Banner Portal
O tempo e a decantação: sobre jornalismo e jornalistas
PDF

Palavras-chave

Imprensa. Ditadura. Regime militar. Jornal. Jornalismo

Como Citar

ABREU JUNIOR, Joao Batista de. O tempo e a decantação: sobre jornalismo e jornalistas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 56, p. 153–165, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i56.8640441. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640441. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

Poucos estudos acadêmicos se preocupam em distinguir jornalistas e imprensa. Embora a existência de um dependa do outro, não basta jogá-los num mesmo tubo de ensaio para que água e azeite se misturem por tempo indeterminado. Para entender os dois elementos, há necessidade de um processo de decantação que depende do tempo. Muita gente parte da premissa de que a leitura cuidadosa dos jornais da época revela as ideias predominantes do jornalista que os produziu. Mas será que é sempre assim? Que influências políticas conjunturais são impostas aos atores sociais e como esses atores dão conta dessas determinações? E se elas estão associadas a visões de mundo predominantes, como perceber que se trata de imposições? Respostas a tais questões estão postas neste artigo que foca um dos momentos marcantes de pensamento hegemônico revela-se no comportamento da grande imprensa brasileira no período pós-64, particularmente na cobertura do que se convencionou de luta armada.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i56.8640441
PDF

Referências

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso, São Paulo, Loyola, 1996.

LOMBROSO, Cesare y MELLA, Ricardo. Los anarquistas, Madrid, Jucar, 1977.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.