Reconstruçâo histórica da universidade aberta para a terceira idade na Universidade Estadual de Ponta Grossa

Autores

  • Rita de Cassia da Silva Oliveira UEPG

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i45e.8640114

Palavras-chave:

Educação. Trajetória da Universidade Aberta. Políticas Públicas

Resumo

A educação é considerada pela Constituição Brasileira de 1988 um direito subjetivo de todo cidadão. Aliada a esta proposição, acrescenta-se o significativo envelhecimento populacional brasileiro. Não só o número de idosos tem-se ampliado, mas a longevidade Também se apresenta cada vez maior. Diante dessas questões, a educação para a pessoa idosa passa a ser considerada relevante, preconizada como educação permanente, na modalidade não formal, devem ser criados espaços educativos para a pessoa idosa nas diferentes universidades. O artigo objetiva refletir sobre a educação permanente; reconstruir historicamente a educação para o idoso, reconstruir a trajetória da criação e implantação da Universidade Aberta para a Terceira idade na Universidade Estadual de Ponta Grossa. Realizou-se uma pesquisa bibliográfica, documental, com um enfoque qualitativo e um estudo de caso. A educação propicia à pessoa idosa a aquisição de conhecimentos para instrumentalizá-los em uma participação mais ativa e integrada na sociedade, propiciando crescimento pessoal e intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita de Cassia da Silva Oliveira, UEPG

Doutora em Educação. Professora do Mestrado e Doutorado em Educação na UEPG. Coordenadora da Universidade Aberta para a Terceira Idade na UEPG. Pesquisadora Bolsa Produtividade pelo CNPq.

Referências

BATISTA, A. S. et al. Envelhecimento e dependência: desafios para a organização da proteção social. Brasília: MPS, SPPS, 2008. Coleção Previdência Social, v. 28.

BRASIL. Lei no 8842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso. Brasília, 1994.

BRASIL. Lei no 10741 de 3 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso. Brasília, 2003.

BOTH, A. Envelhecimento humano: múltiplos olhares. Passo Fundo: UFPF, 2003.

CACHIONI, M. Envelhecimento bem sucedido e participação numa universidade para a terceira idade: a experiência dos alunos da Universidade São Francisco. Campinas, 1998 (Dissertação de Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Unicamp.

CACHIONI, M. Quem educa os idosos? Um estudo sobre professores de universidades da terceira idade. Campinas: Alínea, 2003.

CARVALHO,H.M. A Universidade Aberta à Maturidade. Revista Abceducatio ,37:20-23,ago.2004.

CAMARANO, A. A; PASINATO, M. T. Envelhecimento, pobreza e proteção social na América Latina. Papeles de Población, abril-junho, no52, Universidad Autónoma Del Estado de México, Toluca, México, p. 9-45, 2007.

DELORS, J. et al. Educação um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez/Unesco, 2001.

FREIRE, P. Educação e Mudança. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

GADOTTI, M. A educação contra a educação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

GATTI, D.JR. A história das Instituições educacionais.In: Novos temas em história da Educação Brasileira: instituições escolares e educação na imprensa.Campinas, São Paulo:Autores Associados. Uberlândia, MG:EDUFU,2002.

GOHN, M.G. Educação não-formal na pedagogia social. Congresso Internacional de Pedagogia Social, 1, 2006, São Paulo, Anais do 1o Congresso Internacional de Pedagogia Social; Autores sociais. Petrópolis: Vozes, 2006

HERÉDIA, V. B. M. A família, a educação e o envelhecimento humano: desafios para a sociedade. In: CASARA, M. B.; CORTELLETTI, I. A.; BOTH, A. Educação e envelhecimento humano. Caxias do Sul: EDUCS, 2006. p. 109-132.

IBGE. Projeção da População por Sexo e Idade para o Período 1980 – 2050. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Revisão 2008, Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008.

JORDÃO NETTO, A. Gerontologia básica. São Paulo: Lemos, 1997

LOPES, A. Os desafios da gerontologia no Brasil. Campinas: Alinea, 2000.

MOODY, H. R. The new aging enterprise. Occasional papers. Washington, Academic Affairs, n. 4, p. 1-50. may. 2008.

MOSQUERA, J. Vida adulta: personalidade e desenvolvimento. Porto Alegre: Sulina, 1975.

NERI, A. DEBERTY, G. Velhice e sociedade. Campinas: Papirus, 1999.

OLIVEIRA, R. C. S. Terceira Idade: do repensar dos limites aos sonhos possíveis. Campinas: Papirus, 1999.

OLIVEIRA, R. C. S. O processo histórico do estatuto do idoso e a inserção pedagógica na universidade aberta. Revista HISTEDBR Online, Campinas, n. 28, p. 278-286, dez. 2007.

OLIVEIRA, R.C.S.; SCORTEGANA, P.A.; OLIVEIRA,F.S. O envelhecimento e a velhice: teorias, demografia e , política. Curitiba: CRV, 2011.

ONU. Indicadores demográficos populacionais. Revisão 2006.

ONU. Indicadores demográficos populacionais. Revisão 2008.

PACHECO, J.L. AS universidades abertas à terceira idade como espaço de convvência entre gerações. In: SIMSON, O.R.M.V.; NERI, A.L.; CACHIONI,M. (orgs). As múltiplas faces da velhice no Brasil. Campinas: Alínea, 2003.

PAIVA, V. Educação Permanente: ideologia educativa ou necessidade econômico-social? In: PAIVA, V.; RATTNER, H. Educação permanente e capitalismo tardio. São Paulo: Cortez, 1985. p. 7-63.

PALMA, L. Educação permanente e qualidade de vida. Passo Fundo: UPF, 2000.

PARK, M.B. e GROPPO, L.A. Educação e velhice. São Paulo: Setembro, 2009.

PICONEZ, S. Educação escolar de jovens e adultos. São Paulo: Paulinas, 2002.

PINTO. Á.V. Sete lições de educação de adultos. São Paulo: Cortez, 1989.

SARAIVA, I. S. Educação de jovens e adultos: dialogando sobre aprender e ensinar. Passo Fundo: UPF, 2004.

SAVIANI, D. Fontes, História e Historiografia da Educação. Autores Associados, Curitiba,PR, 2004.

SILVA, R. Fundamentos teóricos e metodológicos da pedagogia social no Brasil. Congresso Internacional de Pedagogia Social, 1, 2006, São Paulo, Anais do 1o Congresso Internacional de Pedagogia Social, USP, 2006.

TEODORO, M. UNATI/UERJ: uma proposta de educação permanente para o cidadão idoso. 2006. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Católica de Petrópolis, Rio de Janeiro, 2006. World Health Organization (WHO). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

Downloads

Como Citar

OLIVEIRA, R. de C. da S. Reconstruçâo histórica da universidade aberta para a terceira idade na Universidade Estadual de Ponta Grossa. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 45e, p. 142–161, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i45e.8640114. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640114. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos