Influências e determinações para a oferta da escolaridade obrigatória no Brasil

  • Simone Fátima Flach Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG
Palavras-chave: Política educacional. Escola obrigatória. Educação brasileira

Resumo

Este estudo apresenta as influências e determinações de organismos internacionais na política educacional brasileira voltada para a escolaridade obrigatória no período compreendido entre os anos de 1970 e os primeiros anos de 2000. Tem por objetivo oferecer subsídios para a compreensão sobre como a ampliação da escolaridade ocorreu no período frente aos acordos e compromissos assumidos pelo governo brasileiro. Para alcançar tal objetivo apresenta as previsões para a escolaridade obrigatória, desde os Acordos MEC-USAID, ocorridos no final da década de 1960, até os encaminhamentos do Banco Mundial na década de 1990, os quais contribuíram para a configuração da escola obrigatória no início do novo século. Ao final, conclui que o arcabouço ideológico em circulação nas políticas educacionais em relação à educação obrigatória contribuiu tanto para o avanço quanto para expor os limites da organização educacional brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Fátima Flach, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG
Doutora em Educação pela UFSCar; Docente da Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG.

Referências

ALVES, M. M. Beabá dos MEC-USAID. Rio de Janeiro: Edições Gernasa, 1968.

ARRUDA, M. ONGs e o Banco Mundial: é possível colaborar criticamente?. In: TOMMASI, L. de; WARDE, M. J.; HADDAD, S. O Banco Mundial e as políticas educacionais. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estratégias para la educación: estudio sectorial del Banco Mundial., 1995.

BRASIL, MEC. Plano Decenal de educação para todos. Brasília: MEC, 1993 – versão acrescida.

BUFFA, E.; NOSELLA, P. A educação negada: introdução ao estudo da educação brasileira contemporânea. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1997.

CARCANHOLO, M. D. Neoliberalismo e o Consenso de Washington: a verdadeira concepção de desenvolvimento do governo FHC. In: MALAGUTTI, M. L.; CARCANHOLO, R. A.; CARCANHOLO, M. D. (orgs). Neoliberalismo: a tragédia do nosso tempo. 3 ed. São Paulo, Cortez, 2002.

CEPAL/UNESCO. Educación y conocimiento: eje de la transformacion productiva con equidad. Santiago, 1992.

LIMA, L. O. O. Prefácio. In: ALVES, Márcio Moreira. Beabá dos MEC-USAID. Rio de Janeiro: Edições Gernasa, 1968

PAIVA, V. (org). Transformação produtiva e equidade: a questão do ensino básico. Campinas, SP: Papirus: 1994.

PASQUALE, C.. O desenvolvimento do ensino primário e Plano Nacional de Educação. Centro Regional de Pesquisas Educacionais “Prof. Queiroz Filho”. Série I. Estudos e Documentos. Vol. 4. MEC/INEP. São Paulo, 1966.

ROMANELLI, O. de O. História da Educação no Brasil (1930/1973), 8a ed., Petrópolis: Vozes, 1986.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M. de; EVANGELISTA, O. Política educacional. Rio de Janeiro: DP&A, 2000

SOARES, M. C. C. Banco Mundial: políticas e reformas. In: TOMMASI, L. de; WARDE, M. J.; HADDAD, S. O Banco Mundial e as políticas educacionais. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SOUZA, R. F. de. Lições da escola primária. In: SAVIANI, D. et al. O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (orgs.) O Banco Mundial e as políticas educacionais. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000a.

TORRES, R. M. Una década de Educación para Todos: La tarea pendiente. Buenos Aires: UNESCO, 2000b.

Publicado
2015-04-18
Como Citar
Flach, S. F. (2015). Influências e determinações para a oferta da escolaridade obrigatória no Brasil. Revista HISTEDBR On-Line, 14(60), 181-199. https://doi.org/10.20396/rho.v14i60.8640554
Seção
Artigos