Geraldo Bastos Silva e a crítica do ensino secundário brasileiro na segunda metade do século XX

Autores

  • Giseli Cristina do Vale Gatti Universidade Santo Amaro (UNISA) Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Faculdade de Pitágoras de Uberlândia (PITÁGORAS)
  • Geraldo Inácio Filho Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i46.8640075

Palavras-chave:

Historiografia. Intelectual. Ensino Secundário

Resumo

Comunicação de resultados de investigação sobre o processo de construção e dedivulgação do pensamento crítico sobre o ensino secundário brasileiro na obra de GeraldoBastos Silva nas décadas de 1950 e de 1960. Para tanto, foi necessário apreender ocontexto histórico-educacional brasileiro do período; conhecer os aspectos biográficosprincipais acerca do autor; compreender a forma como se relacionava ao espíritointelectual afeto a sociologia do conhecimento. No âmbito cronológico, o períodoescolhido compreendeu as décadas de 1950 e de 1960, momento em que as obrasmatriciais do autor foram publicadas. Em relação à metodologia utilizada, na primeiraetapa compreendeu o levantamento da bibliografia e da documentação pertinente. Emseguida, a análise das informações sobre o contexto sócio-histórico internacional ebrasileiro no período da investigação. O terceiro passo compreendeu análise dos textosredigidos pelo autor, com levantamento do conteúdo e da bibliografia de referências. Asfontes empregadas compreenderam bibliografia geral acerca do contexto histórico, social eeducacional, as obras redigidas pelo autor, a documentação proveniente dos órgãosfederais da educação pública brasileira e a documentação referenciada nas obras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giseli Cristina do Vale Gatti, Universidade Santo Amaro (UNISA) Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Faculdade de Pitágoras de Uberlândia (PITÁGORAS)

Professora colaborada do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFU. Docente na Faculdade Pitágoras de Uberlândia.

Geraldo Inácio Filho, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Desde 1979 é docente da Universidade Federal de Uberlândia, hoje como professor Associdado II

Referências

ALMEIDA, M. H. T. (1989). Dilemas da Institucionalização das Ciências Sociais no Rio de Janeiro. In: MICELI, Sergio (Org). História das Ciências Sociais no Brasil (v.1). São Paulo: Vértice, Editora da Revista dos Tribunais: IDESP.

AMADO, G. (1973). Educação Média e Fundamental. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: INL, 1973.

BRASIL (1942). Exposição de Motivos da Lei Orgânica do Ensino Secundário. In: Ensino Secundário no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde; Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos.

CUIN, C.-H. e GRESLE, F. (1994). História da Sociologia. Tradução: Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Ed. Ensaio. 287p.

DEWEY, J. (1970). Liberalismo, Liberdade e Cultura. Trad. Anísio Teixeira. São Paulo: Editora Nacional e Editora da USP. 261p.

GIANINI, R. (2002). Geraldo Bastos Silva. In: FÁVERO, Maria de Lourdes de A.; MEDEIROS, Jader (Orgs.). Dicionário de Educadores no Brasil: da colônia aos dias atuais. 2a. Ed. Rio de Janeiro: UFRJ; Brasília/DF: MEC/INEP-COMPED.

MARTINS, L. (1986). A Gênese de uma Intelligentsia: os intelectuais e a política no Brasil (1920-1940). Disponível em http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_04/rbcs04_06.htm. Acessado em 09 de maio de 2012.

MANIFESTO DOS PIONEIROS MAIS UMA VEZ CONVOCADOS (1959). Disponível em http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/Manifesto59.pdf. Acessado em 09 de maio de 2012.

MENDONÇA, A. W. P. C. e outros (2006). Pragmatismo e desenvolvimentismo no pensamento educacional brasileiro dos anos 1950/1960. Revista Brasileira de Educação. v.11, ano 31. Rio de Janeiro. p. 1-15.

NUNES, C. (2000). O “velho”e “bom”ensino secundário: momentos decisivos. In: Revista Brasileira de Educação. Campinas/SP. Autores Associados; Rio de Janeiro: ANPED. No. 14 (Especial – 500 Anos de Educação Escolar). p. 35-60.

SANFELICE, J. L. (2007). O Manifesto dos Educadores (1959) à Luz da História. Educação e Sociedade, v.18, n. 99. p.542-557.

SANTOS, W. G. (1978). Ordem burguesa e liberalismo político. São Paulo: Duas Cidades. 172 p.

SCHWTZMAN, S.; BOMENY, H. M. B. e COSTA, V. M. R. Tempos de Capanema. Disponível em: http://schwartzman.org.br/simon/capanema/capit6.htm. Acessado em 09 de maio de 2012.

SILVA, G. B. (1969). A Educação Secundária: perspectiva histórica e teoria. São Paulo: Companhia Editora Nacional (Atualidades Pedagógicas, v.94). 416 p.

SOUZA, E. R. (2009). O ISEB e o nacional-desenvolvimentismo. A intelligentsia brasileira nos anos 50. Contemporâneos – Revista de Artes e Humanidades, n.4. p.1-16.

TEIXEIRA, A. (1952). Discurso de Posse do Prof. Anísio Teixeira no Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v.17, n.46. Disponível em http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/produde.htm. Acessado em 09 de maio de 2012.

TEIXEIRA, A. (1953). A crise educacional brasileira. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v.19, n.50. Disponível em http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/produde.htm

TOLEDO, C. N. (1986). ISEB: fábrica de ideologias. Campinas: Editora da UNICAMP. 224 p.

VOLKER, M; STEHR, N. Sociologia do Conhecimento. In: OUTHWAITE, W.; BOTTOMORE, T. (1996). Dicionário do Pensamento Social do Século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed. p.744-7.

Downloads

Como Citar

GATTI, G. C. do V.; INÁCIO FILHO, G. Geraldo Bastos Silva e a crítica do ensino secundário brasileiro na segunda metade do século XX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 46, p. 119–129, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i46.8640075. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640075. Acesso em: 18 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos