TV Escola: múltiplas relações, contradições e resistências

Autores

  • Danielle Xabregas Pamplona Nogueira Universidade de Brasilia
  • Raquel de Almeida Moraes Universidade de Brasilia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v14i55.8640480

Palavras-chave:

Estado. Organismos multilaterais. Políticas públicas. TV Escola

Resumo

O artigo investiga as diretrizes que orientam o Programa TV Escola como política pública de formação continuada de professores a distância, no período entre 1995 e 2010. Foram analisadas as relações do Programa com o Estado brasileiro, com suas políticas públicas e com organismos multilaterais. A pesquisa foi desenvolvida com base no método do materialismo dialético, utilizando-se das categorias  de materialidade e de historicidade. Como estudo de caso, esta pesquisa se utilizou de análise documental para obtenção dos dados, sendo observados os documentos nos contextos do Ministério da Educação, Banco Mundial e UNESCO. Juntamente com o referencial teórico adotado, a interpretação dos dados obtidos ocorreu por meio de análise de conteúdo. Nessa análise, foram definidas as categorias: qualidade na educação, formação de professores e o uso de tecnologias de informação e comunicação. Concluiu-se que as diretrizes da TV Escola estão relacionadas a esses organismos, sobretudo as que se referem à qualidade na educação, formação de professores e uso de tecnologias mantendo relações, por meio de contradições e resistências, que se articulam à própria configuração neoliberal do Estado brasileiro e às suas políticas para a educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Xabregas Pamplona Nogueira, Universidade de Brasilia

Doutora em Educação pela Universidade de Brasília. Mestre em Educação pela Universidade de Brasília. Especialista em Administração Escolar e Metodologia da Educação Superior.Licenciada Plena em Ed. Artística - Hab. Música pela Universidade do Estado do Pará. É professora da Universidade de Brasília - UnB, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas, gestâo da educação e tecnologias.

Raquel de Almeida Moraes, Universidade de Brasilia

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Campinas (1985), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1991) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1996).Realizou estudos pós-doutorais a distância na Universidade de Haifa, Israel na área de Filosofia da Educação. Atualmente é professor associado 1 da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação a distância, democracia, informática na educação e formação de professores.

Referências

BANCO MUNDIAL. Brazil Teachers Development and Incentives. A Strategic Framework. Paris: World Bank, 2001.

BANCO MUNDIAL. De la conciencia a la acción: uma evaluación de la política Del Banco sobre as tecnologias de la era de la informática y el desarrollo. New York: World Bank, 2003.

BANCO MUNDIAL. Lifelong Learning in the Global Knowledge Economy.Challenges for Developing Countries. Washington: World Bank, 2003.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion. Examen del Banco Mundial. Washington: World Bank, 1995.

BANCO MUNDIAL. Teacher Education at a Distance. Washington: World Bank, 1997.

BARRETO, Raquel Goulart. Tecnologias na formação de professores: o discurso do MEC. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.2, p. 271-286, jul./dez. 2003

BELLONI, Isaura. Metodologia de Avaliação em Políticas Públicas. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

BELLONI, Maria Luisa. A televisão como ferramenta pedagógica na formação de professores. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.2, p. 287-301, jul./dez. 2003

BONETI, Lindomar Wessler. Políticas públicas por dentro. 2. ed. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2007.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Estado. Brasília, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Avaliação do Programa TV Escola. Brasília: MEC; CESPE/UnB, 2008.

BRASIL. PNUD. PRODOC – Documento do Projeto BRA/99/017 Educação a Distância para Professores e Profissionais da Educação. Brasília: MEC/PNUD, 2000.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Relatório de Auditoria de Natureza Operacional do Programa TV Escola. Brasília: TCU, 2001.

BUONICORE, Augusto César. A formação do Estado burguês no Brasil. In: COSTA, Silvio (org.). Concepções e formação do Estado brasileiro. 2. ed. São Paulo: Anita Garibaldi, Goiânia: UCG, 2004.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede.1a. ed.São Paulo: Paz e Terra,. 1999.

COVRE, Maria L. A fala dos homens: análise do pensamento tecnocrático: 1964-1981. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DOURADO, Luiz Fernandes. Políticas e gestão da educação superior à distância: novos marcos regulatórios? In: Educação e Sociedade, Campinas, v.29, n.104-Especial, p. 891-917, 2008.

FERNANDES, Florestan. Nova República? 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

FILGUEIRAS, Luiz. O neoliberalismo no Brasil: estrutura, dinâmica e ajuste do modelo econômico. In: BASUALDO, Eduardo M; ARCEO, Enrique. Neoliberalismo y sectores dominantes. Tendencias globales y experiências nacionales. Buenos Aires: CLACSO, 2006. Disponível em: http://blibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/basua/ C05Filgueiras.pdf. Acesso 10 fev 2011. p. 179 - 206

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971. Vol.2

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IANNI, Octavio. Teorias da globalização. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

LEHER, Roberto. Educação no governo Lula da Silva: a ruptura que não aconteceu. In: Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico. 2003 – 2010. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p. 369 – 412.

LIMA, Sílvia Peixoto de; RODRIGUÉZ, Margarita Victoria. Políticas educacionais e equidade: revisitando conceitos. Revista Contrapontos, v.8, n.1, p.2, p. 55-69, 2008.

MARX, Karl. Contribuição para a crítica da economia política. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

MATTELART, Armand. História da Sociedade Informática. São Paulo: Loyola, 2001.

MORAES, Raquel de A Rumos da Informática Educativa no Brasil. Brasília: Plano, 2002.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 25, n. 2, mai/ago, 2009, p. 197 – 209.

ROMPATTO, Maurilio. A formação do Estado Nacional Brasileiro. Akrópolis, Umuarama, v. 9, n. 4, out a dez 2001, p. 185 – 195.

SADER, Emir (coord.) Brasil: de Getúlio a Lula. In: SADER, Emir. (org). Brasil, entre o passado e o futuro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Boitempo: 2010, p. 11 – 29.

SANFELICE, José Luís. Transformações no Estado-nação e Impactos na Educação. In: LUCENA, Carlos (org). Capitalismo, Estado e educação. Campinas: Alínea, 2008.

SCHAFF, Adam. Sociedade Informática. 1a. ed.São Paulo: Editora Brasiliense, 1995.

SILVA JUNIOR, João dos Reis; KATO, Fabíola B; SANTOS, Silvia Alves dos. Políticas públicas para formação a distância: implicações políticas e teóricas. In: SOUZA, Dileno Dustan Lucas de; SILVA JUNIOR, João dos Reis; FLORESTA, Maria das Graças Soares. Educação a distância: diferentes abordagens críticas. São Paulo: Xamã, 2010.

SILVA, Maria Abádia. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. Campinas: Autores Associados; São Paulo: Fapesp, 2002.

TOSCHI, Mirza Seabra. TV Escola: o lugar dos professores na política de formação docente. In: BARRETO, Raquel Goulart. Tecnologias educacionais e educação a distância: avaliando políticas e práticas. Rio de Janeiro: Quartet, 2001, p. 85 – 104.

UNESCO. Avaliação do Programa TV Escola. Brasília: UNESCO, 2006.

UNESCO. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Brasília: UNESCO, 2010.

UNESCO. Las tecnologias de la información y la comunicación em la formación docente. Guia de planificación. Paris: UNESCO, 2004.

UNESCO. Teacher education guidelines: using open and distance learning. Paris: UNESCO, 2002.

YAMAUTI, Nelson Nobuaki. Governo Lula: governos da crise estrutural do capitalismo versus transformações estruturais. Revista Espaço Acadêmico, n. 32, jan. 2004.

Downloads

Publicado

2014-06-28

Como Citar

NOGUEIRA, D. X. P.; MORAES, R. de A. TV Escola: múltiplas relações, contradições e resistências. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 55, p. 346–360, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i55.8640480. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640480. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos