As faculdades municipais de São Paulo: aspectos de sua origem e organização acadêmico-institucional (1960-1975)

Autores

  • Silvana Aparecida Bretas Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640241

Palavras-chave:

Faculdades municipais. Ensino superior. Ciência. Educação

Resumo

Este artigo insere-se no campo da História da Educação, tendo como objeto de estudo as faculdades municipais do estado de São Paulo. O objetivo é apresentar aspectos de suas origens e de suas organizações acadêmicas correspondentes ao estatuto científico da área de sua abrangência. Das quase 40 faculdades municipais paulistas foram selecionadas a Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis de Franca, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Pardo e a Escola de Engenharia de Piracicaba. Em cada uma, cercou-se da pesquisa documental, especialmente, as referentes à suas origens e à dinâmica acadêmico-institucional. Nas considerações finais procurou traçar uma comparação desses aspectos e apontar algumas perspectivas acadêmicas que se delineiam para um futuro próximo destas IMES.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Aparecida Bretas, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Educação Escolar pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar – Faculdade de Ciências e Letras – UNESP/CAr. Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Educação da Universidade Federal de Sergipe - UFS.

Referências

ARAUJO & SCHWARTZMAN, Relação centro-pereferia: o caso da autonomia universitária. Disponível em htpp://WWW.10minutos.com.br/Simon/centroper.htm Acessado em 27/05/2000.

BRETAS, S.A. A rede municipal de ensino superior do estado de São Paulo : Novas questões sobre velhos problemas. Araraquara, 2005, 194f. (Doutorado em Educaáo Escolar) - Faculdade de Ciências e Letras/UNESP/Car.

CASPARD, P. L'état et individu en historie de l'éducation: problèmes de sources et de méthode. In: SEMINÁRIO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: A ótica dos pesquisadores, 1994, Belo Horizonte. Anais... Brasília: INEP, 1995 (Série Documental: Eventos, n. 6).

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. In 26a Reunião Anual da ANPEd. Poços de Caldas. Novo governo, novas políticas? O papel da ANPEd na produção das políticas educacionais. Associação Nacional de Pós-Graduação em Educaçao, 2003, p. 17-21.

CUNHA, A universidade temporã. Da Colônia à era Vargas. 2a Ed., Francisco Alves: RJ, 1986.

DIAS, F. C. Construção do sistema universitário no Brasil: memória histórica do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras. Brasília: CRUB, 1989.

ESCOLA DE ENGENHARIA DE PIRACICABA. Ofício 303, de 18 de novembro de 1972. Sobre exigência de relator do Conselho Estadual de Educação de São Paulo, Processo no 1283/72, referente ao reconhecimento da Escola de Engenharia de Piracicaba.

ESCOLA DE ENGENHARIA DE PIRACICABA. Prontuários do corpo docente. Arquivos inativos de 1964 a 1978.

GUERRA. R. Faculdade: 30 anos. Gazeta do Rio Pardo, São José do Rio Pardo, cad. Especial, 25 mai. 1996.

MACHADO NETO, A. J. Globalização e gestão universitária: um estudo das instituições municipais de ensino superior do estado de São Paulo. 2000. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas de Franca (FACEF), Franca.

MENDES, D. T. A expansão do ensino superior no Brasil. Revista Documenta, Brasília, n. 91, p. 26-66, set. 1968.

REVISTA DOCUMENTA. Brasília: Ministério da Educação e Cultura; Conselho Federal da Educação, jan. 1968 a set. 1968 (no. 80 a 91).

REVISTA LOGOS, v. 1, n. 1. São José do Rio Pardo: Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São José do Rio Pardo, jun. 1969.

SAES, F. A.; CYTRYNOWICZ, R. O pensamento econômico e as origens da profissão de economista no Brasil (1931-1945). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA ECONÔMICA, 3, 1999. Curitiba.

SÃO PAULO. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Deliberação no 406/68. Aprova normas regimentais provisórias da Escola de Engenharia de Piracicaba (Diário Oficial do Estado de São Paulo n. 247, 28 dez. 1972.

SÃO PAULO. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Ensino Superior Municipal de São Paulo. São Paulo, CEE, 1995. (SÃO PAUO, 1995, p. 11)

SÃO JOSÉ DO RIO PARDO. Lei Municipal no 415, de 27 de abril de 1964. Cria a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Pardo.

SÃO JOSÉ DO RIO PARDO. Prontuários do corpo docente. Arquivos inativos de 1964 a 1978.

TEIXEIRA, A. Estudo especial: Interpretação do Art. 15 da LDB/61. In REVISTA DOCUMENTA. Brasília: Ministério da Educação e Cultura; Conselho Federal da Educação, n° 81, jan. a set. 1968.

VAIDERGORN, J. As seis irmãs: as faculdades de Filosofia, Ciências e Letras – Institutos isolados de ensino superior do estado de São Paulo, 1957-1964: alguns subsídios interpretativos para o estudo do ensino superior do estado de São Paulo. 1995. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

VARGAS, M. (org.). História da técnica e da tecnologia no Brasil. São Paulo: UNESP/Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, 1994.

VIEIRA, D. T. A história da Ciência Econômica no Brasil. In: FERRI, M. G.; MOTOYAMA, S. História das Ciências no Brasil, 3. São Paulo EDUSP, 1979-1981, p. 347-372.

WARDE, M. J. Contribuição da História para a educação. Em Aberto, Brasília, ano 9, n. 47, jul./set. 1990.

Downloads

Publicado

2013-11-19

Como Citar

BRETAS, S. A. As faculdades municipais de São Paulo: aspectos de sua origem e organização acadêmico-institucional (1960-1975). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 250–274, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640241. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640241. Acesso em: 23 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos