O impacto da diversidade cultural nas políticas educacionais: uma crítica às propostas das agências internacionais

Autores

  • Elma Júlia Gonçalves de Carvalho Universidade Estadual de Maringá
  • Rosangela Célia Faustino Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i61.8640517

Palavras-chave:

Cultura. Diversidade cultural. Políticas educacionais. Crítica

Resumo

As políticas educacionais de reconhecimento e valorização da diversidade cultural, como as propostas pelas agências internacionais, têm ocupado lugar central nas definições governamentais das três últimas décadas, desafiando educadores e gestores a compreender suas finalidades e buscar novas práticas pedagógicas e administrativas. Tendo em vista o contexto de crise econômica mundial do sistema capitalista, o objetivo neste texto é discutir o histórico do tema da diversidade, remontando ao período posterior à Segunda Guerra Mundial e analisando as orientações internacionais e nacionais produzidas a partir da década de 1990. Ao mesmo tempo, considerando a complexidade educacional decorrente da adoção da perspectiva da diversidade cultural, tentaremos abrir novas perspectivas de análise e de enriquecimento do debate, somando forças no enfrentamento do desafio de se repensar teorias e práticas educativas. Esta é, de nosso ponto de vista, uma forma de contribuirmos para o aprofundamento dos conhecimentos sobre essa temática tão recente na educação e, ao mesmo tempo, tão desafiadora, já que a perspectiva da diversidade, considerada em si mesma, pode ser uma forma de obscurecer o entendimento de como as relações sociais se constituem, contribuindo, em última instância, para a aceitação das diferenças e não para a superação das condições que as produzem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elma Júlia Gonçalves de Carvalho, Universidade Estadual de Maringá

Professora da Área de Políticas Públicas e Gestão da Educação do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá.

Rosangela Célia Faustino, Universidade Estadual de Maringá

Professora da Área de Didática e Metodologia do Ensino do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

AHMAD, A.. Linhagens do presente: ensaios. Tradução por: Sandra Guardini Vasconcelos. São Paulo: Boitempo, 2002.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997. v. 10.

BRASIL. Resolução CEB/CNE no 2, de 7 de abril de 1998a. Institui as diretrizes curriculares nacionais para o ensino fundamental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb02_98.pdf. Acesso em: 02 mar. 2008.

BRASIL. Parecer CEB no 04/98, 29 de janeiro de 1998b. Assunto: Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/PCB0498.pdf Acesso em: 02 mar. 2008.

BRASIL. Resolução CEB/CNE no 3, de 26 de junho de 1998. Institui as diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb03_98.pdf. Acesso em: 02 mar. 2008.

BERGMANN, B.. In defense of affirmative action. New York: BasicBooks, 1996.

BRASIL. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília. 1998.

CAMPOS, R.. Educação Infantil e Organismos Internacionais: uma análise dos projetos em curso na América Latina e suas repercussões no contexto nacional. 215f. 2008. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

CARVALHO, E. J.G.. Diversidade Cultural e Gestão Escolar: Alguns Pontos para Reflexão. Rev. Teoria e Prática da Educação, v. 15, n. 2, p. 85-100, maio./ago. 2012.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. 2aed. Bauru: EDUSC, 2002.

CUÉLLAR, J. P. (Org.). Nossa diversidade criadora: Relatório da Comissão Mundial de cultura e desenvolvimento. Campinas: Papirus; Brasília, DF: Unesco, 1997.

DALE, R.. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma ‘cultura educacional mundial comum’ ou localizando uma ‘agenda globalmente estruturada para a educação’? Revista Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 16, p. 133-169, 2001.

DELORS, J. (Org.). Educação: um tesouro a descobrir. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional Sobre a Educação Para o Século XXI.

DUARTE, N.. Vigotski e o “aprender a apernder”: críticas as proposições neoliberais e pós-modernas da teoria vigostskiana. 3a ed., Campinas, SP, Autores Associados, 2004.

CALLINICOS, A.. Igualdad y capitalismo. In: BORON, A. A.; AMADEO, J.; GONZÁLEZ (Comps.) La teoría marxista hoy. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

EAGLETON, T.. A idéia de cultura. Tradução por: Sandra Castello Branco. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

ENZENSBERGER. H. M.. O vagão humano. Reflexões para o século XXI. Veja (Edição 25 anos). São Paulo, 1993.

FAUSTINO, R. C.. Política educacional nos anos de 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena. 334 f. 2006. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

HARVEY, D.. O neoliberalismo: história e implicações. 2a ed, São Paulo, edições Loyola, 2011.

KRUPER, A.. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru-SP: EDUSC, 2002.

LÈVI-STRAUSS, C.. Raça e História. In: LÈVI-STRAUSS, C.. Antropologia Estrutural II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1976.

NAGEL, L. H.. O ‘aqui e o agora’, sem ‘ontem e o amanhã’, nas políticas da educação. In: NOGUEIRA, F. M. G.; RIZOTTO, M. L. F. (Org.). Estado e políticas sociais: Brasil - Paraná. Cascavel: Edunioeste, 2003. p. 29-40.

NEVES, L. M. W.; SANT’ANNA, R.. Introdução: Gramsci, o Estado Educador e a Nova Pedagogia da Hegemonia. In: A Nova Pedagogia da Hegemonia: estratégias do capital para educar para consenso. NEVES, L. M. W. (Org.), São Paulo, Xamã, 2005, p. 18-39.

OLIVEIRA, E. de; SOUZA, M. L. de. Multiculturalismo, diversidade cultural e direito coletivo na ordem contemporânea. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais. Curitiba. v. 1, n. 15, p. 121-139, 2011. Disponível em: http://apps.unibrasil.com.br/revista/index.php/direito/article/viewFile/806/69. Acesso em: 14/01/2015.

RAYMOND, W.. Cultura e sociedade: de Coleridge a Orwell. Petrópolis, RJ, Vozes, 2011.

RODRIGUES, T. C.; ABRAMOWICK, A.. O debate contemporâneo sobre a diversidade e a diferença nas políticas e pesquisas em educação. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, p. 15-30, jan./mar. 2013.

SILVA, L. F.. Cultura, políticas culturais: O papel da UNESCO na discussão contemporânea. GT – 32 Sociologia del Arte y la Cultura, s/da. Disponível em: actacientifica.servicioit.cl/biblioteca/gt/GT32/GT32_DaSilvaL.pdf Acesso em: 14 de abr. de 2014.

SILVA, L. F.. Cultura, políticas culturais e UNESCO: Sobre a relação entre imperialismo e cultura no capitalismo contemporâneo GT – 8 Cultura, capitalismo e Socialismo. s/db. Disponível em: www.ifch.unicamp.br/.../7082_Da%20Silva_Luiz%20Fernando.pdf Acesso em: 14 de abr. de 2014.

UNESCO. The race question. UNESCO Publication 791. Paris, 1950. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001282/128291eo.pdf Acesso em: 7 de nov. de 2014.

UNESCO. Declaración de México sobre las Políticas Culturales. Conferencia mundial sobre las políticas culturales. México D.F., 26 de julio - 6 de agosto de 1982. Disponível em: http://portal.unesco.org/culture/es/files/35197/11919413801mexico_sp.pdf/mexico_sp.pdf Acesso em: 7 de nov. de 2014.

UNESCO. Declaración de Ciudad de México: Conferencia Regional de Ministros de Educación y de Ministros Encargados de la Planificación Económica de los Estados Miembros de América Latina y el Caribe. México, 4-13 de diciembre de 1979. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001599/159987S.pdf Acesso em: 7 de nov. de 2014.

UNESCO. Records of the General Conference Fourth extraordinary session. Paris, 1982, v.1, 65p.

UNESCO. Recomendação sobre a salvaguarda da cultura tradicional popular. 1989. Disponível em: www.matrizpci.dgpc.pt/.../CommonServices/FileDownloader.axd?...Reco... Acesso em: 7 de nov. de 2014.

UNESCO. Intergovernmental Conference on Cultural Policies for Developement. 1998a. Disponível em: http://www.unesco.org/es/cultural-diversity/the-stockholm-conference/ Acesso em: 14 de jan. de 2015.

UNESCO. Conferencia Intergubernamental sobre Políticas Culturales para el Desarrollo. Infrome Final. 1998b. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0011/001139/113935so.pdf Acesso em: 14 de jan. de 2015.

UNESCO. Declaração de princípios sobre a tolerância (1995). Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001315/131524PORb.pdf. Acesso em: 23 maio 2008.

UNESCO. Rapport Mondial sur la Culture. Diversité culturelle, conflit et pluralisme. Paris: Éditions Unesco, 2000. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001224/122411F.pdf

UNESCO. UNESCO and the issue of cultural diversity: review and strategy 1946-2000. Division of Cultural Policies. UNESCO, 2004. Disponível em: http://www.iti-germany.de/fileadmin/user_upload/pdf_theater/4_Die_Konvention.pdf Acesso em: 16 de jan. de 2015.

UNESCO. Declaração universal sobre a diversidade cultural (2002). Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf. Acesso em: 23 maio 2008.

UNESCO. A UNESCO no Brasil: consolidando compromissos. Brasília: UNESCO, 2004.

UNESCO. Convenção sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais. (2005). Disponível em: http://unesdoc.Unesco.org/images/0014/001429/142919s.pdf. Acesso em: 03 de abr. de 2014.

UNESCO. Relatório Mundial da UNESCO: Investir na Diversidade Cultural e no Diálogo Intercultural – Resumo (2010). Disponível em: unesdoc.unesco.org/images/0018/001847/184755por.pdf Acesso em: 14 de jan. de 2015.

WOOD, E. M.. Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo, 2003.

Downloads

Como Citar

CARVALHO, E. J. G. de; FAUSTINO, R. C. O impacto da diversidade cultural nas políticas educacionais: uma crítica às propostas das agências internacionais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 61, p. 110–134, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i61.8640517. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640517. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos