Formação inicial de professores na perspectiva histórico-crítica: por quê? Para quê? Para quem?

Autores

  • Jaqueline Cristina Massucato Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC)
  • Aline Aparecida Akamine Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC)
  • Heloisa Helena Oliveira de Azevedo Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i46.8640076

Palavras-chave:

Formação Inicial de Professores. Neoliberalismo. Pedagogia Histórico-Crítica. Práxis Educativa

Resumo

Analisamos nesse artigo a formação inicial de professores da educação básica sob aperspectiva histórico-crítica. O objetivo central é refletir sobre a formação no âmbito doneoliberalismo, tendo por problemática buscar conhecer suas implicações na formação deprofessores para além da formação profissional. Evidenciaremos questões sobre aeducação e a formação de professores nesse contexto, buscando ressaltar a importância daluta por parte das classes dominadas frente a uma educação fragmentária. O métodobibliográfico colocará em relevo a educação e a formação de professores tendo porreferência entre outros, Marx (1978), Saviani (2002, 2008, 2009), Moraes (2001).Sinalizaremos a necessidade de outros rumos para a formação, voltados para a construçãode conhecimentos teoricamente fundamentados, mediante a contribuição da filosofia e dosdemais conhecimentos, relacionando a teoria com a prática na formação docente. Osresultados obtidos indicam que a formação de professores pode obter ganhos significativosquanto à qualidade desde que fundada nessa perspectiva, uma vez que se busca a práxis e oretorno da teoria na formação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaqueline Cristina Massucato, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC)

Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e Professora do Curso de Pedagogia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Parfor). Publicações Relevantes: Representações Sociais de Futuras Professoras de Educação Infantil: identidade e formação profissional em questão, 2012 (no prelo, Revista da FAEEBA); O papel do professor da educação infantil e as contribuições da psicologia histórico-cultural, 2011 (Educação Unisinos).

Aline Aparecida Akamine, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC)

Doutora em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (2005), com estágio em Formação de Professores de Educação Infantil na Universidade de Aveiro/Portugal. Professora Permanente do PPGE da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Publicações Relevantes: A construção da profissionalidade docente: o papel dos formadores, 2009 (Comunicações); Implicações teórico-práticas do binômio cuidar-educar na formação de professores de educação infantil, 2008 (Olhar de Professor).

Heloisa Helena Oliveira de Azevedo, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC)

Atuou como docente no curso de Pedagogia (Parfor) da Puc-Campinas de 2012 a 2014, e como professora tutora de disciplinas semi-presenciais da Faculdade Anhanguera de 2012 a 2015.

Referências

ARCE, Alessandra. Compre um kit neoliberal para a Educação Infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor-reflexivo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n.74, p. 251-283, abr. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 21 abr. 2012.

DALAROSA, Adair Ângelo. Globalização, Neoliberalismo e a Questão da Transversalidade. In LOMBARDI, J. C. (org.). Globalização, Pós-Modernidade e educação: História, Filosofia e temas Transversais. Campinas, SP: Autores Associados-

HISTEDBR; Caçador, SC: UnC, 2001. p. 197-217. (Coleção Educação contemporânea).

DUARTE, N. Lukács e Saviani: A Ontologia do Ser Social e a Pedagogia Histórico-Crítica. In Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas: História, Sociedade e Educação no Brasil. Anais, Campinas: HISTEDBR, 2009. p. 1-18.

GATTI, B. A. Pós-modernidade, educação e pesquisa: confrontos e dilemas no início de um novo século. Psicologia da educação. São Paulo, 20, p. 139-151, 1o sem. 2005.

HABERMAS, Jurgen. O Discurso Filosófico da Modernidade. Lisboa: Dom Quixote, 1990. 350p.

KOSIK, Karel. O Mundo da Pseudoconcreticidade e a sua Destruição. In Dialética do Concreto. Tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. 230 p.

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos- Terceiro Manuscrito. In Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. 2. ed. São Paulo, SP: Abril Cultural, 1978. p. 01-48. (Os pensadores).

MORAES, Maria Célia M. Recuo da Teoria: Dilemas na Pesquisa em Educação. Revista Portuguesa de Educação, ano 14, n. 01, p. 7-25. 2001. Disponível em: http://redalyc.uaemex.mx/pdf/374/37414102.pdf. Acesso em: 24 ago. 2012.

SAVIANI, D. Educação: Do Senso Comum à Consciência Filosófica. 14. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2002. 247p. (Coleção Educação Contemporânea).

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 10. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. 160 p. (Coleção Educação Contemporânea).

SAVIANI, D. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 41. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2009. 86 p. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo).

SCALCON, Suze. À Procura da Unidade Psicopedagógica: articulando a psicologia histórico-cultural com a pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2002. 151 p. (Coleção educação contemporânea).

SCALCON, Suze. O Pragmatismo Epistemológico e a Formação do professor. Percursos Revista. Florianópolis, v. 09 n. 02. p. 35-49. 2008.

SILVA, Kátia Augusta Curado Pinheiro Cordeiro da Silva. A Formação de Professores na Perspectiva Crítico-emancipadora. Linhas Críticas. Brasília, DF, v. 17, n. 32. p. 13-31. 2011. Disponível em: http://seer.bce.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/3988. Acesso em: 24 ago. 2012.

Downloads

Como Citar

MASSUCATO, J. C.; AKAMINE, A. A.; AZEVEDO, H. H. O. de. Formação inicial de professores na perspectiva histórico-crítica: por quê? Para quê? Para quem?. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 46, p. 130–144, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i46.8640076. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640076. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos