Educação e lutas sociais no Brasil pós-ditadura: da democratização à ausência de alternativas

  • Lalo Watanabe Minto Universidade Estadual Paulista - UNESP/Campus de Marília
Palavras-chave: Democratização. Educação. Lutas de Classes

Resumo

Analisam-se os fundamentos do processo de democratização da sociedade brasileira e seus impactos no campo da educação. Pressupõe-se que: a) democracia não é um conjunto dado de valores; b) as sociedades capitalistas são estruturalmente desiguais, incompatíveis com qualquer noção substantiva de igualdade; c) o Estado não é o lócus da realização do interesse geral; d) os conflitos de classes formam o terreno histórico no qual se objetivam as possibilidades democráticas. Com base nisso, afirma-se que tanto nas relações sociais em geral, como na educação, efetivou-se um processo de democratização no Brasil pós-Ditadura, fruto dos conflitos sociais que encaminharam a sociedade brasileira a conquistas favoráveis às classes trabalhadoras. Processo este que foi contraditório: de um lado, estavam as forças populares, para as quais democratização implicava conquista de direitos e participação nos processos decisórios; de outro lado, as forças que desejavam preservar a ordem vigente, ainda que tivessem de acatar mudanças na sua configuração (de Ditadura para um regime de direito). Nas conclusões argumentamos que, com a chamada redemocratização, houve certa abertura para uma democracia mais substantiva, capaz de dar vazão aos conflitos sociais. Abertura esta que logo se reverteu com o neoliberalismo, o que vem levando a um contexto de crescente ausência de alternativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lalo Watanabe Minto, Universidade Estadual Paulista - UNESP/Campus de Marília
Departamento de Administração e Supervisão Escolar -Faculdade de Filosofia e Ciências, Unesp/Marília.

Referências

ADRIÃO, T.; CAMARGO, R. A gestão democrática na Constituição Federal de 1988. In: OLIVEIRA, R.; ADRIÃO, T. (org.). Gestão, financiamento e direito à educação: análise da LDB e da Constituição Federal. São Paulo: Xamã, 2001. p. 69-78.

BORÓN, A. Filosofia política e crítica da sociedade burguesa: o legado teórico de Karl Marx. In: Filosofia política moderna: de Hobbes a Marx. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO; San Pablo: Depto. de Ciência Política – FFLCH-USP, 2006. p. 287-328.

BRAGA, R.; FIGUEIREDO, A. L. Treinamento bélico, violência sistemática. Folha de S. Paulo, Tendências e Debates, 28 jul. 2012.

CALIL, R. Democracia no Brasil. Cult, n. 85, ano VII, out. 2004. p. 47-51.

CHAUÍ, M. Cultura e Democracia: o discurso competente e outras falas. 6a ed. São Paulo: Cortez, 1993.

COMPARATO, F. K. Para entender o julgamento do "mensalão". Carta Maior, 14 out. 2012. Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br>. Acesso em: 15 out. 2012.

COUTINHO, C. N. A democracia como valor universal. Encontros com a civilização brasileira, Rio de Janeiro, n. 9, mar. 1979. p. 33-47.

COUTINHO, C. N. A democracia na batalha das idéias e nas lutas políticas do Brasil de hoje. In: FÁVERO, O.; SEMERARO, G. (Orgs.). Democracia e construção do público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p. 11-39.

FERNANDES, F. Brasil: em compasso de espera: pequenos escritos políticos. São Paulo: Editora Hucitec, 1980.

FERNANDES, F. A constituição inacabada: vias históricas e significado político. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

FERNANDES, F. Constituinte e revolução. In: Democracia e desenvolvimento: a transformação da periferia e o capitalismo monopolista atual. São Paulo: Editora Hucitec, 1994, p. 153-189.

FERNANDES, F. Nova república? 2aed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1986.

FREITAS, J. de. Ideia terrorista. Folha de S. Paulo, 18 jun. 2013, Poder, p. A6.

GERMANO, J. W. Estado militar e educação no Brasil. (1964-1985). São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1993.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. Tradução de Marcos Santarrita. 2a ed. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

LEHER, R. Movimentos sociais, democracia e educação. In: FÁVERO, O.; SEMERARO, G. (Orgs.). Democracia e construção do público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p. 187-211.

LUKÁCS, G. O processo de democratização. In: Socialismo e democratização: escritos políticos 1956-1971. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008, p. 83-206.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. Tradução de Ana Cotrim e Vera Cotrim. São Paulo: Boitempo, 2007.

MINTO, L. W. A administração escolar no contexto da Nova República e do neoliberalismo. In: ANDREOTTI; LOMBARDI; MINTO (Orgs.). História da administração escolar no Brasil: do diretor ao gestor. Campinas, SP: Editora Alínea, 2010. p. 173-200.

MINTO, L. W. A educação da “miséria”: particularidade capitalista e educação superior no Brasil. (Tese de Doutorado). Campinas, SP: Unicamp, Faculdade de Educação, 2011.

NETTO, J. P. Capitalismo monopolista e serviço social. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

NETTO, J. P. Em busca da contemporaneidade perdida: a esquerda brasileira pós-64. In: MOTA, C. (org.). Viagem incompleta. A experiência brasileira (1500-2000): a grande transação. 2a ed. São Paulo, Editora Senac São Paulo, 2000. p. 219-45.

NEVES, L. M. W. Educação e política no Brasil de hoje. São Paulo: Cortez, 1994.

OLIVEIRA, F. de. A nova hegemonia da burguesia no Brasil dos anos 90 e os desafios de uma alternativa democrática. In: FRIGOTTO, G; CIAVATTA, M. (Orgs.). Teoria e educação no labirinto do capital. 2a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. p. 51-77.

OLIVEIRA, F. de. Queda da ditadura e democratização no Brasil. In: FÁVERO, O.; SEMERARO, G. (Orgs.). Democracia e construção do público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p. 41-51.

PACHUKANIS, E. B. Teoria geral do direito e marxismo. São Paulo, Editora Acadêmica, 1988.

PINASSI, M. O. O lulismo, os movimentos sociais no Brasil e o lugar social da política. Herramienta, ano XV, n. 46, mar. 2011. Disponível em: http://www.herramienta.com.ar. Acesso em: 13 jun. 2012.

PORTELLA, E. A qualidade da democracia. Folha de S. Paulo, 27maio2011, cad.A, p. 3.

PROJETO que define crime de terrorismo pode ser votado até agosto pelo Congresso. Disponível em: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2013/06/13/projeto-que-define-crime-de-terrorismo-pode-ser-votado-ate-agosto-pelo-congresso. Acesso em: 13 jun. 2013.

SAFATLE, V. Proposta concreta. Folha de S. Paulo, 18 jun. 2013, Opinião, p. A2.

SAMPAIO JR., P. de A. Vivemos um processo de reversão neocolonial (entrevista). IHU On-Line, 13 maio 2012. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/509442. Acesso em: 14 maio 2012.

SAVIANI, D. Historia das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

SHIROMA, E. et. al. Política educacional. 2a ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

TOLEDO, C. N. A modernidade democrática da esquerda: adeus à revolução? Crítica marxista, Campinas, vol. 1, n. 1, 1994, p. 27-38.

WEBER, S. Escola pública: gestão e autonomia. In: VELLOSO, J. et al. Estado e educação. Campinas: Papirus: CEDES; São Paulo: ANDE: Anped, 1992, p. 215-222.

XAVIER, M. E. S. P. A “Nova República” e as tendências ideológicas da educação. Educação e Sociedade, Campinas, n. 42, ago. 1992, p. 228-233.

Publicado
2014-03-22
Como Citar
Minto, L. W. (2014). Educação e lutas sociais no Brasil pós-ditadura: da democratização à ausência de alternativas. Revista HISTEDBR On-Line, 13(54), 242-262. https://doi.org/10.20396/rho.v13i54.8640181
Seção
Artigos