Banner Portal
Intelectuais, educação escolar e hegemonia: análise das formulações empresariais sobre trabalho docente
PDF

Palavras-chave

Intelectuais. Hegemonia. Educação escolar. Empresários

Como Citar

MARTINS, André Silva; PINA, Leonardo Docena; ÁVILA, Lúcia Aparecida de; ALMEIDA, Raiza Dias de. Intelectuais, educação escolar e hegemonia: análise das formulações empresariais sobre trabalho docente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 60, p. 260–272, 2015. DOI: 10.20396/rho.v14i60.8640559. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640559. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

O texto aborda o tema “intelectuais, educação escolar e hegemonia” a partir da análise das formulações, sobre trabalho docente na educação básica, elaboradas por organizações empresariais brasileiras na primeira década do século XXI. Para tanto, recorremos à análise de publicações impressas e digitais de autoria de pessoas e organizações da classe empresarial, além de documentos oficiais da política de educação. O estudo revela que, na concepção empresarial, o trabalho docente é desfigurado em sua natureza e especificidade e, assim, configura-se como obstáculo aos pressupostos da educação emancipatória ao ser convertido em estratégia de controle político e social.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i60.8640559
PDF

Referências

ALBUQUERQUE, R. C. O plano decenal de educação para todos e a estratégia nacional de desenvolvimento. Em Aberto. Brasília: Inep, ano 13, n. 59, p. 63-67, jul./set. 1993.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Educação para a nova indústria. Brasília: Confederação Nacional da Indústria, 2007.

FUNDAÇÃO LEMANN. Relatório de Atividades 2011. São Paulo: Fundação Lemann, 2012.

FUNDAÇÃO VALE; CEDAC. Programa Escola que Vale. Formação de Professores. São Paulo: CEDAC, 2002.

GALL, N.; GUEDES, P. M. A reforma educacional de Nova York. Possibilidades para o Brasil. São Paulo, Fundação Itau Social, [20--].

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Vol. 3. Maquiavel. Notas sobre o estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

HAYEK, F. A. O caminho da servidão. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1987.

LEMOV, D. Aula nota 10: 49 técnicas para ser um professor campeão de audiência. São Paulo: Da Boa Prosa/Fundação Lemann, 2011.

MALINI, E. O consenso como ponto de partida? Uma análise dos papéis desempenhados pelos atores participantes na formulação do plano de desenvolvimento da educação. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2009.

MARTINS, A. S. A direita para o social: a educação da sociabilidade no Brasil contemporâneo. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2009.

MARX, K. O capital. Vol.1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

NEVES, L. M. W. (org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para organizar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1127-1144, Set./Dez. 2004.

PARCEIROS DA EDUCAÇÃO. A transformação da qualidade da educação pública no Brasil. São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.parceirosdaeducacao.org.br. Acesso em 23 de fevereiro de 2013.

SANTOS, I. M. Política de financiamento da educação e participação da comunidade na gestão da escola. RBPAE, v.22, n.2, p. 315-329, jul./dez. 2006.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 9. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

SHIROMA, E. O; SCHNEIDER, M. C. Certificação e gestão de professores. Temas e Matizes, n. 13, p. 39-48, 2008.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.