Banner Portal
Geraldo Bastos Silva e a crítica do ensino secundário brasileiro na segunda metade do século XX
PDF

Palavras-chave

Historiografia. Intelectual. Ensino Secundário

Como Citar

GATTI, G. C. do V.; INÁCIO FILHO, G. Geraldo Bastos Silva e a crítica do ensino secundário brasileiro na segunda metade do século XX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 46, p. 119–129, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i46.8640075. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640075. Acesso em: 22 fev. 2024.

Resumo

Comunicação de resultados de investigação sobre o processo de construção e dedivulgação do pensamento crítico sobre o ensino secundário brasileiro na obra de GeraldoBastos Silva nas décadas de 1950 e de 1960. Para tanto, foi necessário apreender ocontexto histórico-educacional brasileiro do período; conhecer os aspectos biográficosprincipais acerca do autor; compreender a forma como se relacionava ao espíritointelectual afeto a sociologia do conhecimento. No âmbito cronológico, o períodoescolhido compreendeu as décadas de 1950 e de 1960, momento em que as obrasmatriciais do autor foram publicadas. Em relação à metodologia utilizada, na primeiraetapa compreendeu o levantamento da bibliografia e da documentação pertinente. Emseguida, a análise das informações sobre o contexto sócio-histórico internacional ebrasileiro no período da investigação. O terceiro passo compreendeu análise dos textosredigidos pelo autor, com levantamento do conteúdo e da bibliografia de referências. Asfontes empregadas compreenderam bibliografia geral acerca do contexto histórico, social eeducacional, as obras redigidas pelo autor, a documentação proveniente dos órgãosfederais da educação pública brasileira e a documentação referenciada nas obras.
https://doi.org/10.20396/rho.v12i46.8640075
PDF

Referências

ALMEIDA, M. H. T. (1989). Dilemas da Institucionalização das Ciências Sociais no Rio de Janeiro. In: MICELI, Sergio (Org). História das Ciências Sociais no Brasil (v.1). São Paulo: Vértice, Editora da Revista dos Tribunais: IDESP.

AMADO, G. (1973). Educação Média e Fundamental. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: INL, 1973.

BRASIL (1942). Exposição de Motivos da Lei Orgânica do Ensino Secundário. In: Ensino Secundário no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde; Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos.

CUIN, C.-H. e GRESLE, F. (1994). História da Sociologia. Tradução: Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Ed. Ensaio. 287p.

DEWEY, J. (1970). Liberalismo, Liberdade e Cultura. Trad. Anísio Teixeira. São Paulo: Editora Nacional e Editora da USP. 261p.

GIANINI, R. (2002). Geraldo Bastos Silva. In: FÁVERO, Maria de Lourdes de A.; MEDEIROS, Jader (Orgs.). Dicionário de Educadores no Brasil: da colônia aos dias atuais. 2a. Ed. Rio de Janeiro: UFRJ; Brasília/DF: MEC/INEP-COMPED.

MARTINS, L. (1986). A Gênese de uma Intelligentsia: os intelectuais e a política no Brasil (1920-1940). Disponível em http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_04/rbcs04_06.htm. Acessado em 09 de maio de 2012.

MANIFESTO DOS PIONEIROS MAIS UMA VEZ CONVOCADOS (1959). Disponível em http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/Manifesto59.pdf. Acessado em 09 de maio de 2012.

MENDONÇA, A. W. P. C. e outros (2006). Pragmatismo e desenvolvimentismo no pensamento educacional brasileiro dos anos 1950/1960. Revista Brasileira de Educação. v.11, ano 31. Rio de Janeiro. p. 1-15.

NUNES, C. (2000). O “velho”e “bom”ensino secundário: momentos decisivos. In: Revista Brasileira de Educação. Campinas/SP. Autores Associados; Rio de Janeiro: ANPED. No. 14 (Especial – 500 Anos de Educação Escolar). p. 35-60.

SANFELICE, J. L. (2007). O Manifesto dos Educadores (1959) à Luz da História. Educação e Sociedade, v.18, n. 99. p.542-557.

SANTOS, W. G. (1978). Ordem burguesa e liberalismo político. São Paulo: Duas Cidades. 172 p.

SCHWTZMAN, S.; BOMENY, H. M. B. e COSTA, V. M. R. Tempos de Capanema. Disponível em: http://schwartzman.org.br/simon/capanema/capit6.htm. Acessado em 09 de maio de 2012.

SILVA, G. B. (1969). A Educação Secundária: perspectiva histórica e teoria. São Paulo: Companhia Editora Nacional (Atualidades Pedagógicas, v.94). 416 p.

SOUZA, E. R. (2009). O ISEB e o nacional-desenvolvimentismo. A intelligentsia brasileira nos anos 50. Contemporâneos – Revista de Artes e Humanidades, n.4. p.1-16.

TEIXEIRA, A. (1952). Discurso de Posse do Prof. Anísio Teixeira no Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v.17, n.46. Disponível em http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/produde.htm. Acessado em 09 de maio de 2012.

TEIXEIRA, A. (1953). A crise educacional brasileira. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v.19, n.50. Disponível em http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/produde.htm

TOLEDO, C. N. (1986). ISEB: fábrica de ideologias. Campinas: Editora da UNICAMP. 224 p.

VOLKER, M; STEHR, N. Sociologia do Conhecimento. In: OUTHWAITE, W.; BOTTOMORE, T. (1996). Dicionário do Pensamento Social do Século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed. p.744-7.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.