Banner Portal
TV Escola: múltiplas relações, contradições e resistências
PDF

Palavras-chave

Estado. Organismos multilaterais. Políticas públicas. TV Escola

Como Citar

NOGUEIRA, Danielle Xabregas Pamplona; MORAES, Raquel de Almeida. TV Escola: múltiplas relações, contradições e resistências. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 55, p. 346–360, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i55.8640480. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640480. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

O artigo investiga as diretrizes que orientam o Programa TV Escola como política pública de formação continuada de professores a distância, no período entre 1995 e 2010. Foram analisadas as relações do Programa com o Estado brasileiro, com suas políticas públicas e com organismos multilaterais. A pesquisa foi desenvolvida com base no método do materialismo dialético, utilizando-se das categorias  de materialidade e de historicidade. Como estudo de caso, esta pesquisa se utilizou de análise documental para obtenção dos dados, sendo observados os documentos nos contextos do Ministério da Educação, Banco Mundial e UNESCO. Juntamente com o referencial teórico adotado, a interpretação dos dados obtidos ocorreu por meio de análise de conteúdo. Nessa análise, foram definidas as categorias: qualidade na educação, formação de professores e o uso de tecnologias de informação e comunicação. Concluiu-se que as diretrizes da TV Escola estão relacionadas a esses organismos, sobretudo as que se referem à qualidade na educação, formação de professores e uso de tecnologias mantendo relações, por meio de contradições e resistências, que se articulam à própria configuração neoliberal do Estado brasileiro e às suas políticas para a educação.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i55.8640480
PDF

Referências

BANCO MUNDIAL. Brazil Teachers Development and Incentives. A Strategic Framework. Paris: World Bank, 2001.

BANCO MUNDIAL. De la conciencia a la acción: uma evaluación de la política Del Banco sobre as tecnologias de la era de la informática y el desarrollo. New York: World Bank, 2003.

BANCO MUNDIAL. Lifelong Learning in the Global Knowledge Economy.Challenges for Developing Countries. Washington: World Bank, 2003.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion. Examen del Banco Mundial. Washington: World Bank, 1995.

BANCO MUNDIAL. Teacher Education at a Distance. Washington: World Bank, 1997.

BARRETO, Raquel Goulart. Tecnologias na formação de professores: o discurso do MEC. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.2, p. 271-286, jul./dez. 2003

BELLONI, Isaura. Metodologia de Avaliação em Políticas Públicas. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

BELLONI, Maria Luisa. A televisão como ferramenta pedagógica na formação de professores. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.2, p. 287-301, jul./dez. 2003

BONETI, Lindomar Wessler. Políticas públicas por dentro. 2. ed. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2007.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Estado. Brasília, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Avaliação do Programa TV Escola. Brasília: MEC; CESPE/UnB, 2008.

BRASIL. PNUD. PRODOC – Documento do Projeto BRA/99/017 Educação a Distância para Professores e Profissionais da Educação. Brasília: MEC/PNUD, 2000.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Relatório de Auditoria de Natureza Operacional do Programa TV Escola. Brasília: TCU, 2001.

BUONICORE, Augusto César. A formação do Estado burguês no Brasil. In: COSTA, Silvio (org.). Concepções e formação do Estado brasileiro. 2. ed. São Paulo: Anita Garibaldi, Goiânia: UCG, 2004.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede.1a. ed.São Paulo: Paz e Terra,. 1999.

COVRE, Maria L. A fala dos homens: análise do pensamento tecnocrático: 1964-1981. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DOURADO, Luiz Fernandes. Políticas e gestão da educação superior à distância: novos marcos regulatórios? In: Educação e Sociedade, Campinas, v.29, n.104-Especial, p. 891-917, 2008.

FERNANDES, Florestan. Nova República? 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

FILGUEIRAS, Luiz. O neoliberalismo no Brasil: estrutura, dinâmica e ajuste do modelo econômico. In: BASUALDO, Eduardo M; ARCEO, Enrique. Neoliberalismo y sectores dominantes. Tendencias globales y experiências nacionales. Buenos Aires: CLACSO, 2006. Disponível em: http://blibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/basua/ C05Filgueiras.pdf. Acesso 10 fev 2011. p. 179 - 206

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971. Vol.2

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IANNI, Octavio. Teorias da globalização. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

LEHER, Roberto. Educação no governo Lula da Silva: a ruptura que não aconteceu. In: Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico. 2003 – 2010. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p. 369 – 412.

LIMA, Sílvia Peixoto de; RODRIGUÉZ, Margarita Victoria. Políticas educacionais e equidade: revisitando conceitos. Revista Contrapontos, v.8, n.1, p.2, p. 55-69, 2008.

MARX, Karl. Contribuição para a crítica da economia política. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

MATTELART, Armand. História da Sociedade Informática. São Paulo: Loyola, 2001.

MORAES, Raquel de A Rumos da Informática Educativa no Brasil. Brasília: Plano, 2002.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 25, n. 2, mai/ago, 2009, p. 197 – 209.

ROMPATTO, Maurilio. A formação do Estado Nacional Brasileiro. Akrópolis, Umuarama, v. 9, n. 4, out a dez 2001, p. 185 – 195.

SADER, Emir (coord.) Brasil: de Getúlio a Lula. In: SADER, Emir. (org). Brasil, entre o passado e o futuro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Boitempo: 2010, p. 11 – 29.

SANFELICE, José Luís. Transformações no Estado-nação e Impactos na Educação. In: LUCENA, Carlos (org). Capitalismo, Estado e educação. Campinas: Alínea, 2008.

SCHAFF, Adam. Sociedade Informática. 1a. ed.São Paulo: Editora Brasiliense, 1995.

SILVA JUNIOR, João dos Reis; KATO, Fabíola B; SANTOS, Silvia Alves dos. Políticas públicas para formação a distância: implicações políticas e teóricas. In: SOUZA, Dileno Dustan Lucas de; SILVA JUNIOR, João dos Reis; FLORESTA, Maria das Graças Soares. Educação a distância: diferentes abordagens críticas. São Paulo: Xamã, 2010.

SILVA, Maria Abádia. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. Campinas: Autores Associados; São Paulo: Fapesp, 2002.

TOSCHI, Mirza Seabra. TV Escola: o lugar dos professores na política de formação docente. In: BARRETO, Raquel Goulart. Tecnologias educacionais e educação a distância: avaliando políticas e práticas. Rio de Janeiro: Quartet, 2001, p. 85 – 104.

UNESCO. Avaliação do Programa TV Escola. Brasília: UNESCO, 2006.

UNESCO. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Brasília: UNESCO, 2010.

UNESCO. Las tecnologias de la información y la comunicación em la formación docente. Guia de planificación. Paris: UNESCO, 2004.

UNESCO. Teacher education guidelines: using open and distance learning. Paris: UNESCO, 2002.

YAMAUTI, Nelson Nobuaki. Governo Lula: governos da crise estrutural do capitalismo versus transformações estruturais. Revista Espaço Acadêmico, n. 32, jan. 2004.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.