Banner Portal
Instrução, educação e nação no Brasil oitocentista (1822-1861)
PDF

Palavras-chave

Escola. Cidadania. Ensino. Brasil imperial

Como Citar

SOUZA, Carlos Eduardo Dias. Instrução, educação e nação no Brasil oitocentista (1822-1861). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 17–34, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640227. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640227. Acesso em: 13 abr. 2024.

Resumo

O que significava pensar o ensino no Brasil imperial? Tal questionamento, além de nos dizer muito sobre quem somos hoje, estava mais do que na pauta dos agentes do governo quando da formação do país à época. Pensar o ensino significava pensar questões fundamentais que eram: quem seria formado? Quem era o povo que receberia esse ensino? Quem ensinaria? O que ensinar? Além disso, questões fundamentais como a educação moral do povo, assim como a formação de um ideal de nacionalidade, pertencimento e cidadania pretendiam ser lançados já no espaço escolar. Discutiremos neste artigo como esse debate ganhou fôlego e tomou forma nos anos iniciais da construção do Brasil imperial, entre a independência e o período de consolidação da monarquia (a década de 1850).

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640227
PDF

Referências

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. História da Instrução Pública no Brasil (1500-1889). História e Legislação. Tradução de Antonio Chizzotti. São Paulo: PUC-SP; Brasília: INEP, 1989.

ANAIS da Câmara dos Deputados, Sessão em 12 de maio de 1826.

ANAIS da Câmara dos Deputados, Sessão em 10 de julho de 1827.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. SP: Companhia das Letras, 2008.

ARQUIVO NACIONAL – Série Educação (documentos diversos).

ARQUIVO NACIONAL – Colação Leis do Brasil, Lei de 15 de Outubro de 1827.

ASSIS, Machado de. Conto de Escola. In: Várias Histórias. Rio de Janeiro: Laemmertz & C. Editores, 1896.

BOURDIEU, Pierre. Sistemas de ensino e sistemas de pensamento. In A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CARVALHO, José Murilo de. A Construção da Ordem: a elite política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CUNHA JÚNIOR, Carlos Fernando Ferreira da. O Imperial Collégio de Pedro II e o ensino secundário da boa sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

DÓRIA, Escragnolle. Memória Histórica do Colégio de Pedro Segundo: 1837-1937. Edição comemorativa. Brasília: INEP, 1997.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Petrópolis: Vozes, 2003.

GASPARELLO, Arlette Medeiros. Construtores de identidades: os compêndios de História do Brasil no Colégio Pedro II (1838-1920). São Paulo: PUC-SP (Tese de doutorado em Educação: História, Política e Sociedade), 2002, p. 61.

GONDRA, José Gonçalves, Artes de Civilizar: medicina, higiene e educação escolar na Corte Imperial. Rio de Janeiro: EdUerj, 2004.

HÉBRARD, Jean. Três figuras de jovens leitores: alfabetização e escolarização do ponto de vista da história cultural. In Márcia Abreu (org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado das Letras, Associação de Leitura do Brasil, São Paulo: Fapesp, 1999.

HÉBRARD, Jean. O autodidatismo exemplar. Como Valentin Jamerey-Duval aprendeu a ler? In: Roger Chartier; Alain Paire (org.). Práticas de leitura. Tradução de Cristiane Nascimento. 2a Ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

KARASCH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). Tradução de Pedro Maia Soares, São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LORENZ, Karl Michael; VECHIA, Ariclê. Programa de ensino da escola secundária brasileira: 1850-1951. Curitiba: Editora do autor, 1998.

MACEDO, Joaquim Manuel de, Um passeio pela cidade do Rio de Janeiro. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2005 (1863).

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema. SP: Hucitec, 1987.

MATTOS, Selma Rinaldi de, O Brasil em lições. A história como disciplina escolar em Joaquim Manoel de Macedo. Rio de Janeiro: Access, 2000.

MOACYR, Primitivo. Primitivo Moacyr, A instrução e o Império (Subsídios para a história da educação no Brasil, 1854-1889). 3° volume. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

NUDOM – Núcleo de Documentação e Memória do Colégio Pedro II. Regulamento n. 8, 1838.

POMPÉIA, Raul. O Ateneu. Barcelona: Sol90, 2004.

RELATÓRIOS do Ministério do Império – RMI, Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, 1832; Bernardo Pereira de Vasconcellos, 1838.

SILVA, Antonio de Moraes, Diccionário da Língua Portugueza Antonio de Moraes Silva, 1844.

SOUZA, Carlos Eduardo Dias. Alunos, leitores, cidadãos: apontamentos sobre a formação dos alunos do Colégio Pedro II no Império (1837-1854). ArsHistórica – Revista de História (online). 2012.

SOUZA, Roberto Acízelo de. O Império da Eloquência: retórica e poética no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro/Niterói: EdUerj/Eduff, 1999.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.