O estado e as políticas de nacionalização da infância nas escolas étnicas do Paraná

Autores

  • Valquiria Elita Renk PUCPR -Pontifícia Universidade Católica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640236

Palavras-chave:

Políticas de educação. Escolas étnicas. Nacionalização

Resumo

No Paraná, até 1938, as escolas étnicas existiam a margem do Estado, com uma  organização muito específica, cujos conteúdos escolares eram ministrados na língua materna do grupo, assim, como também a história, a geografia. Adotavam livros escolares na língua de origem do grupo e muitos alunos desconheciam ou poucos conheciam da língua portuguesa, apesar de serem brasileiros. Nesta pesquisa objetiva-se analisa o processo de nacionalização destas escolas e também os processos de resistência que estes grupos étnicos apresentaram às medidas implementadas pelo Estado para nacionalizar a infância. As fontes de pesquisa são os documentos oficiais, como a legislação educacional, os Relatórios e Mensagens de Governo, os arquivos particulares das instituições de ensino, também as entrevistas e depoimentos daqueles que eram alunos destas escolas em 1938, e vivenciaram a nacionalização compulsória. As fontes possibilitam o cotejamento das informações e analisar o processo de nacionalização destas escolas. Através da análise histórica será possível entender a importância da manutenção da cultura étnica para as escolas e do ensino da língua nacional, para o Estado. Desde 1909 até 1938, a legislação educacional obrigava o ensino em português, criava formas de homogeneização do ensino, para integrar estes alunos á cultura nacional,simultaneamente as escolas étnicas organizavam formas de resistência para manter a cultura. Apesar dos mecanismos de controle do Estado sobre os professores e a organização escolar, a nacionalização só se efetivou em 1938, com o fechamento das escolas étnicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valquiria Elita Renk, PUCPR -Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Mestre em Educação e Doutora em Educação,  Professora da PUCPR. Pesquisa sobre as escolas de imigrantes no PR, as políticas de  nacionalização do Ensino nas escolas étnicas do PR, nas primeiras décadas do século XX

Referências

ANDO. Z. Estudos sócio-históricos da imigração japonesa. São Paulo: Centro de Estudos Nipo-brasileiros, 1976.

BARTH, F. Ethnic groups and bourdaries. London: GA and U, 1986.

BOURDIEU, P. Razões práticas sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

CANCELLI, E. O mundo da violência. A polícia da era Vargas. Brasília: EDUNB, 1993

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2000

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994

CUNHA, M.C. Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense/EDUSP, (1986)

GUÉRIOS, R.F. Memória, Identidade e religião entre os imigrantes rutenos e seus descendentes no Paraná. 2007. 292 f.Tese (Doutorado em Antropologia Social), Museu Nacional, Universidade federal do Rio de Janeiro.

HALL, S. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed da UFMG, 2003.

KREUTZ, L. Escolas comunitárias de imigrantes no Brasil: instâncias de coordenação e estruturas de apoio. Revista Brasileira de Educação, no. 15, p. 159-176, set/dez,2000

POUTIGNAT, P; STREIFF-FENART, J. As teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

RENK, V. E. Aprendi falar português na escola! O processo de nacionalização das escolas étnicas polonesas e ucranianas no Paraná. 2009. 241f. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal do Paraná

SAGALLI, A. Colégio Vicentino São José 1904-2004. Curitiba: Colégio Vicentino São José, 2007.

SOUZA, R.F. Tempos de infância, tempos de escola: a ordenação do tempo escolar no ensino primário paulista (1892-1933). In Educação e Pesquisa. V. 25, no.2 jul/dez, 1999.

VIÑAO FRAGO, A. Tiempos escolares, tiempos sociales. Barcelona: editorial Ariel S.A, 1998.

ZINCO, B. As escolas particulares ucranianas no Brasil. Prudentópolis: Basilianos, 1960.

DOCUMENTOS

ARQUIVOS DA CONGREGAÇÃO VICENTINA DE CURITIBA, 2009.

ARQUIVOS DO COLÉGIO VICENTINO DE CURITIBA, 2008.

PARANÁ. Relatório do Secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, 1917. Curitiba: DEAP

PARANÁ. Relatórios de Governo apresentado ao Secretário Geral do Paraná, pelo Professor Cesar P. Martinez em 1920, 1921, 1923 e 1924. Curitiba: DEAP

PARANÁ. Relatório do Governo Manoel Ribas, 1937-1942. Curitiba: DEAP, 1942

PARANÁ. Decreto n. 17 de 09/01/1917. Código de Ensino. Curitiba: DEAP.

PARANÁ. Lei n. 2005 de 09/04/1920. Código do Ensino. Curitiba: DEAP

PARANÁ. Decreto lei no. 2157 de 08/04/1922. Código do Ensino. Curitiba DEAP

PARANÁ. Lei 1775 de 03/04/1918. Determina a obrigatoriedade do ensino da Língua Portuguesa. Leis de 1918. Curitiba: DEAP

BRASIL. Coleção de leis da República dos Estados Unidos do Brasil de 1930 a 1945. Curitiba: DEAP

Downloads

Publicado

2013-11-18

Como Citar

RENK, V. E. O estado e as políticas de nacionalização da infância nas escolas étnicas do Paraná. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 165–182, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640236. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640236. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos