Progressão continuada como promoção automática

Autores

  • Vagno Emygdio Machado Dias IFSULDEMINAS / UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i49.8640335

Palavras-chave:

Progressão Continuada. Ciclos. Currículo e Avaliação

Resumo

O presente artigo analisa a Progressão Continuada (PC) no estado de São Paulo, sua gênese e desenvolvimento na década de 1990, a maneira como se apropriou de discursos internacionais e suas influências sobre as políticas públicas e educacionais do MEC: os PCN, a elaboração e a aprovação da LDB de 1996 e as Diretrizes Curriculares, etc. A pesquisa pautou-se por um estudo teórico e documental da PC e dos “ciclos” de meados do século XX no Brasil, França e Inglaterra. Concluiu-se que a PC é um regime político-pedagógico historicamente delimitado, apropriando-se da noção abstrata de “ciclos” para se legitimar. A PC subentende ou ignora os próprios fundamentos pedagógicos da noção de “ciclos” ou “organização escolar em ciclos”. Os “ciclos” no contexto da PC não cumpre a função progressista, pois se atrela e convém a uma organização social e a seu específico momento de desenvolvimento econômico-social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vagno Emygdio Machado Dias, IFSULDEMINAS / UFSCar

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – IFSULDEMINAS ; Universidade Federal de São Carlos – UFSCar

Referências

ALMEIDA JÚNIOR. A. “Repetência ou promoção automática?”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, n. 65, v. XXVII, 1957.

ANTUNHA, E. L. G. “Promoção automática na escola primária”. Pesquisa e Planejamento. São Paulo, v. 5, jun. 1962.

ARROYO, M. “Ciclos de Desenvolvimento Humano e Formação de Professores”. Educação e Sociedade. Campinas, Ano XX, no 68, Dezembro de 1999.

BRASIL. Plano Decenal de Educação para Todos. MEC, Brasília, 1993.

BRASIL. Planejamento Político-Estratégico (1995-1998). MEC, Brasília, mai. 1995.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais (1a a 4a série). Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n° 02, de 07 de Abril de 1998. Institui as diretrizes curriculares nacionais para o Ensino Fundamental. 1998.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n° 04, de 29 de janeiro de 1998. Diretrizes curriculares nacionais para o Ensino Fundamental. 1998.

DELORS, J. (Org.). Educação: Um tesouro a descobrir. 6a ed., São Paulo: Cortez, Brasília, DF: MEC/UNESCO, 2001.

FREITAS, L. C. de. Ciclos, Seriação e Avaliação. São Paulo, Ed. Moderna, 2003.

FREITAS, L. C. “Ciclos ou séries? O que muda quando se altera a forma de organizar os tempos-espaços da escola?”. Trabalho produzido para o GT 13 Educação Fundamental. 27a. Reunião Anual da ANPEd, Caxambu (MG) de 21 a 24 de novembro de 2004. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/27/diversos/te_luiz_carlos_freitas.pdf Acesso em: 2 de setembro de 2012.

MAINARDES, J. “Organização da escolaridade em ciclos no Brasil: revisão da literatura e perspectivas para a pesquisa”. Educação e Pesquisa. São Paulo, Vol. 32, no 1, Jan/abr de 2006.

MAINARDES, J. “A pesquisa sobre a organização da escolaridade em ciclos no Brasil (2000-2006): mapeamento e problematizações”. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, Vol. 14, no 40, Jan/abr de 2009.

MARTIN WILSON, H.“Avaliação, promoção e seriação nas escolas inglesas”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, n. 55, ano XXII, 1954.

PEREIRA, L. “A promoção automática na escola primária”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. XXX, n. 71, jul./set. 1958.

PLOWMAN, A.“A educação na Inglaterra”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, n. 51, jul./set. 1953.

RANKE, J. “A nova organização do ensino na França”. Revista de Pedagogia. São Paulo, ano 6, v. 6, n. 11 e 12, jan./dez. 1960.

SÃO PAULO (Estado). Comunicado SE de 22/03/1995. Dispõe sobre as diretrizes educacionais para o Estado de São Paulo no período de janeiro de 1995 a dezembro de 1998. 1995.

SÃO PAULO (Estado). Deliberação CEE n° 9, de 1997. Institui no sistema de ensino do Estado de São Paulo, o regime de progressão continuada. 1997.

SÃO PAULO (Estado). Indicação CEE n° 8, de 30 de julho de 1997. Regime de Progressão Continuada. 1997a.

SÃO PAULO (Estado). Indicação CEE n. 8, de 25 de julho de 2001. Diretrizes curriculares para o Ensino Fundamental no sistema de ensino do Estado de São Paulo. 2001.

TEIXEIRA, A. “A educação escolar no Brasil”. In: PEREIRA, L.; FORACCHI, M. M. (Org.). Educação e Sociedade. São Paulo: Nacional, 1964.

WALLON, H. “A reforma do ensino e o ensino primário na França”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. X, n. 26, jan./fev. 1947.

WEREBE, M. J. G. “A renovação pedagógica em França”. Revista de Pedagogia. São Paulo, ano II, v. II, n. 3, jan./jun. 1956.

WILSON, H. M. “Avaliação, promoção e seriação nas escolas inglesas”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. XXII, n. 55, jul./set. 1954.

Downloads

Como Citar

DIAS, V. E. M. Progressão continuada como promoção automática. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 49, p. 322–333, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i49.8640335. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640335. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos