Liberdade esclarecida: a formação de professores nos anos 1930

Autores

  • Regina Cândida Ellero Gualtieri UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640238

Palavras-chave:

Periódico Educacional. Formação de Professores. Escola Nova

Resumo

Os temas considerados importantes para o exercício da docência, no início dos anos 1930, abordados na Revista Escola Nova, são analisados com o intuito de caracterizar as orientações pedagógicas oferecidas, na época, pelo Estado aos professores. Trata-se de uma publicação oficial, editada em São Paulo pela Diretoria da Instrução Pública, no período assinalado, e concebida para apoiar tecnicamente os professores em seus fazeres e, sobretudo, esclarecer os fundamentos da reforma educacional em curso. Nessa época, o diretor da Instrução Pública de São Paulo era o escolanovista Lourenço Filho (1897-1970), responsável pelas diretrizes e pela implementação da reforma. A análise dos conteúdos revela um conjunto de princípios, normas e prescrições que visavam estabelecer condutas, modos de ver a escola e de praticar o ensino que, no dizer de Lourenço Filho, compunham a “nascente cultura pedagógica nacional”. O propósito dessa análise é também refletir sobre a persistência, ou não, de certos traços desse ideário nas práticas escolares atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Cândida Ellero Gualtieri, UNIFESP

Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP

Referências

ALMEIDA JUNIOR, Antonio F. de. Formação profissional de Lourenço Filho. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO (org.). Um educador brasileiro: Lourenço Filho. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1959, pp. 27- 44.

AZEVEDO, Fernando. A Reconstrução educacional do Brasil. Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932). In: AZEVEDO, Fernando. A educação entre dois mundos. São Paulo: Edições melhoramentos, s/d, pp. 59-81.

CARVALHAL, Fernanda Caraline de A. Instituto Nacional de Cinema Educativo: da história escrita à história contada – um novo olhar, 2009. Disponível em: http://www.mnemocine.art.br/index.php?option=com_content&view=article&id=167:institutonaccine&catid=42:historia-no-cinema-historia-do-cinema&Itemid=67 Acesso em 02-06-2011

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Molde nacional e fôrma cívica. Higiene, moral e trabalho no projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931). Bragança Paulista, SP: EDUSF, 1998.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Modernidade pedagógica e modelos de formação docente. In: Perspectiva. [on-line]. 2000, V.14, n.1, pp. 111-120. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n1/9808.pdf. Acesso em 31-05-2011.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Reformas da instrução pública. In: LOPES, Eliane Maria Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. pp. 225-251

CARVALHO, Marta Maria Chagas de C; TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Os sentidos da forma: análise material das coleções de Lourenço Filho e Fernando de Azevedo. In: OLIVEIRA, Marcus Aurélio Taborda de (org.). Cinco estudos em História e Historiografia da Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, pp. 89-110.

CASPARD, Pierre.; CASPARD, Pénélope. Imprensa pedagógica e formação contínua de professores primários (1815-1939). In: CATANI, Denice Barbara; BASTOS, Maria Helena Camara. Educação em Revista. A imprensa periódica e a história da educação. São Paulo: Escrituras, 2002. pp. 33-46.

DIAS, Enéias Borges. Revista Escola Nova (1930-1931): um estudo sobre o tecnicismo. In: Anais da VII JORNADA DO HISTEDBR, realizado pelo Grupo de Estudos e Pesquisa “História, Sociedade e Educação no Brasil”, 2007. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/acer_histedbr/jornada/jornada7/03trab-autor-E.htm Acesso em 07 de maio de 2011.

DOMINGUES Octavio. A hereditariedade em face da educação. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1929.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Le GOFF, Jacques. História e memória. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003.

LESSARD, Claude. Reformas curriculares e trabalho docente: natureza e graus de prescrições do trabalho. In: Revista da FAEEBA. Educação e Contemporaneidade. Salvador, BA: v. 17, n. 30, p. 43-58, jul./dez. 2008.

LOURENÇO FILHO, Manuel Bergstrõm. (1929). “Prefácio”. In: DOMINGUES, Octávio. A hereditariedade em face da educação. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1929, pp. 7-9.

MATE, Cecília Hanna. O manifesto dos pioneiros de 32 como ampliação da política reformista. In: 23a Reunião Anual da ANPED. Caxambu, MG: Anais do 23a Reunião Anual, 2000. Disponível em www.anped.org.br/reunioes/23/textos/0202t.PDF

MATE, Cecília Hanna. Tempos modernos na escola. Os anos 30 e a racionalização da educação brasileira. Bauru, SP: EDUSC; Brasília, DF: INEP, 2002.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na Primeira República. São Paulo: Editora da Universidade de são Paulo, 2009.

NÓVOA, Antonio. A imprensa de educação e ensino: concepção e organização do Repertório português. In: CATANI, Denice Barbara.; BASTOS, Maria Helena Camara. Educação em Revista. A imprensa periódica e a história da educação. São Paulo: Escrituras, 2002. pp. 11-31. Revista Escola Nova. Órgão da Directoria Geral da Instrucção Publica de São Paulo. V. I. 1930, No. 1 a 3; V. II, 1931, n. 1 a 4; V. III, 1931, No. 1 a 3. SAVIANI, Dermeval. Escola & Democracia. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

Downloads

Publicado

2013-11-19

Como Citar

GUALTIERI, R. C. E. Liberdade esclarecida: a formação de professores nos anos 1930. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 198–214, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640238. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640238. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos