Banner Portal
Escola pública e educação não-formal caracterizando o programa Projovem campo
PDF

Palavras-chave

Educação Formal. Educação Não-Formal. Educação do Campo. Projovem Campo - Saberes da Terra. Inserção e oportunização social

Como Citar

MAMORÉ, Luzia Nunes; LIMA, Paulo Gomes; LIMA, Antonio Bosco de; GOMES, Glaucia Carvalho. Escola pública e educação não-formal caracterizando o programa Projovem campo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 50, p. 194–208, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i50.8640302. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640302. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

Em 2005, no bojo das ações afirmativas implementadas pelo governo Lula, foi criado oPrograma Projovem Campo, cujo princípio norteador foi a da promoção de ações deeducação para jovens do espaço rural entre 15 e 29 anos de idade. Neste artigo, propomonosa refletir sobre os limites e possibilidades transformadoras inscritas nesta políticaeducacional voltada para o campo, situando-a no bojo da reflexão acerca da EducaçãoFormal; Educação Pública e Educação Não Formal, cujo sentido norteador é contribuirpara a promoção dos fundamentos de uma educação efetivamente democrática eemancipatória.
https://doi.org/10.20396/rho.v13i50.8640302
PDF

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. ProJovem – Saberes da Terra. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?id=12306&option=com_content&view=article. Acesso em 12/07/2011.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. CASA CIVIL. Lei no 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm. Acesso em 12/07/2011.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad). Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Projeto base ProJovem Campo – Saberes da Terra: Programa Nacional de Educação de Jovens Agricultores(as) Familiares Integrada à Qualificação Social e Profissional. Brasília, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/projovem_projetobase2009.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização. Cadernos Pedagógicos do Projovem Campo – Saberes da Terra (Projeto Político-Pedagógico) / Brasília: MEC/SECAD, 2008.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Plano Nacional de Qualificação – PNQ, 2003-2007. – Brasília: MTE, SPPE, 2003.

BRASIL. SEF/MEC. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n◦. 9.394. Brasília/DF, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado (MARE). Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Aprovado pela Câmara da Reforma do Estado, em 21 de setembro de 1995. Brasília: Presidência da República, 1995. (pp. 51-59).

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988.

BRUNO, L. Gestão da educação: onde procurar o democrático? In: OLIVEIRA, D. A. de. e ROSAR, M. de F. Política e gestão da educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópólis: Vozes, 2002.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCOda Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2001.

GOHN, M. da G. Educação não formal e cultura popular.São Paulo: Cortez, 2001.

LIMA, A. B. O que são os Parâmetros curriculares nacionais? In: Tempo da Ciência. Volume 6, no 12, jul/dez. 1999. P. 83-91.

LOMBARDI, J. C. Educação e Ensino na obra de Marx e Engels. Campinas: Alínea, 2011.

MARRAN, A.L. Avaliação da política de estágio curricular supervisionado: um foco na graduação em enfermagem. Relatório [Qualificação de Mestrado]. Faculdade de Educação: Universidade Federal da Grande Dourados, 2011.

MOREIRA, A. F. Parâmetros curriculares nacionais: criticas e alternativas. In: Escola S.A. – Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasilia, DF: CNTE, 1996. P.128-149.

MST. Método Pedagógico. In: Cadernos do ITERRA. Ano IV, no 9, dezembro de 2004.

PARO. V. H. Parem arem de preparar para o trabalho!!! Reflexões acerca dos efeitos do neoliberalismo sobre a gestão e o papel da escola básica. Disponível em: www.edilsonsantos.pro.br/textos/paremdeprepararparaotrabalho.doc. Acesso em 14 de junho de 2012.

PENTEADO, F. dos R., TSUKUDA, J. e RUIZ, M. J. F. Os reflexos do sistema capitalista no âmbito escolar. Disponível em: www.estudosdotrabalho.org/anais6seminariodotrabalho. Acesso em 14 de junho de 2012.

PISTRAK, M. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2003.

SMITH,A. A riqueza das nações – investigação sobre sua natureza e suas causas. Volume II. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

TAYLOR, F. W. Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas, 1995.

UFRGS. Faculdade de Educação. Análise dos “Parâmetros curriculares nacionais”. In: Escola S.A. – Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasilia, DF: CNTE, 1996. P. 106-127.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.