O PDE e as salas do PROINFO: análise crítica sobre os projetos compensatórios na educação

Autores

  • Maria Luzia Ferreira Universidade Federal de Rondonia
  • José Lucas Pedreira Bueno Universidade Federal de Rondônia UNIR

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v14i57.8640406

Palavras-chave:

Neoliberal. Banco Mundial. Projetos educacionais

Resumo

O texto apresenta uma análise dos projetos educacionais presentes em escolas públicas brasileiras, com base em uma perspectiva crítica, que procura descortinar o discurso neoliberal para a construção da excelência na educação. Por meio de uma abordagem qualitativa, busca apontar as disputas que envolvem os segmentos sociais hegemônicos da complexa sociedade capitalista atual, contribuindo para a configuração de uma escola gerenciada conforme os ditames do mercado. A partir da primeira década dos anos 90, os projetos educacionais passaram a fazer parte do cenário das escolas públicas brasileiras, quando a proposta do Banco Mundial consistia em melhorar a qualidade e a eficiência do ensino, mediante a melhoria da aprendizagem dos alunos e da redução das altas taxas de repetência. Desse modo, os projetos educacionais perpetuam a ideia de que questões políticas e sociais devem ser tratadas como questões técnicas, de eficácia/ineficácia. Projetos educacionais são introduzidos nas escolas e alicerçam a ideia de que para solucionar os problemas da educação, deve-se melhorar a “qualidade” do ensino, uma proposta subjacente aos interesses do Banco Mundial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luzia Ferreira, Universidade Federal de Rondonia

Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Porto Velho/Brasil

José Lucas Pedreira Bueno, Universidade Federal de Rondônia UNIR

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar - Mestrado Profissional, da Universidade Federal de Rondônia.

Referências

ALVES, G. L. A produção da escola pública contemporânea. Campinas: Autores Associados, 2006, p. 232.

ANTONINI, V. L Banco Mundial e política Educacional brasileira: um olhar sobre o Fundescola e o Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE). Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras. Campus de Araraquara, 2006.

ARRUDA, E. E. de; RASLAN, V. G. da S. A implementação do programa nacional de informática na educação (PROINFO), no Brasil e no estado de mato grosso do sul, no período de 1997 a 2006. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, 2010. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/acer_histedbr/jornada/jornada7/_GT2%20PDF/A%20IMPLEMENTA%C7%C3O%20DO%20PROGRAMA%20NACIONAL%20DE%20INFORM%C1TICA%20NA.pdf. Acesso em: 17 de Dezembro de 2012.

BUENO. L. P; GOMES, M. A. de O. Uma análise histórico-crítica da formação de professores com tecnologias de informação e comunicação. Revista Cocar (UEPA), v. 5, n. 10, p. 53-64, jul-dez, 2011.

CORAGGIO, J. L. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problema de concepção? In: AUTOR Banco Mundial e Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez/PUC-SP, 2000.

FONSECA, M. O financiamento do Banco Mundial à educação brasileira: vinte anos de cooperação internacional. In: AUTOR. Banco Mundial e Políticas Educacionais. Editora Cortez. PUC-SP, 2000.

MORAES, R. de A. A política Educacional de informática na Educação brasileira e as influências do Banco Mundial. Do FORMAR AO PROINFO: 1987-2005. s/d Disponível: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario7/Resumo/res_raquel%20de%20almeida%20moraes.pdf Acesso em 20 dez. 2012.

NÓBREGA, C. L. O Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE) numa perspectiva de governo democrático popular: uma análise da experiência da rede de ensino de Recife – PE. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco. CE. Educação, 2005. Disponível: http://www.ufpe.br/ceadmoodle/file.php/1/coord_ped/sala_3/arquivos/CRISTIANE_LIBERATO_DA_NOBREGA.pdf Acesso em: 15 dez. 2012.

OLIVEIRA, S. M. B. Plano de Desenvolvimento da Escola- PDE: a gestão escolar necessária frente às diretrizes educacionais do Banco Mundial. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Centro de Ciências Humanas e Sociais. Campo Grande/MS, 2005.

PRATA, C. L. Gestão democrática e tecnologias de informática na educação brasileira pública: o PROINFO no Espírito Santo. Porto Alegre: Universidade do Rio Grande do Sul, 2005.

SILVA, T. T. da. A nova direita e as transformações na pedagogia da política e na política da pedagogia. In: AUTOR: Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação. Cidade: Visões Críticas. 1999.

SOARES, M. C. C. Banco Mundial: políticas e reformas. In: AUTOR. Banco Mundial e Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez/PUC-SP, 2000.

RISCAL, S. A. Política Educacional, Justiça Distributiva e equidade: considerações sobre as políticas compensatórias para a educação. HISTEDBR on-line, n. 44, p. 248-261, dez 2011.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: AUTOR. Banco Mundial e Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez/PUC-SP, 2000.

Downloads

Publicado

2014-11-22

Como Citar

FERREIRA, M. L.; BUENO, J. L. P. O PDE e as salas do PROINFO: análise crítica sobre os projetos compensatórios na educação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 57, p. 102–114, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i57.8640406. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640406. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)