O trabalho didático e sua forma histórica nas comunidades primitivas

Autores

  • Jander Fernandes Martins PMCB

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v14i57.8640419

Palavras-chave:

Trabalho Didático. Ciência da História. Trabalho Docente. História da Educação. História da Pedagogia

Resumo

O presente trabalho versa sobre alguns dos resultados obtidos na pesquisa final do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) em Pedagogia – Licenciatura Plena (diurno) pela Universidade Federal de Santa Maria /RS (UFSM) a qual, teve como objetivo “analisar e identificar as formas históricas de educadores nas civilizações antigas à luz da Organização do Trabalho Didático”. Para tal, partiu-se da seguinte problematização: Quais foram os grupos concebidos como educadores responsáveis pelo Trabalho Didático nas Sociedades Antigas (Primórdios, Egípcios e Mesopotâmicos)?. Metodologicamente, partiu-se da Ciência da História, a “abordagem da pesquisa” caracteriza-se por ser de Ordem Materialista Histórico-Dialética, utilizando como recurso a “pesquisa bibliográfica” em manuais de história da educação sendo este procedimento executado em caráter “exploratório”. Os resultados aqui socializados dizem respeito às sociedades primitivas e justificam-se, pois são reveladores, assim, desde os primórdios da história os trabalhos didáticos deu-se em caráter de “preceptorado”; apresentando um local específico e um instrumental didático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jander Fernandes Martins, PMCB

Especialista em Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação TIC-EDU pela Universidade Federal de Rio Grande- FURG (2014). Graduado em Pedagogia - Licenciatura Plena (diurno) na Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2011). Professor de educação infantil concursado na Rede Municipal de Campo Bom/RS e, atualmente desenvolve atividades de Coordenação Pedagógica em Escolas Municipais de educação Infantil (EMEI). Além disso, participa do Conselho Municipal de Educação na cidade de Campo Bom-RS como Vice-presidente do Conselho. Também realiza estudos e pesquisas na área de Educação, com ênfase em: Organização do Trabalho Didático, Educação Infantil, Educação, Sociedade e Trabalho na perspectiva Marxista e Marxiana. Foi bolsista de Iniciação Científica (Pibic/Prolicen) durante o período de graduação (2008/2009), participando de Premiações em Seminários, Congressos e Salões de Iniciação Científica de Educação (Menção Honrosa; Destaque da Sessão de Apresentação de Trabalhos Científicos). 

Referências

ALVES, Gilberto Luiz. O Trabalho Didático na Escola Moderna: formas históricas. Campinas, SP: Autores Associados. 2005.

ALVES, Gilberto Luiz. A Produção da Escola Moderna Contemporânea. 4a ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

ANTUNES, Ricardo (Org.) - A Dialética do Trabalho. Escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

ARANHA, Maria Luiza de Arruda. História da Educação e da Pedagogia: Geral e Brasil, 3a Ed., rev. e ampl. São Paulo: Moderna, 2006.

BOTTOMORE, Tom (Org.) Dicionário do Pensamento Marxista. Editor: Laurence Harris, V. G. Kiernan, Ralph Miliband, co-editores; [tradução, Waltensir Dutra; organizador da edição brasileira, revisão técnica e pesquisa bibliográfica suplementar, Antonio Moreira Guimarães]. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar ED., 2001.

BEER, Max. História do Socialismo e das lutas de classes. Trad. Horácio de Melo. 1a Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

CAÇÃO, Maria Izaura - Jornada de Trabalho Docente: delineamento histórico da organização do trabalho do magistério público estadual paulista. (Tese de doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas: 2001.

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Ed. UNESP, 1999.

DIAKOV, V. & KOVALEV, S. - História da Antiguidade: A sociedade Primitiva e o Oriente. Ed. Global: 1987. Disponível em: http://opiniaosocialista.wordpress.com/textos-fundamentais/a-sociedade-primitiva. Acessado em: 04/junho/2011.

DOZOL, Marlene de Souza. Da Figura do Mestre. Campinas, SP: Autores Associados: São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 2003.

ENGELS, Friedrich. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado: trabalho relacionado com as investigações de L. H. Morgan. 11a ed. Trad. Leandro Konder. Civilização Brasileira. 2010.

ENGELS, Friedrich. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. Escrito por Engels em 1876. Publicado pela primeira vez em 1896 em Neue Zeit. Publica-se segundo a edição soviética de 1952, de acordo com o manuscrito, em alemão. Traduzido do espanhol. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/acer_fontes/tme_09.pdf. Acessado em: 05/06/2011.

FERNANDES, Hélio Clemente. O Trabalho Docente: pauperização, precarização e proletarização? Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Campus de Cascavel. 2010.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas em Pesquisa Social. 6a Ed. 2a. Reimpr. SP: Ed. Atlas, 2009.

GIORDANI, Mario Curtiz. História da Antiguidade Oriental. 3a ed. Vozes, Petrópolis, RJ, 1972.

GUSDORF, Georges. Professores para quê? Para uma pedagogia da pedagogia. Trad. João Bernard da Costa e Antônio Ramos Rosa. 2a ed. Moraes editora. 1970.

HAVELOCK, Eric. A revolução da escrita na Grécia e suas consequências culturais. Trad. Ordep José Serra. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1996.

HAVELOCK, Eric. A educação numa Sociedade sem Escrita. In: VIAL, Jean &MIALARET, Gaston (Org.) História Mundial da Educação, 1.o vol., Porto, Rés-editora, s.d. HOBSBAWN, Eric. Prefácio IN: MARX, Karl. Formações Econômicas Pré-Capitalistas. Trad. João Maia, Revisão Alexandre Addor. 5a ed. Paz e Terra. 1986.

KUENZER, Acácia. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, dermeval & SANFELICE, José Luiz (Org.) - Capitalismo, Trabalho e Educação. 3a Ed. Campinas –SP: Autores Associados, Histedbr, 2005.

LANCILLOTI, Samira Saad Pulchério. A Constituição Histórica do Processo de Trabalho Docente. Unicamp-SP. Campinas, SP: [s. n.], (Orientador: Jose Luiz Sanfelice, tese de doutorado- Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação), 2008.

LARROYO, Francisco. História Geral da Pedagogia. Trad. de Luiz Aparecido Caruso; rev. de Selma Cury; 12a Ed. SP; Tomo I; Ed. Mestre Jou; 1974.

LEACOCK, Eleanor Burke. Posfácio: Introdução à edição estadunidense. IN: A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado: trabalho relacionado com as investigações de L. H. Morgan. 11a ed. Trad. Leandro Konder. Expressão Popular. 2010.

LIBÂNEO, JOSÉ Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? Ed. Cortez. 1998.

LUDKE, Menga & BOING, Luiz Alberto. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educ. Soc., Campinas, v. 25, no 89, dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302004000400005&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 08 jul. 2011.

LUZURIAGA, Lorenzo. História da Educação e da Pedagogia. Tradução de Luiz Damasco Penna e J. B. Damasco Penna; 18a ed. SP; Ed. Nacional, vol. 59; 1990.

MANACORDA, Mario Alighiero. História da Educação: da Antiguidade aos nossos dias. 8ed. São Paulo: Cortez, 2007.

MARROU, Henri Irenee. História da Educação na Antiguidade. Trad. Mário Leônidas Casanova. SP: EPU, Brasília, INL, 4a reimpressão, 1975.

MARX, Karl. Formações Econômicas Pré-Capitalistas. Trad. João Maia, Revisão Alexandre Addor. 5a ed. Paz e Terra. 1986.

MARX, Karl. Contribuição à Crítica da Economia Política. 2a ed. São Paulo: expressão Popular. Trad. e Intr. de Florestan Fernandes. 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. Feuerbauch – A oposição entre as concepções materialista e idealista. Trad. Frank Muller. 3a ed. Martins Claret, 2005.

MIALARET, Gaston & VIAL, Jean – História Mundial da Educação, 1.o vol., Porto, Rés-editora, s.d.

MONROE, Paul. História da Educação. Nova tradução e notas de Idel Becker. 11a Ed. SP. Ed. Nacional, 1976.

PERRENOUD, Philip. dez Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre, Artmed, 2000.

PIMENTA, Selma Garrido & GHEDIN, Evandro (Org.) – O Professor Reflexivo no Brasil: gênese e critica de um conceito. SP: Cortez, 2008.

PONCE, Aníbal. Educação e Lutas de Classe. Trad. José Severo de Camargo Pereira. 22a ed. São Paulo: Cortez, 2007.

RIBEIRO, Darcy. O Processo Civilizatório: estudos antropológicos; etapas da evolução sociocultural. 9a ed. Petrópolis; Vozes, 1987.

SANTONI RUGIU, Antonio. Nostalgia do Mestre Artesão. Trad. Maria de Lourdes Menon. Campinas-SP: Autores Associados, 1998.

SAVIANI, dermeval. A Função Docente e a Produção do Conhecimento. V. 11 n. 21. p. 127-140, jan/jun e jul/dez, 1997. Rev. Educação e Filosofia. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/889/806. Acessado em: 24/Junho/2011.

SAVIANI, dermeval. Prefácio. IN: Nostalgia do Mestre Artesão. trad. Maria de Lourdes Menon. Campinas-SP: Autores Associados, 1998.

SAVIANI, dermeval. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. 2a Ed. rev. e ampl. Campinas-SP: Autores Associados, 2008.

VEIGA, Ilma Passo Alencastro; ARAUJO, José Carlos Souza & KAPUZINIAK, Celia (Org.) – Docência: uma construção ético-profissional. Ed. Papirus. 2005.

VEIGA, Ilma Passo Alencastro & D’ÁVILA, Cristina Maria (Org.) – Profissão Docente: novos sentidos, novas perspectivas Ed. Papirus. 2008.

VYGOTSKY, Lev Semenovich & LURIA, Alexander Romanovich. Estudos sobre a História do Comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Trad. Lólio Lourenço de Oliveira. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

WENZEL, Renato Luiz. Professor: agente da educação? Campinas, São Paulo: Papirus, 1994.

Downloads

Publicado

2014-11-22

Como Citar

MARTINS, J. F. O trabalho didático e sua forma histórica nas comunidades primitivas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 57, p. 338–352, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i57.8640419. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640419. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos