Banner Portal
Política de admissão ao ginásio (1931-1945): conteúdos e forma revelam segmentação do primário
PDF

Palavras-chave

Exame de admissão ao ginásio. Ensino secundário. Ensino primário. Era Vargas

Como Citar

ABREU, Geysa Spitz Alcoforado de; MINHOTO, Maria Angélica Pedra. Política de admissão ao ginásio (1931-1945): conteúdos e forma revelam segmentação do primário. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 46, p. 107–118, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i46.8640074. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640074. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

O objeto de estudo em análise é o exame de admissão ao ginásio, instituído em 1931, porVargas, e utilizado por 40 anos para a seleção de alunos ao ensino secundário. A análisecircunscreve-se aos anos 1931 e 1945, com o objetivo de discutir se os conteúdos e a formado exame exerceram efeitos na conformação curricular do ensino primário paulistano. Paratanto, foram revisados estudos sobre o tema e feito um levantamento de informaçõesacerca da realização do exame, em arquivos de cinco instituições de ensino secundário dacidade de São Paulo. Os dados foram analisados a partir dos conceitos de segmentação ede progressão, elaborados por Fritz Ringer, em obra que descreve e compara as diferentesconfigurações dos sistemas educacionais da Alemanha, França, Inglaterra e EstadosUnidos. Os resultados indicam que o exame foi ineficiente para conter a demanda poreducação secundária, infirmando parte da literatura especializada que via nessa meta afunção manifesta da prova, e que sua função latente, no entanto, foi a de legitimar umpadrão específico de recrutamento e camuflar a existência de barreiras institucionais ecurriculares presentes no ensino elementar da época.
https://doi.org/10.20396/rho.v12i46.8640074
PDF

Referências

ABREU, Geysa S. A. de. A homogeneização do ensino secundário na década de 1930: estratégias de eficiência, racionalidade e controle. Educar em Revista, Curitiba, n° 2, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602010000500018&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 30 set. 2011.

BRASIL. Decreto-Lei no 5.692, de 11 de Agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o Ensino de 1o e 2o graus e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm. Acesso em: 30 set. 2011.

BOURDIEU, P. Distinction: a social critique of the judgement of taste. Cambridge: Harvard, 2002.

MACHADO. Rita G. Uma Análise dos Exames de Admissão ao Secundário (1930- 1970): subsídios para a História da Educação Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002.

MINHOTO, M. A. P. Da Progressão do Ensino Elementar ao Ensino Secundário (1931-1945): crítica do exame de admissão ao ginásio. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2007.

NUNES, Maria Thetis. Ensino secundário e sociedade brasileira. 2a ed., revisada e ampliada, Sergipe: UFS, 1999.

RINGER, Fritz K. Education and society in modern Europe. Indiana University Press: USA, 1979.

SILVA, Geraldo Bastos. A educação secundária: perspectiva histórica e teoria. São Paulo: Ed. Nacional, 1969.

VALENTE, W. Exames e provas como fontes para História da Educação. In: VALENTE, W. (Coord.). Os exames de admissão ao Ginásio 1931-1969. Arquivos da Escola Estadual de São Paulo. São Paulo. 3 Cd-Rom, 2001.

WARDE, M. J. A produção discente nos programas de pós-graduação em Educação no Brasil (1982-1991): avaliação e perspectivas. In: Avaliação e perspectivas na área da educação (1982-1991). ANPEd/CNPq, Porto Alegre, set., pp. 51-90, 1993.

WARDE, M. J. Americanismo e educação: a fabricação do “homem novo”. Subprojeto: Tecnologias de estado e instauração de sistemas. São Paulo: convênio Capes/Procad, 2001.

WARDE, M. J. Internacionalização-Nacionalização de padrões pedagógicos e escolares do ensino secundário e profissional: projeto de pesquisa. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.