Banner Portal
Os intelectuais e a revolução
PDF

Palavras-chave

Contradição. Falso intelectual. Educação política. Trabalho alienado. Comunismo

Como Citar

FREITAS, Francisco Máuri de Carvalho. Os intelectuais e a revolução. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 45, p. 174–199, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i45.8640144. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640144. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

O tema do presente artigo, de permanente atualidade, notadamente por abordar a relação entre o intelectual e a revolução como método histórico incontornável de demolição da dominação do capital sobre o trabalho, ou seja, da burguesia sobre o proletariado. A base de estruturação do pensamento sobre os intelectuais, assim como a teoria da revolução, não está localizada nos homens e mulheres pensados, imaginados ou idealizados; mas homens e mulheres reais a partir de seu processo de vida real, o desenvolvimento do modo de produção da existência. Neste sentido, tive o cuidado de não cair na ilusão de conceber o real como resultado do pensamento. Para além do senso comum, o intelectual é produto histórico da sociedade despedaçada, testemunha que interiorizou esse despedaçamento. Enfim, o intelectual é o tipo de pessoa que se mete no que não é de sua conta e contesta o conjunto das verdades recebidas, e das condutas que nelas se inspiram, em nome de uma concepção global do homem e da sociedade. Por outro lado, compreendida como o protesto violento do homem trabalhador contra a desumanização de sua vida, a revolução ao dissolver a velha sociedade, é a alma política que ao derrotar o poder existente dissolve as velhas relações de produção e sem ela não é possível realizar o socialismo. A apologia da revolução ocorrendo por meios pacíficos é política e historicamente um engodo para a classe operária, em outras palavras representa o véu místico atrás do qual se esconde a vontade de usufruto de todos os hipócritas, a desculpa que mascara a torpeza das ignomínias do capitalismo e fonte de numerosos desregramentos da sociedade contemporânea.

https://doi.org/10.20396/rho.v12i45.8640144
PDF

Referências

BOBBIO, N. Os intelectuais e o poder. São Paulo: Unesp, 1997.

CORBISIER, R. Os intelectuais e a revolução. Rio de Janeiro: Avenir, 1980.

ENGELS, F. Cartas de Inglaterra. In Escritos de Juventude. MARX, K y ENGELS, F. Obras Fundamentais, v. 2. México: Fundo de Cultura Econômica, 1981.

ENGELS, F. Dois discursos em Elberfeld. In Escritos da Juventude. MARX, K. e

ENGELS, F. Obras Fundamentais, v. 2. México: Fundo de Cultura Econômica, 1981.

ENGELS, F. Rápidos avanços do comunismo na Alemanha. In Escritos da Juventude.

MARX, K e ENGELS, F. Obras Fundamentais, v. 2. México: Fundo de Cultura Econômica, 1981a.

ENGELS, F. Situação da classe operária na Inglaterra. In Escritos da Juventude.

MARX, K. e ENGELS, F. Obras Fundamentais, v. 2. México: Fundo de Cultura Econômica, 1981b.

FEUERBACH, L. A essência do cristianismo - prefácio da segunda edição. Campinas: Papirus, 1986.

LENIN, V. I. Karl Marx. Obras Escolhidas em três tomos, t. 1. Lisboa: “Avante!” / Moscou: Progresso, 1977.

LENIN, V. I. Materialismo e empiriocriticismo. Obras Completas em cinquenta e cinco tomos, t. 18. 5a ed. Moscou: Progresso, 1983.

LENIN, V. I. Obras Completas em cinquenta e cinco tomos - t. 5. 5. ed. Moscou: Progresso, 1981.

MARX, K. Crítica do programa de Gotha. In MARX, K. e ENGELS, F. Obras Escolhidas em três tomos, t. 3. Moscou: Progresso, 1981.

MARX, K. Contribuição à Crítica da Economia Política. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

MARX, K. Capítulo VI inédito de o capital: resultados do processo de produção imediata. São Paulo: Moraes, 1985.

MARX, K. Manuscritos econômicos – filosóficos. Lisboa: Edições 70, 1989.

MARX, K. Textos filosóficos. São Paulo: Mandacaru, 1990.

MARX, K. e ENGELS, F. A ideologia alemã [Feuerbach]. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

PETRAS, J. Ensaios contra a ordem. São Paulo: Página Aberta, 1995.

SARTRE, J. P. Em defesa dos intelectuais. São Paulo: Ática, 1994.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.