Banner Portal
Columbia University: projeto de uma modernidade conservadora
PDF

Palavras-chave

Projeto Colúmbia. Imperial capitalismo. Modernização conservadora

Como Citar

ALMEIDA, J. R. M. de. Columbia University: projeto de uma modernidade conservadora. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 56, p. 46–65, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i56.8640433. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640433. Acesso em: 27 fev. 2024.

Resumo

Este artigo busca evidenciar o processo de modernização conservadora desenvolvido na América Latina da primeira metade do século XX, entendido como desenvolvido nos padrões da acumulação imperial capitalista. Tem como foco central a Bahia, resgatando o contexto nacional (Brasil) dos anos 1930-1950, marcado pelo surgimento de novos atores, novas lutas, pelas investidas conservadoramente “modernizadoras” do capital monopólico internacional e suas conexões com as classes dominantes locais. Traça as linhas mais gerais do processo de integração regional à lógica acumulativa internacional, ressaltando o papel do “Programa de Pesquisas Sociais Estado da Bahia – Columbia University”, buscando resgatar a relação dialética entre as unidades e a totalidade, numa abordagem cuja perspectiva passa pela História, mais especificamente pela historia da acumulação capitalista e o que representou tal Programa no contexto em que se deu.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i56.8640433
PDF

Referências

BASTIDE, Roger. Brasil terra de contrastes. 2a Edição. Coleção Corpo e Alma do Brasil. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1964.

BRANDÃO, Maria de Azevedo. Thales de Azevedo: dados de uma assinatura. Salvador, Associação Brasileira de Antropologia & Universidade da Bahia, 1993.

BUENO, Ricardo (coord.). O abc do entreguismo no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1980.

CANDIDO, Antônio. O significado de “Raízes do Brasil”. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

CANCELLI, Elizabeth. Caminhos de um mal-estar de civilização: reflexões intelectuais norteamericanas para pensar a democracia e o negro no Brasil. In: Revista Espaço Acadêmico, n. 108, Maio/2010. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/viewFile/10092/5602. Acessado em 27/06/2011.

CONSORTE, Josildeth Gomes. Culturalismo e educação nos anos 50: O desafio da diversidade. Cad. CEDES vol. 18 n. 43 Campinas Dec. 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621997000200003. Acesso em: 26/05/2010.

EMMANUEL, Arghiri et. al. Imperialismo e comércio internacional: a troca desigual. São Paulo: Global, 1981.

FREITAS, Marcos Cezar de. Educação brasileira: dilemas republicanos nas entrelinhas de seus manifestos. In: STEPHANOU, Maria & BASTOS, Maria Helena Câmara (Orgs.). História e Memória da Educação no Brasil, Vol. III – Século XX. 3a Ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

FIGUEIREDO, Regina Érika Domingos de. História de uma Antropologia da “Boa Vizinhança”: Um estudo sobre o papel dos antropólogos nos programas interamericanos de assistência técnica e saúde no Brasil e no México (1942-1960). Campinas, 2009.

HARRIS, M. Town & Country in Brazil: a sócio-anthropological study of a small Brazilian town. New York, EUA: The Norton Library, 1956.

HAYEK, Friedrich A. O caminho da servidão. Rio de Janeiro: Livraria O Globo, 1946.

HENRIQUES, Affonso. Ascensão e queda de Getúlio Vargas (Vargas e o Estado Novo). Rio de Janeiro-São Paulo: Record, 1966.

HILTON, Stanley E. A Guerra civil brasileira: história da Revolução Constitucionalista de 1932. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

LENS, Sidney. A fabricação do império americano – da Revolução ao Vietnã: uma história do imperialismo dos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LUKÁCS, George. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MAIO, Marcos Chor. A História do Projeto UNESCO: Estudos Raciais e Ciências Sociais no Brasil. Tese de doutorado apresentada ao Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 1997.

__________________. O projeto Unesco e a agenda das ciências sociais no Brasil dos anos 40 e 50. Rev. bras. Ci. Soc. vol.14 n.41, São Paulo, Out. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-690919990003 00009&script=sci_arttext. Acesso em: 26/05/2010.

MARANHÃO, Tiago Jorge F. de Albuquerque. Apolo versus Dionísio no campo da História: o futebol em Gilberto Freyre. In: Efdeportes.com – Revista Digital, Buenos Aires, n. 73 – Jun. 2004.

MEDEIROS, Ruy. O Programa de Pesquisas Sociais Estado da Bahia – Universidade de Columbia: O seu contexto. Quaestio, Sorocaba, v. 11, n. 1, p. 89-110, maio 2009.

MOORE JR, B. As origens sociais da ditadura e da democracia: senhores e camponeses na construção do mundo moderno. São Paulo: Martins Fontes, 1975.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. O ensino industrial: memória e história. In: STEPHANOU, Maria & BASTOS, Maria Helena Câmara (Orgs.). História e Memória da Educação no Brasil, Vol. III – Século XX. 3a Ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

SANSONE, Livio. Desigualdades duráveis, relações raciais e modernidades no Recôncavo: o caso de São Francisco do Conde. REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 234-251, dezembro/fevereiro 2005-2006. Disponível em: http://www.usp.br/revistausp/68/18-livio-sansone.pdf. Acessado em 13.02.2013.

SVERSUTI, Roberto Revelino & ALMEIDA, José Rubens Mascarenhas de. O Projeto Columbia: uma ação imperialista? In: Anais do IX Colóquio Nacional e II Internacional do Museu Pedagógico: “Desafios epistemológicos das ciências na atualidade”. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Outubro de 2011. (ISSN: 2175-5493).

VICTOR, Mário. A batalha do petróleo brasileiro. 2a Edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

WAGLEY, Charles; AZEVEDO, Thales & COSTA PINTO, Luiz A. Uma pesquisa sobre a vida social no Estado da Bahia: Salvador: Museu do Estado, 1950.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.