Escola pública e educação não-formal caracterizando o programa Projovem campo

  • Luzia Nunes Mamoré Universidade Federal da Grande Dourados
  • Paulo Gomes Lima Universidade Federal de São Carlos
  • Antonio Bosco de Lima Universidade Federal de Uberlândia
  • Glaucia Carvalho Gomes Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Educação Formal. Educação Não-Formal. Educação do Campo. Projovem Campo - Saberes da Terra. Inserção e oportunização social

Resumo

Em 2005, no bojo das ações afirmativas implementadas pelo governo Lula, foi criado oPrograma Projovem Campo, cujo princípio norteador foi a da promoção de ações deeducação para jovens do espaço rural entre 15 e 29 anos de idade. Neste artigo, propomonosa refletir sobre os limites e possibilidades transformadoras inscritas nesta políticaeducacional voltada para o campo, situando-a no bojo da reflexão acerca da EducaçãoFormal; Educação Pública e Educação Não Formal, cujo sentido norteador é contribuirpara a promoção dos fundamentos de uma educação efetivamente democrática eemancipatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luzia Nunes Mamoré, Universidade Federal da Grande Dourados
Aluna do Curso de Especialização em Educação da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).
Paulo Gomes Lima, Universidade Federal de São Carlos
Professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSC).
Antonio Bosco de Lima, Universidade Federal de Uberlândia
Professor na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Pesquisador da FAPEMIG e do CNPQ.
Glaucia Carvalho Gomes, Universidade Federal de Uberlândia
Professora da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. ProJovem – Saberes da Terra. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?id=12306&option=com_content&view=article. Acesso em 12/07/2011.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. CASA CIVIL. Lei no 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm. Acesso em 12/07/2011.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad). Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Projeto base ProJovem Campo – Saberes da Terra: Programa Nacional de Educação de Jovens Agricultores(as) Familiares Integrada à Qualificação Social e Profissional. Brasília, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/projovem_projetobase2009.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização. Cadernos Pedagógicos do Projovem Campo – Saberes da Terra (Projeto Político-Pedagógico) / Brasília: MEC/SECAD, 2008.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Plano Nacional de Qualificação – PNQ, 2003-2007. – Brasília: MTE, SPPE, 2003.

BRASIL. SEF/MEC. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n◦. 9.394. Brasília/DF, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado (MARE). Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Aprovado pela Câmara da Reforma do Estado, em 21 de setembro de 1995. Brasília: Presidência da República, 1995. (pp. 51-59).

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988.

BRUNO, L. Gestão da educação: onde procurar o democrático? In: OLIVEIRA, D. A. de. e ROSAR, M. de F. Política e gestão da educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópólis: Vozes, 2002.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCOda Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2001.

GOHN, M. da G. Educação não formal e cultura popular.São Paulo: Cortez, 2001.

LIMA, A. B. O que são os Parâmetros curriculares nacionais? In: Tempo da Ciência. Volume 6, no 12, jul/dez. 1999. P. 83-91.

LOMBARDI, J. C. Educação e Ensino na obra de Marx e Engels. Campinas: Alínea, 2011.

MARRAN, A.L. Avaliação da política de estágio curricular supervisionado: um foco na graduação em enfermagem. Relatório [Qualificação de Mestrado]. Faculdade de Educação: Universidade Federal da Grande Dourados, 2011.

MOREIRA, A. F. Parâmetros curriculares nacionais: criticas e alternativas. In: Escola S.A. – Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasilia, DF: CNTE, 1996. P.128-149.

MST. Método Pedagógico. In: Cadernos do ITERRA. Ano IV, no 9, dezembro de 2004.

PARO. V. H. Parem arem de preparar para o trabalho!!! Reflexões acerca dos efeitos do neoliberalismo sobre a gestão e o papel da escola básica. Disponível em: www.edilsonsantos.pro.br/textos/paremdeprepararparaotrabalho.doc. Acesso em 14 de junho de 2012.

PENTEADO, F. dos R., TSUKUDA, J. e RUIZ, M. J. F. Os reflexos do sistema capitalista no âmbito escolar. Disponível em: www.estudosdotrabalho.org/anais6seminariodotrabalho. Acesso em 14 de junho de 2012.

PISTRAK, M. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2003.

SMITH,A. A riqueza das nações – investigação sobre sua natureza e suas causas. Volume II. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

TAYLOR, F. W. Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas, 1995.

UFRGS. Faculdade de Educação. Análise dos “Parâmetros curriculares nacionais”. In: Escola S.A. – Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasilia, DF: CNTE, 1996. P. 106-127.

Como Citar
Mamoré, L. N., Lima, P. G., Lima, A. B. de, & Gomes, G. C. (1). Escola pública e educação não-formal caracterizando o programa Projovem campo. Revista HISTEDBR On-Line, 13(50), 194-208. https://doi.org/10.20396/rho.v13i50.8640302
Seção
Artigos