Banner Portal
Práticas de leituras escolares nos anos 20: Os usos do Almanaque Biotônico Fontoura
PDF

Palavras-chave

Almanaque do Biotônico Fontoura. História da Educação. Práticas de leituras. Brasil (1920)

Como Citar

MACHADO, Marcelo Oliano; ROSSI, Ednéia Regina; RODRIGUES, Elaine. Práticas de leituras escolares nos anos 20: Os usos do Almanaque Biotônico Fontoura. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 155–164, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640235. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640235. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

Neste artigo, por meio da memória de seus leitores, buscamos identificar o Almanaque Biotônico Fontoura como fonte para análise da história das práticas de leituras escolares nas primeiras décadas do século XX. Partimos do entendimento de que o Almanaque não foi apenas um livreto de divulgação medicamentosa. Distribuído, a princípio, apenas em farmácias, ele adentrou os muros das escolas, transformando-se em material de leitura de muitos jovens e crianças. Transformado em material de leitura, ele circulou nos ambientes escolares, como material de apoio didático.

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640235
PDF

Referências

CARDOSO, N. A. A. As criações neológicas em Monteiro Lobato: para a construção de um glossário. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Letras e Linguística, 2006.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1988.

CHARTIER, R. . A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília, DF: Ed. UnB, 1994.

CHARTIER, R. . A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora da UNESP, 1999.

ECO, U. Os limites da interpretação. Tradução de Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 1995 (Coleção Estudos).

GOULARD, I. do C. V. O livro: objetivo de estudo e de memória. Campinas: Unicamp, 2009.

HANAYAMA, E. Acolhendo a alfabetização nos países de língua portuguesa. São Paulo, v. 2, n. 4, Marzo/Ago. 2007. Disponível em: http://www.revistasusp. sibi.usp.br/scielo.php? script=sci_art text&pid=S1980-6862007000200012&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 5 mar. 2010.

LOBATO, M. Almanaque do Biotônico (Fontoura). São Paulo: Instituto Medicamenta, 1950. Ilustrado. 32pp. Dimensões de 13,5 x 18,5 cm. Variedades. Propagandas de Medicamentos.

LOBATO, M. Urupês. 27. ed. São Paulo: Brasiliense, 1982.

PARK, M. B. Histórias e leituras de almanaques no Brasil. Campinas: Mercado das Letras S/A FADESP, 1998.

PARK, M. B. De Jeca Tatu a Zé Brasil: a possível cura da raça brasileira. Revista Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro: CPDA/UFRJ, v. 13, p. 143-150, out. 1999. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/brasil/cpda/ estudos/treze/park13.htm. Acesso em: 22 ago. 2009.

ROSSI, E. R. “Insuladas tribos”. A escola primária e a forma de socialização escolar: São Paulo (1912-1920). 2003. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Assis.

SEVCENKO, N. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso In: ______ . (Org.). História da vida privada no Brasil: República: da Belle Époque à era do rádio. São Paulo, Companhia das Letras, 1998. v. 3, p. 7-47.

SILVA, M. da. Metáforas e entrelinhas da profissão docente. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 1997.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.