Banner Portal
A pedagogia industrial do empresariado mineiro no contexto da crise política e econômica e do golpe militar (1961-1964)
PDF

Palavras-chave

Pedagogia Industrial. Revista Vida Industrial. Indústria.Empresariado Industrial. Golpe Militar

Como Citar

REIS, J. M. dos S.; REIS, C. F. dos. A pedagogia industrial do empresariado mineiro no contexto da crise política e econômica e do golpe militar (1961-1964). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 56, p. 166–185, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i56.8640442. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640442. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo problematizar os planos e estratégias dos processos formativos destinados aos trabalhadores da indústria mineira no contexto da crise política e econômica do Golpe Militar. Para isso, fez-se necessária a articulação do debate entre educação e trabalho sob a perspectiva do materialismo histórico dialético. Trata-se de discussão bibliográfica que tem como referência o pensamento empresarial expresso na concretude da formação dos trabalhadores da e para a indústria de Minas Gerais (Pedagogia Industrial), em consenso com as demandas de trabalho e de formação das empresas mineiras. Além disso, o debate estabelecido com a literatura relacionada foi articulado, por meio de análise documental, a um diálogo com as fontes primárias, oriundas da Revista Vida Industrial que trouxeram em seu bojo a lógica educacional representativa do empresariado industrial mineiro associado à FIEMG (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais). Dessa forma, as ações empresariais que constituíram a Pedagogia Industrial, estavam articuladas às concepções políticas e econômicas do desenvolvimento no Brasil, visto que o disciplinamento para o trabalho imposto por tais concepções atendia à formação humana do trabalhador voltada para a acumulação do capital em geral e do capital industrial em específico – além de acarretar, contraditoriamente, as possibilidades de se construir a formação humana para além do capital.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i56.8640442
PDF

Referências

ALMEIDA FILHO, Niemeyer. Os limites estruturais da política econômica brasileira nos anos 80/90. 1994. s/f. Tese (Doutorado em Economia)-Instituto de Economia, Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 1994.

KUENZER, Acácia Zeneida. Pedagogia da Fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989.

MACHADO, Lucília R. de Souza. Politecnia, escola unitária e trabalho. São Paulo, Cortez, 1989.

MARTINS, Luciano. Industrialização, Burguesia Nacional e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Saga, 1968.

PRIORI, Angelo. A Doutrina de Segurança Nacional e o Manto dos Atos Institucionais durante a Ditadura Militar Brasileira. In: Revista Espaço Acadêmico. No 53, abril, 2004. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/035/35priori.htm Acesso em: 18 jul. 2013.

REVISTA VIDA INDUSTRIAL. Belo Horizonte: Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, abril-julho, 1963, ANO X.

REVISTA VIDA INDUSTRIAL. Belo Horizonte: Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, janeiro-fevereiro, 1964, ANO XI.

REVISTA VIDA INDUSTRIAL. Belo Horizonte: Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, maio-junho, 1964, ANO XI.

REVISTA VIDA INDUSTRIAL. Belo Horizonte: Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, setembro-outubro, 1964, ANO XI.

REVISTA VIDA INDUSTRIAL. Belo Horizonte: Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, novembro-dezembro, 1964, ANO XI.

SINGER, Paul. A Economia Brasileira depois de 1964. In: A Crise do “Milagre”. Editora Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1976, p. 77-101.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.