
https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640051
PDF

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? São Paulo: Cortez, 1995.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ADRIÃO, Theresa; PERONI, Vera (Orgs.). O público e o privado na educação: interfaces entre o Estado e sociedade. São Paulo: Xamã, 2005.

AUED, Bernadete Wrublevski. Sobre a extinção das profissões: implicações teóricas. In:

AUED, Bernadete Wrublevski Educação para o (des) emprego: ou quando estar liberto da necessidade de emprego é um tormento. Petrópolis: Vozes, 1999.

BORON. Atílio. A sociedade civil depois do dilúvio neoliberal. IN: ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, Emir: GENTILI, Pablo (Orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995

BRASIL. Ministério da Educação. O Plano de Desenvolvimento da Educação. Razões, princípios e programas. Brasília: Inep, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Brasília: Inep, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n° 6.094, de 24 de abril de 2007. In www.planalto.gov.br (acessado em 19/03/2008).

CARVALHO, Alba Maria Pinho. GUERRA, Eliana, Costa. Tempos contemporâneos: trabalhadores supérfluos no fio da navalha da lógica do capital. In: SOUZA, Antônia de Abreu. NETO, Enéas de Araújo Arrais. FELIZARDO, Jean Mari. CARDOZO, Maria José Pires. BEZERRA, Tânia Serra Azul Machado (Orgs.) Trabalho, capital mundial e formação de trabalhadores. Fortaleza: Senac Ceará; Edições UFC, 2008.

CARDOZO, Maria José Pires Barros. A produção flexível e a formação do trabalhador: o modelo da competência e o discurso da empregabilidade. In: SOUZA, Antônia de Abreu.

NETO, Enéas de Araújo Arrais. FELIZARDO, Jean Mari. CARDOZO, Maria José Pires.

BEZERRA, Tânia Serra Azul Machado (Orgs.) Trabalho, capital mundial e formação de trabalhadores. Fortaleza: Senac Ceará; Edições UFC, 2008.

CHESNAIS, François. Mundialização do capital e jogo da lei da população inerente ao capitalismo. In: SOUZA, Antônia de Abreu. NETO, Enéas de Araújo Arrais. FELIZARDO, Jean Mari. CARDOZO, Maria José Pires. BEZERRA, Tânia Serra Azul Machado (Orgs.) Trabalho, capital mundial e formação de trabalhadores. Fortaleza: Senac Ceará; Edições UFC, 2008.

COUTINHO, Carlos Nelson. A democracia na batalha das idéias e nas lutas políticas do Brasil de hoje. In: FÁVERO, Osmar. SEMERANO, Giovanni. (Orgs.) Democracia e construção do público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis: Vozes, 2002 Folha de São Paulo. Ausência de direitos trabalhistas traz insegurança a terceirizados, 27/11/2006 Declaração da OIT sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho e seu Seguimento. Disponível em http://www.oit.org.br/sites/all/forced_labour/oit/relatorio/paises_industrializados.pdf. Acesso em 20/10/2011.

FRIGOTTO, G. Delírio da razão: crise do capital e metamorfose conceitual no campo educacional. In: GENTILE, P. Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação.Petrópolis: Vozes, 1995.p.77-108.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1996.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX (1914/1991) São Paulo: Companhia das Letras. 2001, p. 91

LEHER, Roberto. Projetos e modelos de autonomia e privatização das universidades públicas. In: GENTILE, P. (Org.). Universidade na penumbra: neoliberalismo e reestruturação universitária. São Paulo: Cortez, 2001. p.151-187.

LIMA, Rosângela Novaes. Políticas educacionais e a lógica neoliberal para a educação básica. In: GEMAQUE, Rosna Maria O.;LIMA, Rosângela Novaes. Políticas públicas educacionais: o governo Lula em questão. Belém: CEJUP, 2006.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Economistas).

MARX, K. ENGELS, F. O manifesto comunista. São Paulo. Cortez, 1998.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria de transição. Campinas: Editora UNICAMP, Boitempo, 2002.

PAIVA, V. Revolução educacional e contradições da massificação do ensino. Contemporaneidade e educação, n. 3, 1998. p. 44-99

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, Dermeval. Formação e condições de trabalho docente. In: Revista educação e cidadania. Campinas: Alínea, 2007.

VALOR ECONÔMICO. Colégios de SP vão terceirizar professor por causa da crise. Valor Econômico, 04/04/2004.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.