As origens do processo de institucionalização da profissão docente na província de Sergipe: um estudo sobre a lei geral de 15 de outubro de 1827 e a lei provincial de 5 de março de 1835

  • Simone Silveira Amorim Universidade Tiradentes
  • Cristiano Ferronato Universidade Tiradentes
  • Leyla Menezes de Santana Universidade Tiradentes
Palavras-chave: Profissão docente. Sergipe. Ensino Primário

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender como se deu o início do processo de institucionalização da escola primária e da configuração da profissão docente através da análise da legislação, especialmente da lei de 15 de outubro de 1827 e da lei provincial de 5 de março de 1835, em Sergipe. Para o estudo da configuração da profissão docente em Sergipe consideramos nesta análise a necessidade de ter a lei como fonte. Desta forma, as categorias analíticas de Bourdieu (1996) e Elias (1990, 2001), ajudaram a compreender como se configurou a profissão docente no âmbito do ensino primário e de que forma se constituiu o habitus profissional pensado para o projeto de constituição de nação para o Brasil, dentro de um processo civilizador.  É possível afirmar que a profissão docente se configurou em meio a avanços e retrocessos, permeados por tentativas de organização do ensino primário através da legislação. As questões em torno da formação dos professores no Brasil e especificamente na Província de Sergipe contribuíram para a edificação de discursos a respeito da instrução e da configuração da profissão docente, pois elas fomentaram diversas ações do Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Silveira Amorim, Universidade Tiradentes
Doutora em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Professora do PPG I da Universidade Tiradentes/UNIT, no Programa de Pós-graduação em Educação, atua na área de História da Educação.
Cristiano Ferronato, Universidade Tiradentes
Doutor em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Professor do PPG I da Universidade Tiradentes/UNIT, no Programa de Pós-graduação em Educação, atua na área de História da Educação.
Leyla Menezes de Santana, Universidade Tiradentes
Mestranda em Educação pela Universidade Tiradentes (UNIT) e bolsista PROCAPES 2 /UNIT

Referências

ALVES, Cláudia Maria Costa. Cultura e política no século XIX: o exército como campo de constituição de sujeitos políticos no Império. Bragança Paulista: EDUFS, 2002.

BASTOS, Maria Helena Câmara. O ensino monitorial/mútuo no Brasil (1827 – 1854). In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Câmara (Orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil: Vol. II – Século XIX. 2a edição. Petrópolis: Vozes, 2006, p.34-51.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa São Paulo: Papirus, 1998.

CALASANS, José. O ensino público em Aracaju (1830-1871). Revista do IHGS, Aracaju, v. 15, n. 2, p. 96-120, 1951.

COSTA E SILVA, Alberto. População e sociedade. In: História do Brasil Nação: (1808-2010). Crise colonial e Independência. (1808-1830). Rio de Janeiro, Vol. 1. Editora Objetiva, 2011, p. 11.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Tradução de Ruy Jungmann Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Tradução de Pedro Sussekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. A legislação escolar como fonte para a História da Educação: uma tentativa de interpretação. In: VIDAL, Diana Gonçalves et all. (Orgs.). Educação, modernidade e civilização. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. p. 89-125.

FIGUEIRÔA, Meirevandra Soares. “Matéria Livre... Espírito Livre para Pensar”: um estudo das praticas abolicionistas em prol da instrução e educação de ingênuos na capital da província sergipana (1881-1884). 2007. 176f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2007.

FRANCO, Cândido Augusto Pereira. Compilação das Leis Provinciais de Sergipe – 1835 a 1880. v. 2: I-Z, Aracaju:Typografia de F. das Chagas Lima, 1879.

FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; NASCIMENTO, Jorge Carvalho. As Escolas Normais da Província: a organização do ensino normal em Sergipe durante o século XIX. In: As escolas normais no Brasil: do Império à República. ARAÚJO, José Carlos Souza; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; LOPES, Antônio, de Pádua Carvalho (Orgs.). Campinas: Alínea, 2008. p. 163-175.

GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

LIMA, Gláriston dos Santos. A Cultura Material Escolar: desvelando a formatação da Instrução das Primeiras Letras na Província de Sergipe (1834-1858). 2007, 147f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2007.

MOACYR, Primitivo. A instrução e o Império: Subsídios para a História da Educação no Brasil, 1823 – 1853. Vol. 1. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936.

MONTESQUIEU, Charles Luis de Secondat. O espírito das leis. Tradução de Gabriela de Andrada Dias Barbosa São Paulo: Saraiva, 2008.

NASCIMENTO, Jorge Carvalho do. A cultura ocultada ou a influência alemã na cultura brasileira durante a segunda metade do século XIX. Londrina: Editora UEL, 1999.

NASCIMENTO, Jorge Carvalho do. Problemas de método nos estudos sobre o ensino agrícola e o processo civilizador. In: VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO, 2004, Paraíba. Anais... Paraíba: Universidade Federal da Paraíba, 2004. Disponível em: http://www.uel.br/grupoestudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anas8/artigos/JorgeCarvalhodoNascimento.pdf. Acesso em: 15 de dez. 2011, p.1-8.

NUNES, Maria Thétis. História da Educação em Sergipe. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

TAMBARA, Elomar; ARRIADA, Eduardo (Orgs). Coletânea de leis sobre o ensino primário e secundário no período imperial brasileiro: Lei de 1827; Reforma Couto Ferraz – 1854; Reforma Leôncio de Carvalho – 1879. Pelotas: Seiva, 2005

VEIGA, Cynthia Greive. História da Educação. São Paulo: Ática, 2007.

Publicado
2014-03-22
Como Citar
Amorim, S. S., Ferronato, C., & Santana, L. M. de. (2014). As origens do processo de institucionalização da profissão docente na província de Sergipe: um estudo sobre a lei geral de 15 de outubro de 1827 e a lei provincial de 5 de março de 1835. Revista HISTEDBR On-Line, 13(54), 100-114. https://doi.org/10.20396/rho.v13i54.8640171
Seção
Artigos