José Scaramelli e o esboço de uma escola nova “brasileira”

Autores

  • Débora Alfaro São Martinho da Silva UFSCar
  • Alessandra Arce UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i53.8640202

Palavras-chave:

História da educação brasileira. História das ideias pedagógicas. Escola Nova. Intelectuais da educação brasileira. José Scaramelli

Resumo

Este artigo busca compreender como as ideias pedagógicas de autores representantes do Movimento Internacional da Escola Nova adentraram no Brasil na Primeira República, sendo apropriadas, interpretadas e adaptadas à realidade escolar da época por intelectuais-educadores como José Scaramelli, situado no âmbito da informação-ação, difundem e operacionalizam os sistemas de pensamento de teóricos precursores deste movimento, no espaço dos cursos de formação de professores e de instrução aos alunos de escolas elementares; chegando, mesmo, a propor um esboço de uma Escola Nova com características brasileiras, que pudesse enfrentar e superar os impasses enfrentados pela instrução pública do período. Com base em suas obras didáticas, procura-se responder o quê este intelectual-educador compreendia por Escola Nova e o quê, segundo esta orientação, propunha para a educação da infância brasileira. Como guias metodológicos foram adotadas as categorias indicadas para a realização de um trabalho dentro de uma perspectiva histórico-crítica em História da Educação: caráter concreto do conhecimento histórico-educacional, a perspectiva de longa duração, o olhar analítico-sintético no trato com as fontes, a articulação do singular e do universal e a atualidade da pesquisa histórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Alfaro São Martinho da Silva, UFSCar

Doutoranda em Educação na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Alessandra Arce, UFSCar

Pós-doutora em Filosofia e História da Educação pela Unicamp. Professora Adjunta da Universidade Federal de São Carlos (UFScar).

Referências

A REFORMA da educação em Pernambuco: dentre os estados que estão reformando o seu ensino é Pernambuco o que realiza reforma mais radical, diz o “Diário de S. Paulo”. A Província, Recife, 27 fev. 1929, p. 3. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/128066/per128066_1929_00048.pdf. Acesso em: 27 dez. 2012.

ARAÚJO, Cristina. A Escola Nova em Pernambuco: educação e modernidade. Recife: Prefeitura do Recife; Secretaria da Cultura; Fundação de Cultura, 1991.

BARBOSA, Ana Mae. John Dewey e o ensino da arte no Brasil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. Decreto n. 20.778, de 12 de dezembro de 1931. Disponível em: http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=21083. Acesso: em 27 dez. 2012.

CAMARGO, Marilena Aparecida Jorge Guedes de. Coisas velhas: um percurso de investigação sobre cultura escolar (1928-1958). São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

CARNEIRO LEÃO, Antonio. Justificativa. In: PERNAMBUCO. Organização do Estado de Pernambuco. Recife: Imprensa Oficial, 1928. p. 7 – 30.

CARNEIRO LEÃO, Antonio. O Brazil e a educação popular. Rio de Janeiro: Jornal do Commercio, 1918.

CARVALHO, Marta Maria Chagas. Reformas da instrução pública. In: 500 anos de educação no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 225 – 251.

FREYRE, Gilberto. Tempo morto e outros tempos: trechos de um diário de adolescência e primeira mocidade (1915 - 1930). São Paulo: Global; Recife, PE: Fundação Gilberto Freyre, 2006.

INSTRUÇÃO Pública. Folha da Manhã, São Paulo, 13 abr. 1928, p. 11. Disponível em: http://acervo.folha.com.br/fdm/1928/04/13/141/. Acesso em: 6 fev. 2012.

LE GOFF, Jacques. A história do quotidiano. In: ARIÈS, P.; DUBY, G. & LE GOFF, J. (Org.). História e nova história. 3. ed. Lisboa: Editorial Teorema, 1994. p. 85 – 96.

LEMOS FILHO. Clã de açúcar: Recife: 1911 – 1934. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1960.

MELO, Luís Correia de. Dicionário de autores paulistas. São Paulo: Ed. Gráfica Irmãos Andrioli, 1954.

MONARCHA, Carlos. A Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas: Ed. Unicamp, 1999.

MONARCHA, Carlos. Notícia documental e bibliográfica sobre as “missões de professores paulistas”. In: COSTA, Célio Juvenal; MELO, Joaquim José Pereira; FABIANO, Luiz Hermenegildo (Org.). Fontes e métodos em história da educação. Dourados, MS: UFGD, 2010. p. 243 – 265.

PROFESSORES paulistas vão reformar o ensino em Pernambuco: São Paulo continua a auxiliar a instrução em todo o país. Folha da Manhã, São Paulo, 25 jan. 1929, p. 2. Disponível em: http://acervo.folha.com.br/fdm/1929/01/25/141//4519399. Acesso em: 6 fev. 2012.

ROCCO, Salvador (Org.). Bandeirismo. Centenário do ensino normal em São Paulo: 1846/1946. Polianteia comemorativa do ensino normal. São Paulo: Gráfica Brescia, 1946, p. 69 – 75.

SÃO PAULO (Estado). Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Projeto de Lei 281/1960. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 22 jul. 1960, p. 13. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/5593067/dosp-suplemento-poder-executivo-22-07-1960-pg-11/pdfView. Acesso em: 6 fev. 2012.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Interior. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 18 maio 1919, n. 109, p. 3083. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/3797951/dosp-diario-oficial-18-05-1919-pg-3083/pdfView. Acesso em: 6 fev. 2012.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007a.

SAVIANI, Demerval. Instituições Escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. In: NASCIMENTO, Maria Isabel Moura et. al. (Org.). Instituições Escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. Campinas: Autores Associados: HISTEDBR, Sorocaba: UNISO, 2007b, p. 03 – 32.

SCARAMELLI, José. Escola Nova Brasileira: esboço de um systema. São Paulo: Livraria Zenith, 1931a, v. 1.

SCARAMELLI, José. Escola Nova Brasileira: lições Ativas. São Paulo: Livraria Zenith, 1931b, v. 2.

SCARAMELLI, José. Escola Nova Brasileira: como realizar a transição da Escola Tradicional para a Escola Nova. São Paulo: Livraria Zenith, 1931c, v. 3.

SCARAMELLI, José. Escola Nova Brasileira: didática. São Paulo: Livraria Zenith, 1931d, v. 4.

SCARAMELLI, José. Escola Nova Brasileira: testes. São Paulo: Livraria Zenith, 1931e, v. 5.

SILVA, Débora Alfaro São Martinho da Silva. José Scaramelli: um bandeirante do ensino paulista na implementação e divulgação de uma didática e metodologia da educação nova para a infância brasileira. 2013. 225 f. Dissertação (Mestrado) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

TOLEDO, João. Nossa gente: notas pedagógicas para meus alunos. Revista da Escola Normal de São Carlos, SP, ano 3, n. 5, p. 31 – 42, dez., 1918.

VAINFAS, Ronaldo. Micro-história: os protagonistas anônimos da história. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

Downloads

Como Citar

SILVA, D. A. S. M. da; ARCE, A. José Scaramelli e o esboço de uma escola nova “brasileira”. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 53, p. 214–237, 2014. DOI: 10.20396/rho.v13i53.8640202. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640202. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos