Ecos da cultura política brasileira: o programa de ciências sociais no estado da Bahia – Columbia University – como vetor para uma modernização conservadora baiana

Autores

  • João Diogenes Ferreira dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v14i56.8640436

Palavras-chave:

Projeto Columbia University. Cultura Política e Modernização Conservadora

Resumo

O presente artigo é fruto dos resultados da pesquisa, que foi um recorte do projeto de pesquisa vinculado ao Museu Pedagógico da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, denominado: Revistando o Programa das Ciências Sociais no Estado da Bahia – Columbia Universiy. Neste caso, o objetivo deste artigo é analisar o contexto histórico do citado Projeto, entendendo o mesmo como o caminho inicial da trajetória do desenvolvimento econômico da Bahia, que se ancorou na concepção política, marcada pelos traços autoritários. Esse Programa foi criado em 1949, por meio de um convênio entre a então Secretaria de Educação e Saúde do Estado da Bahia, sob o comando de Anísio Teixeira, e a Columbia University. Nesse contexto, as elites políticas baianas conceberam um projeto modernizador de inspiração liberal, que se iniciou no governo de Octávio Mangabeira (1947-1951). Desta forma, o propósito em estudar o Projeto Columbia e seu contexto é entender a trajetória de modernização baiana, articulada a uma concepção política conservadora das classes dominantes, cuja essência foi associar o desenvolvimento econômico à manutenção da ordem, com a finalidade de garantir a permanência do mandonismo, da relação de favor e do autoritarismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Diogenes Ferreira dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutor em Ciências Sociais, professor do Programa de Pós-Graduação em Memória, Linguagem e Sociedade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e pesquisador do Museu Pedagógico.

Referências

ANDRADE, Eliziário. Nova Ofensiva do Capital sobre o Trabalho. Salvador: Editora UCSal, 2000.

CONSORTE, J. GOMES. “Itinerário de uma pesquisadora: sucessos e percalços”. In:MAGALHÃES, Lívia Diana Rocha e CASIMIRO, Ana Palmira Bittencourt Santos (Orgs.). Memória e Trajetória de Pesquisa. Campo Grande. Ed. UNIDERP, 2005

DIAS, Luiz Henrique Tavares. História da Bahia. EDUFBA: Salvador, 1987.

DANTAS NETO, Paulo Fábio. “‘Surf’ nas ondas do tempo: do Carlismo histórico ao carlismo pós-carlista.” In: Caderno Centro de Recursos Humanos – CRH - n ̊ 39 julho/dezembro. UFBA, 2003.

DANTAS NETO, Paulo Fábio. Tradição, autocracia e carisma: a política de Antonio Carlos Magalhães na modernização da Bahia (1954-1974). Tese de Doutorado em Ciências Sociais do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – IUPERJ. Rio de Janeiro, 2004. Mimeo.

DARZÉ FILHO, Elias. A Problemática da verticalização com adensamento e articulação da estrutura industrial da Bahia. www.desenbahia.ba.gov.br. Acessado, em 29 de novembro de 2011.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5° edição. São Paulo: Globo, 2006.

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do Cáceres. Volume 1. 2° edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

IANNI, Octavio. Pensamento Social do Brasil. São Paulo: EDUSC, 2004.

MEDEIROS, Ruy. “O Programa de Pesquisas Sociais do Estado da Bahia- Universidade de Columbia: O seu Contexto”. In Revista Quaestio, Sorocaba, SP, v. 11, n. 1, p. 89-110, maio de 2009.

MENEZES, Jaci Maria Ferraz de. “Anísio Teixeira, a Bahia e a Educação: desenvolvimento e modernidade em discussão”. In: ALMEIDA, José Rubens Mascarenhas de; MAGALHÃES, Lívia Diana Rocha e BERTONI, Luci Mara (orgs). As Redes Científicas e o desenvolvimento da pesquisa: perspectivas multidisciplinares. São Carlos: Pedro e João Editores, 2011.

MIRANDA, Edimê Gomes e ALVES, Virgínia Santos. “Vitória da Conquista: da Redemocratização (1945) às Sucessões Municipais de 1950 a 1954.” In: AGUIAR, Edinalva Padre (org). Política: o Poder em Disputa – Vitória da Conquista e Região. Série Memória Conquistense. Vitória da Conquista: Edições UESB, 1999.

OLIVEIRA, Francisco de e PAOLI, Maria Célia. Os Sentidos da Democracia: política do dissenso e a harmonia global. Petrópolis: Vozes; Brasília: NEDIC, 1999.

OLIVEIRA, Francisco de. O Elo Perdido: classe e identidade de classe na Bahia. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

PAOLI, Maria Célia. “Trabalhadores e Cidadania: experiência do mundo público na história do Brasil moderno.” In: Estudos Avançados. São Paulo, USP, vol.3, p. 44-66, 1989.

REVISTA TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA NA BAHIA, Salvador: Fundação de Desenvolvimento da Ciência na Bahia, 1958.

RISÉRIO, Antônio. Uma História da Cidade da Bahia. 2 Ed. Rio de Janeiro: Versal Editores, 2004.

SILVA, Antônia Almeida e PINA, Maria Cristina Dantas. “Educar para enriquecer: o liberal desenvolvimentismo, o projeto tecnocrático e a educação pública na Bahia (1940-1970)”. In: Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.36, p. 57-69, dez.2009.

Downloads

Como Citar

SANTOS, J. D. F. dos. Ecos da cultura política brasileira: o programa de ciências sociais no estado da Bahia – Columbia University – como vetor para uma modernização conservadora baiana. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 56, p. 95–107, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i56.8640436. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640436. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)