Políticas educacionais para a educação do campo: dimensões históricas e perspectivas curriculares

Autores

  • Maria Vieira Silva Universidade Federal de Uberlândia – UFU
  • Astrogildo Fernandes Silva Júnior Universidade Federal de Uberlândia – UFU

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640054

Palavras-chave:

Educação do campo. Políticas curriculares. Assentamentos rurais

Resumo

Historicamente, a educação do campo foi relegada a espaços marginais nos processos deelaboração e implementação das políticas educacionais na realidade brasileira. Como pensaros efeitos desses constructos sociais na organização do trabalho das escolas do campo? Quaisos sentidos e concepções presentes no percurso histórico da educação no e para o campo?Essas, dentre outras questões, assumirão centralidade nas reflexões presentes neste texto.Enfocaremos os diferentes contornos da história da educação para o campo e as lacunas epotencialidades presentes nas políticas educacionais para essa modalidade de ensino, por meiode três ângulos: a precarização do atendimento escolar à criança pobre do campo; asregularidades e as singularidades para as questões curriculares da educação do campo; asaproximações e distanciamentos entre as proposições dos movimentos sociais do campo e aspropostas governamentais no atual cenário educacional. Posteriormente, apresentaremoselementos oriundos de uma pesquisa-ação desenvolvida em comunidades de assentamentosrurais pelo Programa de Apoio Científico e Tecnológico aos assentamentos de ReformaAgrária – PACTo, Minas Gerais/Triângulo Mineiro (CNPq/INCRA/UFU).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Vieira Silva, Universidade Federal de Uberlândia – UFU

Docente da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia, com atuação no Programa de Pós-Graduação em Educação

Astrogildo Fernandes Silva Júnior, Universidade Federal de Uberlândia – UFU

Docente da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal da Universidade Federal de Uberlândia

Referências

ARROYO, M. G; CALDART, R. S. MOLINA, M. C. (Orgs.) Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

ARROYO, M. G. Políticas de formação de educadores(as) do campo. Caderno CEDES, Campinas, vol.27, n.72, mai/ago 2007.

BRANDÃO, C. R. O que é Educação. (33a ed). São Paulo: Brasiliense, 1995.

BRANDÃO, C. R. A pergunta a várias mãos: a experiência da partilha através da pesquisa na educação. São Paulo: Cortez, 2003.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. http://www.planalto.gov.br. Acesso em 20/12/2005.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Nova LDB (Lei no 9394/96). Rio de Janeiro: Qualithmark Editora, 1997.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. (Lei no 5692/71). http://www.pedagogiaemfoco.br . Acesso em 20/12/2005.

BRASIL. Ministério da Educação – Diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação – Grupo Permanente de Trabalho de Educação do Campo. Referência para uma política nacional de Educação do Campo. Caderno de subsídios, Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Decreto no 7.352/2010. DOU 05.11.2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério Extraordinário da Política Fundiária. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária. Manual de Operações do PRONERA. Brasília, 2011.

BRASIL. Ministério Extraordinário da Política Fundiária. Portaria no 10/98, de16 de abril de 1998. Cria o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA, vinculando ao Gabinete do Ministro e aprova o seu Manual de Operações.

CALDART, R. S. A Escola do Campo em Movimento. Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp.60-81, Jan/Jun 2003. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org e http://portal.mec.gov.br/secad. Acesso em: 20 jun. 2008.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2004.

CALDART, R. S. Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, M.; MOLINA, M. C. (Org.). Por Uma Educação do Campo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

CANIVEZ, P. Educar o cidadão? Campinas, SP: Papirus, 1991.

CORAZZA, S. Planejamento de ensino como estratégia de política cultural. In: Antonio Flávio Moreira Barbosa. (Org.). Currículo: questões atuais. Campinas - SP: Papirus, 1997.

FORQUIN, J.C.. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Porto Alegre, Teoria e Educação, n.5, pp.28-49, 1992.

FORQUIN, J.C.. Currículo entre o relativismo e o universalismo. Revista Educação e Sociedade. Ano 21, no 72 Dez, Campinas, 2000

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 18a ed. Rio de Janeiro, Rj: Editora Paz e Terra, 1988.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIROUX, H. A. Praticando estudos culturais nas faculdades de educação In: SILVA, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 85-104.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Maquiavel. Notas sobre o Estado e a política. 4.ed.,v.3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

KRAMER, S. Currículo: Políticas e Práticas, Campinas: Papirus, 2001.

LEITE, S. C. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. Rumo a uma teoria da transição. Trad. Paulo C. C.;, Sérgio L. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

MOLINA, M. C. e FERNANDES, B. M. O Campo da Educação do Campo. In: MOLINA, M. C.; JESUS, S. M. A. de. Por Uma Educação do Campo. Vol 05. Brasília, DF: Articulação Nacional “Por uma Educação do Campo”,2005.

MOLINA, M. C. Entrevista. M. A. de S. Revista Caderno de Pesquisa: pensamento educacional. v. 4, n.8, jul/dez. 2009. Disponível em: www.utp.br/cadernos_de_pesquisa/edicoes.html>. Acesso em: 25/01/2010.

ORTEGA, A. C., FONSECA, S.G. Política de Educação para o mundo rural brasileiro: entre a universalização e a diferenciação dos conteúdos. Ensino e Revista v. 12, Uberlândia: Edufu. 2004.

PROGRAMA DE APOIO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AOS ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA – PACTo – MG/TRIÂNGULO MINEIRO. Universidade Federal de Uberlândia. Relatório de Pesquisa, CNPq, 2006

SACRISTÁN, G. Compreender e Transformar o Ensino, Porto Alegre: ArtMed, 1998.

SILVA JÚNIOR, A. F. Saberes e práticas de ensino de História em escolas rurais (um estudo no município de Araguari, MG, Brasil). Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, MG, 2007.

SILVA, L. H. e COSTA, V. A. Educação Rural. Revista Presença Pedagógica. v. 12 n. 69 mai./ju. 2006.

SILVA, M.V. e LÉLIS, U.A. Processos regulatórios na formação de professores de assentamentos sindicais agrários no âmbito do PRONERA. In: 35a Reunião Anual da ANPEd, Porto de Galinhas: Anais, 2012 (no prelo).

SOUZA, M.A. Educação, Escola e Povos do Campo: práticas educacionais em questão in: SOARES, L. et al (orgs). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

Downloads

Como Citar

SILVA, M. V.; SILVA JÚNIOR, A. F. Políticas educacionais para a educação do campo: dimensões históricas e perspectivas curriculares. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 47, p. 314–332, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i47.8640054. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640054. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos