Escola itinerante : uma história ocultada, forjada no contexto da luta de classes no Paraná

Autores

  • Marlene Lucia Siebert Sapelli Unicentro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i61.8640531

Palavras-chave:

Escola itinerante. MST. Resistência. Paraná

Resumo

A pesquisa aqui apresentada parte do pressuposto de que os processos educativos não são  neutros, portanto, definidos a partir de determinantes sociais, políticos, econômicos, religiosos, culturais e outros e, ao estarem inseridos no contexto da sociedade capitalista, obrigatoriamente, carregam a marca de classe de quem os engendra e que é necessário explicitar cada vez mais as experiências contra-hegemônicas de educação. Assim, o objetivo dessa pesquisa é descrever e analisar o processo de criação das escolas itinerantes (EI) no Paraná e como elas representam, nos seus dez primeiros anos (2013-2013), a resistência da parcela da classe trabalhadora que compõe o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), no referido estado. Foi realizada junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, em curso de Doutorado, por meio de pesquisa bibliográfica, pesquisa de campo (que envolveu registro fotográfico, entrevistas, participação em atividades) e análise documental. Na primeira parte, apresentamos o contexto que deu origem ao MST no Paraná; a seguir, os processos de ocupação dos espaços, nos quais estão inseridas as nove escolas itinerantes que existem no estado; na  terceira parte do texto, explicitamos o conjunto das escolas itinerantes  e a situação atual de cada uma e para finalizar analisamos as dificuldades dos sujeitos para produzir a vida nos acampamentos em questão e a situação das referidas escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlene Lucia Siebert Sapelli, Unicentro

Marlene Lucia Siebert Sapelli, docente do Departamento de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná, Guarapuava/PR, doutora em Educação

Referências

BAHNIUK, Caroline. Educação, trabalho e emancipação humana: um estudo sobre as escolas itinerantes do acampamentos do MST. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. 180p.

CAMINI, Isabela.Escola itinerante na fronteira de uma nova escola. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

CAMINI, Isabela e RIBEIRO, Marlene. Escola itinerante: onde escola, luta e vida se entrecuzam. IN: VENDRAMINI, Célia Regina e MACHADO, Ilma Ferreira (orgs). Escola e movimento social: experiências em curso no campo brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

CPT. Desterro. Uma cronologia da violência no campo no Paraná na década de 90. Curitiba: CPT, 2006.

CRISTO, Luciana. Sem Terra ocupam fazenda em Porecatu. Paraná on line. 4/11/2008. Disponível em http://www.parana-online.com.br/editoria/cidades/news/332776/?noticia=SEM+TERRA+OCUPAM+FAZENDA+EM+PORECATU. Acesso em 22 de julho de 2011.

DATALUTA. Banco de dados da luta pela terra. Relatório 2006. Coordenação Geral Bernardo Mançano Fernandes. Disponível em HTTP://cac-php.unioeste.br/projetos/geolutas/projetos_dataluta_relatorios.php. Acesso em 31/05/2011.

DIEESE. Estatísticas do meio rural 2010-2011. 4 ed. Brasília, MDA, 2011.

GREIN, Maria Izabel e GEHRKE, Marcos. Escola Itinerante no desafio da luta pela Reforma Agrária. In: MST. Itinerante: a escola dos Sem Terra – trajetórias e significados. Cadernos da Escola Itinerante – MST. Ano I – no. 2 – Outubro de 2008. Curitiba: SEED, 2008.

MANOEL, Lawrence. MST invade área de preservação ambiental. 22/02/2005. Disponível em http//:Paraná-online.com.br/editorial/cidades/news/112476/?noticia=MST+invade+área+de+preservacao+ambiental. Acesso em 01 de maio de 2012.

MARTINS, Fernando José. Gestão democrática e a ocupação da escola. O MST e a educação. Porto Alegre: EST, 2004.

MAZZAROLLO, Juvêncio. A taipa da injustiça. Esbanjamento econômico, drma social e holocausto ecológico em Itaipu. São Paulo: Loyola, 2003.

MORISSAWA, Mitsue. A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

MST. Só quem sabe tem condições de dirigir . Jornal Sem Terra. Número 62, ano VI, maio de 87, p. 16, 1987 a

MST. Sabendo fazer a luta será melhor. Jornal Sem Terra. Número 65 , ano VI, agosto de 87, p. 16, 1987 b

MST. É preciso saber fazer. Jornal Sem Terra. Número 71 , ano VIII , março de 88, p. 16, 1988

MST. Educar á ato político. Jornal Sem Terra. Número 81, ano IX, março de 89, p. 16, 1989 a

MST. Memória. Jornal Sem Terra. Número 82, ano IX , abril de 89 , p. 20, 1989 b

MST. Relatório das escolas itinerantes de 2006. Curitiba, 2006.

MST. Itinerante: a escola dos Sem Terra – trajetórias e significados. Cadernos da Escola Itinerante – MST. Ano I – no. 2 – Outubro de 2008. Curitiba: SEED, 2008 a

MST. Relatório das escolas itinerantes de 2008. Curitiba, 2008 b

MST. Relatório das escolas itinerantes de 2009. Curitiba, 2009

MST. Memória dos encontros realizados na construção dos Complexos de Estudo. Curitiba: 2011 a (mimeo)

MST. Ciclos de formação humana na Escola. Colégio Estadual Iraci Salete Strozak e Escolas Itinerantes. Curitiba: SEED, 2011 b

MST. Relatório das escolas itinerantes de 2012 (1o. Semestre). Curitiba, 2012 a

MST. Lista de contratados e formação. 2012 (1o. Semestre). Curitiba: MST, 2012 b.

MST. Organização da Escola Itinerante de Educação Infantil ao Ensino Médio. Curitiba, s/d. (mimeo)

PIRES, Ariel José. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e a política social católica (1980 a 2000). Concepções, ambiguidades e permanências na luta pela terra agrícola. Tese (Doutorado). Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista. Assis/SP, 2001. 167p.

SEM-TERRA negam ter torturado madeireiro no sudoeste paranaense. 28/09/2006. Disponível em http//:radioagencianp.com.br/node/798. Acesso em 01 de maio de 2012.

SERRA, Elpídio. Processos de ocupação e luta pela terra agrícola no Paraná. Tese apresentada ao Instituo de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. UNESP. Rio Claro. Doutorado em Geografia, 1991. 361 p.

TAKAU JUNIOR, Iokisa. Escola itinerante: escola, Estado e MST no espaço do Acampamento. XIX Encontro Nacional De Geografia Agrária, São Paulo, 2009, Disponível em http://www.geografia.fflch.usp.br/inferior/laboratorios/agraria/Anais%20XIXENGA/artigos/Takau-Jr_I.pdf Acesso em 22 de julho de 2011.

TAVARES, Maria Augusta. Os fios (in)visíveis da produção capitalista. Informalidade e precarização do trabalho. São Paulo: Cortez, 2004.

WEISSHEIMER, Marco Aurélio. Ministério Público e governo Yeda Crusius fecham escolas itinerantes do MST. 16/02/2009. Disponível em http://rsurgente.opsblog.org/2009/02/16/ministerio-publico-e-governo-yeda-crusius-fecham-escolas-itinerantes-do-mst/. Acesso em 01 de agosto de 2011.

Downloads

Publicado

2015-07-21

Como Citar

SAPELLI, M. L. S. Escola itinerante : uma história ocultada, forjada no contexto da luta de classes no Paraná. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 61, p. 333–354, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i61.8640531. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640531. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos