O projeto político-educacional azevediano no Brasil nos anos 1920-1930

Autores

  • Magna Maria da Silva Universidade Estadual de Maringá
  • Amélia Kimiko Noma Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i53.8640201

Palavras-chave:

Educação pública. Projeto político-educacional. Fernando de Azevedo. Brasil 1920-1930

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as principais ideias de Fernando de Azevedo e sua atuação como formulador de projeto político-educacional no Brasil no período de 1920-1930. Ao adotar o materialismo histórico como método de investigação, analisa-se o objeto de estudo em articulação com o processo de transformação da sociedade brasileira no contexto delimitado. A proposição do presente trabalho justifica-se pela utilização de uma vertente analítica pouco desenvolvida nos estudos sobre a temática. Trata-se da focalização de Fernando de Azevedo como um agente do governo em ação, como planejador e administrador de políticas educacionais, portanto, sob o prisma da pesquisa em política educacional. O pensamento educacional de Azevedo e a sua ação se articularam a um processo de transformação da sociedade capitalista brasileira ao se engajar na luta para a construção de um sistema nacional de ensino público sob a tutela do Estado, em consonância com uma civilização urbano-industrial moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magna Maria da Silva, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Educação e graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá.

Amélia Kimiko Noma, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em História pela PUC-SP, docente do Departamento de Fundamentos da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Estadual de Maringá.

Referências

ALVES, Catharina Edna Rodrigues. Fernando de Azevedo: na batalha do humanismo. 2004. 125 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, SP, 2004.

AZEVEDO, Fernando de. A educação e seus problemas. 4. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1948.

AZEVEDO, Fernando de. História de minha vida. Rio de Janeiro: José Olympio, 1971.

AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. 6. ed. Brasília, DF: Ed. UnB; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1996.

AZEVEDO, Fernando de. Novos caminhos e novos fins: a nova política de educação no Brasil. 3. ed. São Paulo: Melhoramentos, s.d.a.

AZEVEDO, Fernando de. A reconstrução educacional no Brasil. Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932). In: AZEVEDO, Fernando de. A educação entre dois mundos. Problemas, perspectivas e orientações. São Paulo: Melhoramentos, s.d.b. p. 59-81.

BOMENY, Helena. Infidelidades eletivas: intelectuais e política. In: BOMENY, Helena. (Org.). Constelação Capanema: intelectuais e política. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas / Bragança Paulista: Ed. Universidade de São Francisco, 2001. p. 11-35.

CANDIDO, Antônio. Um reformador. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 37, p. 11-17, 1994.

CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, p. 229-250, 1997.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a República. São Paulo: Brasiliense, 1986.

CUNHA, Marcus Vinicius da. Dewey, escola nova e construtivismo: continuidade, descontinuidade e recontextualização. In: ALMEIDA, Jane Soares de (Org.). Estudos sobre a profissão docente. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2001. p. 15-44.

DIMAS, Antônio. Os primeiros leitores de A cultura brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 37, p. 19-33, 1994.

FAUSTO, Boris. A revolução de 1930: história e historiografia. São Paulo: Brasiliense, 1978.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel: a política e o estado moderno. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

GRAMSCI, Antônio. Notas sobre Maquiavel. In: SADER, Emir (Org.) Gramsci: poder, política e partido. São Paulo: Expressão Popular, 2005. p. 11-105.

MENDES, Durmeval Trigueiro. Prefácio. In: PENNA, Maria Luiza. Fernando de Azevedo: educação e transformação. São Paulo: Perspectiva, 1987. p. 13-19.

MICELI, Sérgio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MONARCHA, Carlos. A reinvenção da cidade e da multidão. Dimensões da modernidade brasileira: a escola nova. São Paulo: Cortez: Campinas-SP: Autores Associados, 1990.

MOURA, Antônio Plínio Pires de. Brasil industrial: do capitalismo retardatário à inserção subordinada no mundo neocolonial. Bahia Análise e Dados, Salvador, v. 11, n. 3, p. 82-89, dez. 2001.

PERISSINOTO, Renato M. Classes dominantes e hegemonia na República Velha. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 1994.

PINTO, Diana Couto et al. Trajetórias de liberais e radicais pela educação pública: Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro, Fernando de Azevedo, Florestan Fernandes. São Paulo: Loyola, 2000.

POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais do estado capitalista. Porto: Portucalense, 1971.

QUEIROZ, Maria Isaura P. de. Fernando de Azevedo: o sociólogo. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 37, p. 53-69, 1994.

RIBEIRO, Maria Luísa S. História da educação brasileira. A organização escolar. São Paulo: Moraes, 1986.

SAES, Décio. Classe média e política na Primeira República brasileira (1889-1930). Petrópolis, RJ: Vozes, 1978.

SAES, Décio. Coronelismo e Estado burguês: elementos para uma reinterpretação. Nova Escrita – Ensaio, São Paulo, v. 4, n. 9, p. 107-127, s.d.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Editores Associados, 2007.

SEVCENKO, Nicolau. Transformações da linguagem e advento da cultura modernista no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 78-88, 1993.

VIDAL, Diana. Nacionalismo e tradição na prática discursiva de Fernando de Azevedo. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 37, p. 35-51, 1994.

Downloads

Como Citar

SILVA, M. M. da; NOMA, A. K. O projeto político-educacional azevediano no Brasil nos anos 1920-1930. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 53, p. 196–213, 2014. DOI: 10.20396/rho.v13i53.8640201. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640201. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos