Entre enxadas e máquinas: ensino agrícola, trabalho, tradição e modernização na agricultura

Autores

  • Daniela Pereira Versieux CEFET
  • Irlen Antônio Gonçalves CEFET

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i45.8640146

Palavras-chave:

História do ensino agrícola. Modernização da agricultura. Tradição na agricultura. Escolarização

Resumo

O presente artigo tem como objeto de estudo o ensino agrícola pensado, planejado e executado pelo Estado de Minas Gerais nas duas primeiras décadas republicanas. Constituem nossos objetivos explicitar a relação existente entre o ensino agrícola, a agricultura e a instalação em Minas Gerais de uma modernidade capitalista; e compreender como o ensino agrícola fez parte do processo de modernização pelo qual passava a sociedade mineira do início da República, inserindo-se nos esforços que as elites condutoras do Estado empreenderam para subjugar a “rotina” ou a tradição que imperava na lida agrária, com vistas à modernização do campo. Utilizamos como categorias de análise: escolarização, modernidade, modernização e tradição; além do ensino agrícola como categoria histórica. A partir da leitura de algumas fontes primárias e de um profícuo diálogo com a literatura pudemos inferir que o ensino agrícola contribuiu para a modernização agrícola ao impor um determinado modo de fazer agricultura, substituindo práticas, métodos, conhecimentos e instrumentos tradicionais pelos modernos métodos agrícolas, retirando dos trabalhadores a possibilidade de uma sobrevivência autônoma e imprimindo ao processo modernizador um caráter de expropriação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Pereira Versieux, CEFET

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)
Fundação de Ensino de Contagem (FUNEC)

Irlen Antônio Gonçalves, CEFET

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Referências

BARBOSA, Francisco de Assis. As Idéias Políticas de João Pinheiro: cronologia, introdução, notas bibliográficas e textos selecionados. Brasília: Senado Federal/MEC; Rio de Janeiro: Fundação Rui Barbosa, 1980. (Coleção Ação e Pensamento da República).

BAUDRILLARD, Jean. Modernité. In: ENCICLOPÆDIA Universalis. Vol. 11. p.139-141, 1977.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986. 358p.

BOTELHO, Jorge Florentino. 2008. As políticas públicas para a formação do trabalhador do campo em Minas Gerais: O Instituto Agronômico de Itabira (1880-1898). Belo Horizonte: Departamento de Pesquisa e Pós-graduação, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, 2008. 26f. Projeto de pesquisa.

BURKE, Peter. 2002. História e Teoria Social. Tradução Klauss Brandini Gerhardt, Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Editora UNESP, 2002. 275p.

CONGRESSO LEGISLATIVO DE MINAS GERAIS. Anais da Câmara dos Deputados. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1894.

DULCI, Otávio. João Pinheiro e as origens do desenvolvimento mineiro. In: GOMES, Ângela de Castro (org.). Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. p. 109-136.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Escolarização e cultura escolar no Brasil: reflexões em torno de alguns pressupostos e desafios. In: BENCOSTTA, Marcus Levy Alvino (org.). Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. São Paulo: Cortez, 2007. p. 193-211.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. República, Trabalho e Educação: a experiência do Instituto João Pinheiro (1909-1934). Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco, 2001. 174p.

FARIA, Maria Auxiliadora. A Política da Gleba: As Classes Conservadoras Mineiras; discurso e prática na Primeira República. 1992. 394 f. (Tese de Doutorado, História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

FERRARO, Mário Roberto. A gênese da agricultura e da silvicultura moderna no Estado de São Paulo. 2005. 106f. (Dissertação de Mestrado, Recursos Florestais, Conservação de Ecossistemas Florestais). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2005.

FUNDAÇÃO JP (revista). O Congresso Agrícola, Comercial e Industrial de Minas Gerais, em 1903. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, v. 11, n°s. 5/6, mai./jun. 1981. 220p.

FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. 27a edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional: Publifolha, 2000. (Coleção Grandes nomes do pensamento brasileiro). 276p.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. 220p.

IGLÉSIAS, Francisco. Política Econômica do Estado de Minas Gerais. In: V Seminário de Estudos Mineiros: a República Velha em Minas. Realizado em Belo Horizonte, de 22 a 24 de agosto de 1977. Belo Horizonte: UFMG/PROED, 1982. p. 115-144.

KIRDEIKAS, João Carlos Vieira. O Estado e a formação do mercado interno para o capital no Brasil: 1850-1903. (Dissertação de mestrado, Economia). Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003. 114 fls.

KOWARICK, Lúcio. Trabalho e vadiagem: a origem do trabalho livre no Brasil. 2a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994. 124p.

LENHARO, Alcir. As tropas da moderação (o abastecimento da Corte na formação política do Brasil – 1808-1842). 2a ed. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1993. 136p.

LIBBY, Douglas Cole. Transformação e trabalho em uma economia escravista: Minas Gerais no século XIX. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988. 404p.

MENDONÇA, Sonia Regina de. Agronomia e Poder no Brasil. Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 1998. 204p.

MINAS GERAIS (jornal). Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais. 01/set/1906-31/mar/1915.

MINAS GERAIS. SECRETARIA DA AGRICULTURA. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Delfim Moreira da Costa Ribeiro, Presidente do Estado de Minas, pelo Dr. Raul Soares de Moura, Secretário da Agricultura, Indústria, Terras, Viação e Obras Públicas no ano de 1915 [e referente a 1914]. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais.

MONTEIRO, Norma Góes (coord.). Dicionário Biográfico de Minas Gerais – período republicano – 1889/1991. Belo Horizonte: Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais, 1994. 2 v.

PIRES, Anderson. Café, finanças e bancos: Uma Análise do Sistema Financeiro da Zona da Mata de Minas Gerais: 1889/1930. 2004. (Tese de Doutorado, História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2004. 412 fls.

TEMPERINI, Rosana Soares de Lima. O sertão vai virar campo: análise de um periódico agrícola (1930-1937). 2003. 107 f. (Dissertação de Mestrado, História das Ciências da Saúde). Casa de Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 2003.

VERSIEUX, Daniela Pereira. Modernização e escolarização do trabalho agrícola: as fazendas-modelo em Minas Gerais (1906-1915). 2010. 232f. (Dissertação de mestrado, Educação Tecnológica). Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais: Belo Horizonte, 2010.

WIRTH, John D. O fiel da balança: Minas Gerais na Federação Brasileira (1889-1930). Tradução de Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. (Coleção Estudos Brasileiros, v. 50). 384p.

Downloads

Publicado

2012-06-09

Como Citar

VERSIEUX, D. P.; GONÇALVES, I. A. Entre enxadas e máquinas: ensino agrícola, trabalho, tradição e modernização na agricultura. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 45, p. 223–240, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i45.8640146. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640146. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos