Banner Portal
Concepções políticas e educacionais de Renato Jardim
PDF

Palavras-chave

Renato Jardim. Biografia. Educação Brasileira. Escola Nova. Psicanálise

Como Citar

CUNHA, Marcus Vinícius da; SILVA, Tatiane. Concepções políticas e educacionais de Renato Jardim. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 53, p. 78–91, 2014. DOI: 10.20396/rho.v13i53.8640194. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640194. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar as concepções políticas e educacionais de Renato Jardim, intelectual que participou ativamente na cena educacional e política brasileira nas primeiras décadas do século XX, tendo sido responsável por iniciativas de reforma educacional e ativo participante nos mais importantes debates sobre a educação ocorridos na época. A metodologia empregada é a análise bibliográfica em moldes tradicionais, utilizando, além de literatura especializada no tema, a autobiografia do autor publicada em 1946 e quatro livros de sua autoria publicados entre 1932 e 1936. No campo político, são examinados os argumentos do autor relativos ao governo de Getúlio Vargas instituído em 1930 e ao movimento constitucionalista de 1932. No campo da educação, o trabalho analisa as ideias do autor a respeito da introdução da psicanálise nas práticas pedagógicas e as suas reflexões em busca de uma definição para o conceito de Escola Nova.

https://doi.org/10.20396/rho.v13i53.8640194
PDF

Referências

AZEVEDO, Fernando. Discurso de Posse, 17/01/1927. In: AZEVEDO, Fernando. A reforma do ensino no Distrito Federal: discursos e entrevistas. São Paulo: Melhoramentos, 1929.

CUNHA, Marcus Vinicius. A educação dos educadores: da Escola Nova à escola de hoje. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

CUNHA, Marcus Vinicius. O Velho Estadão: educação e poder nos anos de ouro do Ginásio Otoniel Mota. Ribeirão Preto: Palavra Mágica, 2001.

CUNHA, Marcus Vinicius. O Manifesto dos Pioneiros de 1932 e a cultura universitária brasileira: razão e paixões. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 17, p. 123-140, maio/ago. 2008.

JARDIM, Renato. Psicanálise e educação. Melhoramentos: São Paulo, 1932.

JARDIM, Renato. A aventura de outubro e a invasão de São Paulo. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 1933a.

JARDIM, Renato. Um libelo a sustentar. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 1933b.

JARDIM, Renato. Escola Nova, coletivismo e individualismo. Livraria do Globo: Porto Alegre, 1936.

JARDIM, Renato. Reminiscências. Rio de Janeiro: José Olympio, 1946.

LEMME, Paschoal. Memórias. Volume 2. São Paulo: Cortez, 1988.

LOURENÇO FILHO, Manuel Bergström. Introdução ao estudo da Escola Nova: bases, sistemas e diretrizes da pedagogia contemporânea. 11. edição. São Paulo: Nacional, 1974.

MATE, Cecília Hanna. Tempos modernos na escola: os anos 30 e a racionalização da educação brasileira. Bauru: EDUSC, 2002.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na Primeira República. 2. edição. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

NERY, Ana Clara Bortoleto. A Sociedade de Educação de São Paulo: embates no campo educacional (1922-1931). São Paulo, UNESP, 1999.

PILETTI, Nelson. A reforma Fernando de Azevedo: Distrito Federal (1927-1930). Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1982.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2. edição. Campinas: Autores Associados, 2008

SIRCILLI, Fabíola. Arthur Ramos, psicanálise e educação. Marília: Poïesis, 2008.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.