Educação para mulheres: análise histórica dos ensinamentos de economia doméstica no Brasil

Autores

  • José Carlos do Amaral Junior Universidade Federal de Viçosa (UFV)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640242

Palavras-chave:

Economia Doméstica. Gênero. Educação

Resumo

A economia doméstica foi introduzida no Brasil em 1909, cuja origem é datada da necessidade de garantir a sobrevivência da família nuclear pós Revolução Industrial. Dessa forma, a economia doméstica foi criada como uma forma de “educação para o lar” para as mulheres, em sintonia com o modelo de família da época que estava fundada na divisão sexual do trabalho. O objetivo deste trabalho foi analisar a trajetória histórica do ensino de economia doméstica no Brasil desde sua criação até os dias atuais. Pôde-se perceber que o contexto social e histórico de criação do curso no Brasil priorizava a mulher como responsável pela casa e pelos filhos, enquanto o homem era responsável pela vida pública. Historicamente, com a mudança no cenário econômico e político, o curso superior de Economia Doméstica passou a não atender a realidade social em que estava enquadrado e dessa forma iniciou-se um processo de reestruturação de seu conteúdo. O que pode ser visto hoje no ensino de economia doméstica no Brasil é a existência de novos e velhos discursos, em que a necessidade constante que esta área de ensino tem de se adaptar às novas demandas sociais e produtivas coexistem com os fortes vestígios da trajetória histórica da criação do curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos do Amaral Junior, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Possui graduação em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (2011), especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça pela Universidade Federal de Ouro Preto e mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa.

Referências

BRASIL. Lei no 7.387 de 21 de outubro de 1985. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 de out. de 1985.

BRASIL. Lei no 8.042 de 13 de junho de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 de jun. de 1990.

BRASIL. Portaria no 09 de 15-02-91. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 19 de fev. de 1991.

BRASIL. Portaria no 118 de 15-08-86. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 de ago. de 1986.

BRASIL. Portaria no 169 de 29-10-86. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 de nov. de 1986.

BRASIL. Portaria no 182 de 19-11-86. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 de nov. de 1986.

BRASIL. Portaria no 91 de 11-09-87. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 de mai. de 1987.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M. R. Trabalhadoras brasileiras dos anos 90: mais numerosas, mais velhas e mais instruídas. Mulher e Trabalho, v.2, 2002.

BUCCI, M. P. D. Ofício no 82/2010-MEC-SESu/DESUP. Ministério da Educação – Secretaria de Educação Superior. Brasília, DF, dezembro de 2010.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. A classe operária tem dois sexos. Estudos Feministas, v.2, n. 1/94, p. 93-100, jan./jul. 1994.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.132, p. 595-609, set./dez. 2007.

OLIVEIRA, A. C. M. Economia Doméstica: origem, desenvolvimento e campo de atuação profissional. VÉRTICES, v.8, n.1/3, jan./dez. 2006.

PIZAIA, M. G.; SOARES, P. C. S.; CAMARA, M. R. G.; CAMPOS, M. F. S. A importância da água na economia doméstica: formas alternativas para um melhor aproveitamento e economia do recurso pelos residentes domiciliares. In: XLIII Congresso da SOBER –“ Instituições, Eficiência, Gestão e Contratos no Sistema Agroindustrial”, Ribeirão Preto, julho de 2005.

SANTOS, T. N. E. Arquivo histórico da Universidade Federal de Viçosa: subsídios e perspectivas para a história da educação superior no Brasil do século XX. In: VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, comunicações individuais, Uberlândia: Minas Gerais, abril de 2006, p.5108-5116.

TIRIBA, L. Brincando de casinha: fragmentos de economia, cultura e educação. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v.16, n.31, p.161-172, mai./ago. 2007.

TIRIBA, L. Ciência econômica e saber popular: reivindicar o “popular” na economia e na educação. In: TIRIBA, Lia e PICANÇO,,Iracy (orgs): Trabalho e Educação: arquitetos, abelhas e outros tecelões da economia popular solidária. Idéias e Letras, p.75-102, 2004.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ. Economia Doméstica – estrutura curricular. Disponível em http://www.unioeste.br/cursos/beltrao/economiadomestica/ acesso em 10 de julho de 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Catálogo de Graduação: Economia Doméstica, Registro Escolar, p.148-152, 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Personagens e Pioneiros da UFV. Disponível em http://www.personagens.ufv.br acesso em 05 de julho de 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Economia Doméstica – disciplinas. Disponível em http://www.economiadomestica.ufc.br/disciplinas.html acesso em 10 de julho de 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação: matriz curricular Economia Doméstica, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. Decanato de Ensino de Graduação – Grade curricular curso Economia Doméstica, 2006.

WEBER, F. Lares de cuidado e linhas de sucessão: algumas indicações etnográficas na França, hoje. MANA, v.12, n.2, p.479-502, 2006.

Downloads

Publicado

2013-11-19

Como Citar

AMARAL JUNIOR, J. C. do. Educação para mulheres: análise histórica dos ensinamentos de economia doméstica no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 275–285, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640242. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640242. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)