Banner Portal
O estado e as políticas de nacionalização da infância nas escolas étnicas do Paraná
PDF

Palavras-chave

Políticas de educação. Escolas étnicas. Nacionalização

Como Citar

RENK, V. E. O estado e as políticas de nacionalização da infância nas escolas étnicas do Paraná. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 165–182, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640236. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640236. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

No Paraná, até 1938, as escolas étnicas existiam a margem do Estado, com uma  organização muito específica, cujos conteúdos escolares eram ministrados na língua materna do grupo, assim, como também a história, a geografia. Adotavam livros escolares na língua de origem do grupo e muitos alunos desconheciam ou poucos conheciam da língua portuguesa, apesar de serem brasileiros. Nesta pesquisa objetiva-se analisa o processo de nacionalização destas escolas e também os processos de resistência que estes grupos étnicos apresentaram às medidas implementadas pelo Estado para nacionalizar a infância. As fontes de pesquisa são os documentos oficiais, como a legislação educacional, os Relatórios e Mensagens de Governo, os arquivos particulares das instituições de ensino, também as entrevistas e depoimentos daqueles que eram alunos destas escolas em 1938, e vivenciaram a nacionalização compulsória. As fontes possibilitam o cotejamento das informações e analisar o processo de nacionalização destas escolas. Através da análise histórica será possível entender a importância da manutenção da cultura étnica para as escolas e do ensino da língua nacional, para o Estado. Desde 1909 até 1938, a legislação educacional obrigava o ensino em português, criava formas de homogeneização do ensino, para integrar estes alunos á cultura nacional,simultaneamente as escolas étnicas organizavam formas de resistência para manter a cultura. Apesar dos mecanismos de controle do Estado sobre os professores e a organização escolar, a nacionalização só se efetivou em 1938, com o fechamento das escolas étnicas.

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640236
PDF

Referências

ANDO. Z. Estudos sócio-históricos da imigração japonesa. São Paulo: Centro de Estudos Nipo-brasileiros, 1976.

BARTH, F. Ethnic groups and bourdaries. London: GA and U, 1986.

BOURDIEU, P. Razões práticas sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

CANCELLI, E. O mundo da violência. A polícia da era Vargas. Brasília: EDUNB, 1993

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2000

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994

CUNHA, M.C. Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense/EDUSP, (1986)

GUÉRIOS, R.F. Memória, Identidade e religião entre os imigrantes rutenos e seus descendentes no Paraná. 2007. 292 f.Tese (Doutorado em Antropologia Social), Museu Nacional, Universidade federal do Rio de Janeiro.

HALL, S. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed da UFMG, 2003.

KREUTZ, L. Escolas comunitárias de imigrantes no Brasil: instâncias de coordenação e estruturas de apoio. Revista Brasileira de Educação, no. 15, p. 159-176, set/dez,2000

POUTIGNAT, P; STREIFF-FENART, J. As teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

RENK, V. E. Aprendi falar português na escola! O processo de nacionalização das escolas étnicas polonesas e ucranianas no Paraná. 2009. 241f. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal do Paraná

SAGALLI, A. Colégio Vicentino São José 1904-2004. Curitiba: Colégio Vicentino São José, 2007.

SOUZA, R.F. Tempos de infância, tempos de escola: a ordenação do tempo escolar no ensino primário paulista (1892-1933). In Educação e Pesquisa. V. 25, no.2 jul/dez, 1999.

VIÑAO FRAGO, A. Tiempos escolares, tiempos sociales. Barcelona: editorial Ariel S.A, 1998.

ZINCO, B. As escolas particulares ucranianas no Brasil. Prudentópolis: Basilianos, 1960.

DOCUMENTOS

ARQUIVOS DA CONGREGAÇÃO VICENTINA DE CURITIBA, 2009.

ARQUIVOS DO COLÉGIO VICENTINO DE CURITIBA, 2008.

PARANÁ. Relatório do Secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, 1917. Curitiba: DEAP

PARANÁ. Relatórios de Governo apresentado ao Secretário Geral do Paraná, pelo Professor Cesar P. Martinez em 1920, 1921, 1923 e 1924. Curitiba: DEAP

PARANÁ. Relatório do Governo Manoel Ribas, 1937-1942. Curitiba: DEAP, 1942

PARANÁ. Decreto n. 17 de 09/01/1917. Código de Ensino. Curitiba: DEAP.

PARANÁ. Lei n. 2005 de 09/04/1920. Código do Ensino. Curitiba: DEAP

PARANÁ. Decreto lei no. 2157 de 08/04/1922. Código do Ensino. Curitiba DEAP

PARANÁ. Lei 1775 de 03/04/1918. Determina a obrigatoriedade do ensino da Língua Portuguesa. Leis de 1918. Curitiba: DEAP

BRASIL. Coleção de leis da República dos Estados Unidos do Brasil de 1930 a 1945. Curitiba: DEAP

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.