Banner Portal
Trabalho, educação e enfermagem: marco contextual da formação profissional de nível médio em saúde
PDF

Palavras-chave

Educação. Trabalho. Enfermagem

Como Citar

BARROS, Amailson Sandro de; HEROLD JUNIOR, Carlos. Trabalho, educação e enfermagem: marco contextual da formação profissional de nível médio em saúde. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 49, p. 231–248, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i49.8640330. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640330. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Este artigo tem como eixo norteador a compreensão do processo de profissionalização da enfermagem brasileira a partir de seu entrelaçamento entre as áreas Trabalho e Educação. Como recorte histórico, o presente estudo delimitou-se as últimas décadas do século XIX e início do século XX, período de transformações urbanísticas e sanitárias essenciais ao desenvolvimento econômico brasileiro. A escolha pelo estudo da profissionalização em enfermagem deve-se a evidência de que em seu processo de divisão social do trabalho, esta categoria profissional, demonstra a diferença entre aqueles trabalhadores que exercem o trabalho intelectual e aqueles que atuam no trabalho manual.  Nesse processo de separação, trabalho intelectual versus trabalho manual, a educação que é destinada ao primeiro grupo  prioriza conhecimentos de cunho mais administrativos e de supervisão do trabalho em enfermagem, assumindo aspectos gerenciais e determinando o trabalho do segundo grupo, cuja educação profissional se caracteriza por noções básicas acerca das técnicas de enfermagem.

https://doi.org/10.20396/rho.v13i49.8640330
PDF

Referências

ANTUBERTOLLI FILHO, Claudio. História da saúde pública no Brasil. 4a. ed. São Paulo: Ática, 2008.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho no século XX. 3a ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.

DECCA, Maria Auxiliadora Guzzo de. Indústria, trabalho e cotidiano: Brasil, 1880 a 1930. São Paulo: Atual, 1991.

GERMANO, Raimunda Medeiros. Educação e Ideologia da enfermagem no Brasil. 3a ed. São Paulo: Cortez, 1993.

LOPES, Marta Júlia Marques; LEAL, Sandra Maria Cezar. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu (24), p.105-125, 2005.

MARQUES, Vera Regina Beltrão. A medicalização da raça: médicos, educadores e discurso eugênico. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 1994

MIOTO, Odilamar Lopes. Formação profissional e trabalho: aspectos relativos aos técnicos de enfermagem. 170 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2004.

MOREIRA, Almerinda; OGUISSO, Taka. Profissionalização da enfermagem brasileira. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

OGUISSO, Taka (org.). Trajetoria histórica e legal da enfermagem. 2a ed. Barueri, São Paulo: Manole, 2007.

PEREIRA, Isabel Brasil; RAMOS, Marise Nogueira. Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.

PIRES, Denise. Reestruturação produtiva e trabalho em saúde no Brasil. São Paulo: Confederação nacional dos trabalhadores em seguridade social – CUT; Annablume, 1998.

RIBEIRO, Antônio César. O trabalho do enfermeiro: a relação entre o regulamento, o dito e o feito, no cotidiano hospitalar. 219 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2009.

RIZZOTTO, Maria Lucia Frizon. História da Enfermagem e sua relação com a saúde pública. Goiânia: AB editora, 1999.

SAVIANI, Dermerval. O legado educacional do século XX no Brasil. 2a ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

SOBOLL, Lis Andréa Pereira. Controle e Exploração: a produção capitalista em uma unidade hospitalar. 204 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.

STUTZ, Beatriz Lemos. Técnico em Enfermagem no Município de Uberlândia: a construção histórica de uma profissão e a primeira instituição escolar. 249 f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

WAINBERG, Sara. Experiências e vivências de auxiliares de enfermagem do sexo masculino no exercício de uma profissão majoritariamente feminina. 62 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.