Instrução, educação e nação no Brasil oitocentista (1822-1861)

Autores

  • Carlos Eduardo Dias Souza Universidade de São Paulo / Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640227

Palavras-chave:

Escola. Cidadania. Ensino. Brasil imperial

Resumo

O que significava pensar o ensino no Brasil imperial? Tal questionamento, além de nos dizer muito sobre quem somos hoje, estava mais do que na pauta dos agentes do governo quando da formação do país à época. Pensar o ensino significava pensar questões fundamentais que eram: quem seria formado? Quem era o povo que receberia esse ensino? Quem ensinaria? O que ensinar? Além disso, questões fundamentais como a educação moral do povo, assim como a formação de um ideal de nacionalidade, pertencimento e cidadania pretendiam ser lançados já no espaço escolar. Discutiremos neste artigo como esse debate ganhou fôlego e tomou forma nos anos iniciais da construção do Brasil imperial, entre a independência e o período de consolidação da monarquia (a década de 1850).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Dias Souza, Universidade de São Paulo / Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possuo graduação em Licenciatura em História pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2007, campus Seropédica) e mestrado em História Social da Cultura pela PUC-Rio (2010). Desde a graduação venho trabalhando questões como instrução, nação e cidadania no Império do Brasil. Atualmente sou aluno de doutorado do programa de pós-graduação em Sociologia da USP, professor da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, tutor presencial no pólo de Piraí do curso de graduação semipresencial em História da UNIRIO/CEDERJ e professor substituto de História do Brasil do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. História da Instrução Pública no Brasil (1500-1889). História e Legislação. Tradução de Antonio Chizzotti. São Paulo: PUC-SP; Brasília: INEP, 1989.

ANAIS da Câmara dos Deputados, Sessão em 12 de maio de 1826.

ANAIS da Câmara dos Deputados, Sessão em 10 de julho de 1827.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. SP: Companhia das Letras, 2008.

ARQUIVO NACIONAL – Série Educação (documentos diversos).

ARQUIVO NACIONAL – Colação Leis do Brasil, Lei de 15 de Outubro de 1827.

ASSIS, Machado de. Conto de Escola. In: Várias Histórias. Rio de Janeiro: Laemmertz & C. Editores, 1896.

BOURDIEU, Pierre. Sistemas de ensino e sistemas de pensamento. In A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CARVALHO, José Murilo de. A Construção da Ordem: a elite política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CUNHA JÚNIOR, Carlos Fernando Ferreira da. O Imperial Collégio de Pedro II e o ensino secundário da boa sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

DÓRIA, Escragnolle. Memória Histórica do Colégio de Pedro Segundo: 1837-1937. Edição comemorativa. Brasília: INEP, 1997.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Petrópolis: Vozes, 2003.

GASPARELLO, Arlette Medeiros. Construtores de identidades: os compêndios de História do Brasil no Colégio Pedro II (1838-1920). São Paulo: PUC-SP (Tese de doutorado em Educação: História, Política e Sociedade), 2002, p. 61.

GONDRA, José Gonçalves, Artes de Civilizar: medicina, higiene e educação escolar na Corte Imperial. Rio de Janeiro: EdUerj, 2004.

HÉBRARD, Jean. Três figuras de jovens leitores: alfabetização e escolarização do ponto de vista da história cultural. In Márcia Abreu (org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado das Letras, Associação de Leitura do Brasil, São Paulo: Fapesp, 1999.

HÉBRARD, Jean. O autodidatismo exemplar. Como Valentin Jamerey-Duval aprendeu a ler? In: Roger Chartier; Alain Paire (org.). Práticas de leitura. Tradução de Cristiane Nascimento. 2a Ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

KARASCH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). Tradução de Pedro Maia Soares, São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LORENZ, Karl Michael; VECHIA, Ariclê. Programa de ensino da escola secundária brasileira: 1850-1951. Curitiba: Editora do autor, 1998.

MACEDO, Joaquim Manuel de, Um passeio pela cidade do Rio de Janeiro. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2005 (1863).

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema. SP: Hucitec, 1987.

MATTOS, Selma Rinaldi de, O Brasil em lições. A história como disciplina escolar em Joaquim Manoel de Macedo. Rio de Janeiro: Access, 2000.

MOACYR, Primitivo. Primitivo Moacyr, A instrução e o Império (Subsídios para a história da educação no Brasil, 1854-1889). 3° volume. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

NUDOM – Núcleo de Documentação e Memória do Colégio Pedro II. Regulamento n. 8, 1838.

POMPÉIA, Raul. O Ateneu. Barcelona: Sol90, 2004.

RELATÓRIOS do Ministério do Império – RMI, Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, 1832; Bernardo Pereira de Vasconcellos, 1838.

SILVA, Antonio de Moraes, Diccionário da Língua Portugueza Antonio de Moraes Silva, 1844.

SOUZA, Carlos Eduardo Dias. Alunos, leitores, cidadãos: apontamentos sobre a formação dos alunos do Colégio Pedro II no Império (1837-1854). ArsHistórica – Revista de História (online). 2012.

SOUZA, Roberto Acízelo de. O Império da Eloquência: retórica e poética no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro/Niterói: EdUerj/Eduff, 1999.

Downloads

Publicado

2013-11-18

Como Citar

SOUZA, C. E. D. Instrução, educação e nação no Brasil oitocentista (1822-1861). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 17–34, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640227. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640227. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos