Banner Portal
Educação para mulheres: análise histórica dos ensinamentos de economia doméstica no Brasil
PDF

Palavras-chave

Economia Doméstica. Gênero. Educação

Como Citar

AMARAL JUNIOR, J. C. do. Educação para mulheres: análise histórica dos ensinamentos de economia doméstica no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 275–285, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640242. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640242. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

A economia doméstica foi introduzida no Brasil em 1909, cuja origem é datada da necessidade de garantir a sobrevivência da família nuclear pós Revolução Industrial. Dessa forma, a economia doméstica foi criada como uma forma de “educação para o lar” para as mulheres, em sintonia com o modelo de família da época que estava fundada na divisão sexual do trabalho. O objetivo deste trabalho foi analisar a trajetória histórica do ensino de economia doméstica no Brasil desde sua criação até os dias atuais. Pôde-se perceber que o contexto social e histórico de criação do curso no Brasil priorizava a mulher como responsável pela casa e pelos filhos, enquanto o homem era responsável pela vida pública. Historicamente, com a mudança no cenário econômico e político, o curso superior de Economia Doméstica passou a não atender a realidade social em que estava enquadrado e dessa forma iniciou-se um processo de reestruturação de seu conteúdo. O que pode ser visto hoje no ensino de economia doméstica no Brasil é a existência de novos e velhos discursos, em que a necessidade constante que esta área de ensino tem de se adaptar às novas demandas sociais e produtivas coexistem com os fortes vestígios da trajetória histórica da criação do curso.

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640242
PDF

Referências

BRASIL. Lei no 7.387 de 21 de outubro de 1985. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 de out. de 1985.

BRASIL. Lei no 8.042 de 13 de junho de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 de jun. de 1990.

BRASIL. Portaria no 09 de 15-02-91. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 19 de fev. de 1991.

BRASIL. Portaria no 118 de 15-08-86. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 de ago. de 1986.

BRASIL. Portaria no 169 de 29-10-86. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 de nov. de 1986.

BRASIL. Portaria no 182 de 19-11-86. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 de nov. de 1986.

BRASIL. Portaria no 91 de 11-09-87. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 de mai. de 1987.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M. R. Trabalhadoras brasileiras dos anos 90: mais numerosas, mais velhas e mais instruídas. Mulher e Trabalho, v.2, 2002.

BUCCI, M. P. D. Ofício no 82/2010-MEC-SESu/DESUP. Ministério da Educação – Secretaria de Educação Superior. Brasília, DF, dezembro de 2010.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. A classe operária tem dois sexos. Estudos Feministas, v.2, n. 1/94, p. 93-100, jan./jul. 1994.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.132, p. 595-609, set./dez. 2007.

OLIVEIRA, A. C. M. Economia Doméstica: origem, desenvolvimento e campo de atuação profissional. VÉRTICES, v.8, n.1/3, jan./dez. 2006.

PIZAIA, M. G.; SOARES, P. C. S.; CAMARA, M. R. G.; CAMPOS, M. F. S. A importância da água na economia doméstica: formas alternativas para um melhor aproveitamento e economia do recurso pelos residentes domiciliares. In: XLIII Congresso da SOBER –“ Instituições, Eficiência, Gestão e Contratos no Sistema Agroindustrial”, Ribeirão Preto, julho de 2005.

SANTOS, T. N. E. Arquivo histórico da Universidade Federal de Viçosa: subsídios e perspectivas para a história da educação superior no Brasil do século XX. In: VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, comunicações individuais, Uberlândia: Minas Gerais, abril de 2006, p.5108-5116.

TIRIBA, L. Brincando de casinha: fragmentos de economia, cultura e educação. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v.16, n.31, p.161-172, mai./ago. 2007.

TIRIBA, L. Ciência econômica e saber popular: reivindicar o “popular” na economia e na educação. In: TIRIBA, Lia e PICANÇO,,Iracy (orgs): Trabalho e Educação: arquitetos, abelhas e outros tecelões da economia popular solidária. Idéias e Letras, p.75-102, 2004.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ. Economia Doméstica – estrutura curricular. Disponível em http://www.unioeste.br/cursos/beltrao/economiadomestica/ acesso em 10 de julho de 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Catálogo de Graduação: Economia Doméstica, Registro Escolar, p.148-152, 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Personagens e Pioneiros da UFV. Disponível em http://www.personagens.ufv.br acesso em 05 de julho de 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Economia Doméstica – disciplinas. Disponível em http://www.economiadomestica.ufc.br/disciplinas.html acesso em 10 de julho de 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação: matriz curricular Economia Doméstica, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. Decanato de Ensino de Graduação – Grade curricular curso Economia Doméstica, 2006.

WEBER, F. Lares de cuidado e linhas de sucessão: algumas indicações etnográficas na França, hoje. MANA, v.12, n.2, p.479-502, 2006.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.