Banner Portal
Passado-presente: a extinção de ramais ferroviários durante a ditadura civil-militar
PDF

Palavras-chave

Ditadura. Ferrovias. Ferroviários

Como Citar

PAULA, D. A. de. Passado-presente: a extinção de ramais ferroviários durante a ditadura civil-militar. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 56, p. 186–201, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i56.8640443. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640443. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Analisaremos alguns marcos históricos do processo de erradicação de ramais ferroviários durante a ditadura, indicando sua complexidade social, por meio de fontes diversas, orais e impressas. De um lado, tratando da repressão aos movimentos sindicais, em particular dos ferroviários e de outro da desativação de ramais operada pelas agências dos transportes, por meio da criação do GESFRA – Grupo Executivo de Substituição de Ferrovias e Ramais Antieconômicos. Ainda que a crise do transporte ferroviário tenha se anunciado desde as primeiras décadas do século XX, as linhas gerais da política de desativação de ramais ferroviários foram delineadas na década de 1950 e implementadas após 1966.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i56.8640443
PDF

Referências

ALVES, Maria Helena M. Estado e Oposição no Brasil (1964-1984). Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

BAPTISTA, Demisthóclides. Demisthóclides Baptista (depoimento, 1986). Rio de Janeiro: FIOCRUZ/COC. Programa de História oral, 1991, 123 p. , dat.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Anuário Estatístico dos Transportes,1975-76.

BRASIL. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES/GESFRA. Relatório 1970, s.p.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MÉDICI, E. G. Relatório Presidencial, 1973, p. 27. The Center for Research Libraries. Brazilian Government Document Digitaslization Projecto, 1830-1990. Funding provided by the Andrew mellon Foundation. National Presidencial Messages. wwwcrl-jukebox.uchicago.edu. Arquivo capturado em 30/08/2004.

CAMPOS, Pedro Henrique P. Estranhas catedrais. As empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988.Rio de janeiro: Faperj; Niterói: EduFF, 2014.

CARRASCO, Ángel. EL ferrocarril y la economia en Brasil. In: FERNÁNDEZ, Jesús Sanz (coord.). Historia de los ferrocarrilles de Iberoamerica (1837-1995). Madrid, ES: CEDEX/CEHOPU/Fundación de los Ferrocarrilles Espanõles, 1998.

CIÊNCIA E AMBIENTE, UFSM/Santa Maria-RS, v. 1, n. 1 (jul.1990) DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do Estado. Ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis, RJ: Vozes, 1981.

FERROVIAS: a busca do equilíbrio financeiro. O Empreiteiro, v. 13, n. 65, jun 1973.

FIORI, José Luís. O Vôo da Coruja: uma Leitura não Liberal da Crise do Estado Brasileiro. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1995.

FONTES, V. e MENDONÇA, Sonia. História do Brasil Recente, 1964-1980. São Paulo: Ática, 1988.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a Política e o Estado Moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

GRUPO MEMÓRIA POPULAR. Memória popular: teoria, política, método. In: Fenelon, Déa et. Al. (orgs.). Muitas memórias, outras histórias. São Paulo: Olho dágua, 2004.

HARDMAN, F. F. Trem fantasma. A modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 2005.

LIMONCIC, Flavio. A civilização do automóvel: a instalação da indústria automobilística no Brasil e a via brasileira para uma improvável modernidade fordista, 1956-1961. Rio de Janeiro, 1997. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro

MANTA, A.A. Entrevista. Lucro da ferrovia deve ser indireto Revista dos Transportes, Rio de Janeiro, jul. 1967, p. 28.

MANTEGA, Guido e MORAES, Maria. Acumulação Monopolista e crises no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1979 (Col. Economia, v. 7).

MATTOS, Marcelo Badaró. Novos e velhos sindicalismos. Rio de Janeiro; Vício de Leitura, 1998.

MENDONÇA, Sonia. Estado e economia no Brasil: opções de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

MT/GESFRA. Relatório Anual de 1971, s.p.

NATAL, Jorge Luis Alves. Transporte, ocupação do espaço e desenvolvimento capitalista no Brasil: história e perspectivas. Campinas, SP: 1991. Tese (Doutoramento em Economia) – Universidade Estadual de Campinas.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista. O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

PAULA, Dilma Andrade de. Fim de Linha: a extinção de ramais da E. F. Leopoldina, 1955-1974. Niterói-RJ:2000. Tese (Doutoramento em História) – Universidade Federal Fluminense. Disponível no sítio da Revista Ferroviária: http://www.revistaferroviaria.com.br/upload/Paula_Leopoldina.pdf

RANGEL, Ignácio. As ferrovias federais. Do ponto de vista nacional. Rio de Janeiro: BNDES, 1992. Revista dos Transportes, maio 1963.

REFESA. “O negócio é falar de trem.” Refesa, Rio de Janeiro, 1972, p. 10.

ROBSON, Dan. WWW.dan.com.br. Arquivo capturado em 29 de agosto de 2004.

SALLUM JR., Brasílo. Labirintos. Dos generais à Nova República. São Paulo: Hucitec, 1996.

SILVEIRA, Paulo (org.). Poulantzas. São Paulo: Ática, 1984. (Grandes Cientistas Sociais: 47).

TELES, E.; SAFATLE, W (orgs.). O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

TOSO, S. G. Una historia para el presente y el futuro. Disponível em: www. rebelion.org. Acesso em 30 de junho de 2014.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.