Apontamentos históricos da educação profissional brasileira: a Lei de Aprendizagem n◦10.097/2000 e suas influências

Autores

  • Jaqueline Puquevis de Souza Universidade Estadual do Centro Oeste

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641171

Palavras-chave:

Lei de aprendizagem. Organizações multilaterais. Empresariado

Resumo

Este artigo é parte de uma pesquisa de mestrado, tendo como objetivo geral compreender a Lei de Aprendizagem n◦ 10.097/2000, buscando desenhar o quadro político dos programas executados no país, sua estrutura, perfil dos alunos e propostas implícitas em suas diretrizes curriculares. A metodologia utilizada pauta-se no materialismo histórico dialético, ilustrando por meio de diário de campo, algumas experiências de jovens aprendizes de uma cidade de interior do Paraná. Ao analisarmos as ações de políticas para juventude e as fontes documentais, para educação profissional, publicadas pelas Organizações Multilaterais e empresariado, identificamos na maioria deles um discurso que racionaliza e justifica as ações adotadas, buscaremos neste estudo evidenciar essa relação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaqueline Puquevis de Souza, Universidade Estadual do Centro Oeste

Mestranda em Educação pela Unicentro, professora colaboradora do departamemto de Educação da Universidade Estadual do Centro Oeste.

Referências

BENDRATH, E.A; GOMES, A.A. Estado, políticas públicas e organismos internacionais: a educação no foco do debate. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação. Campo Grande, MS,v.16, n.32, p.157-171, jul./dez. 2010

BRASIL. Lei da Aprendizagem. Lei n◦ 10.097, de 19 de dezembro de 2000. Brasília/DF, 2000.

BRASIL. Decreto n◦ 5.598/2005. Brasília: Diário oficial da União, 2005.

BRASIL.Manual da aprendizagem: o que é preciso saber para contratar o jovem aprendiz – 3. ed. – Brasília: MTE, SIT, SPPE, ASCOM, 2009.

BRASIL. Decreto Lei n◦ 8.621, de 10 de janeiro de 1946. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del8621.htm.

BRASIL. Decreto Lei n◦4.4048, de 2 de janeiro de 1942. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del4048.htm.

BUIAR,C.J; GARCIA,N.MD. Lei do Jovem Aprendiz: as séries metódicas e suas implicações na formação técnico-profissional do trabalhador. In: I Seminário Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, 1, Belo Horizonte- MG. Anais do I SENEPT. Belo Horizonte: CEFET, 2008. Disponível em http://www.senept.cefetmg.br/galerias/Arquivos_senept/anais/terca_tema6/TerxaTema6Artigo18.pdf. Acesso em 05 de janeiro de 2014.

CLEMENTINO, J.V. Aprendizagem Profissional: a lei que promove o trabalho descente para juventude e desenvolvimento econômico e social no Brasil. IPEA, Brasília, v.55, p.45 a 50, ago.2013.

CIAVATTA, M; FRIGOTTO, G. Pronunciamento da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação / Anped – GT Trabalho e Educação. Apresentado na Reunião da SEMTEC/MEC, Brasília, 18 de dezembro de 2003. Disponível em http://www.anped.org.br/ representacoesanped 2004.pdf.

CNI.Rumo ao crescimento: a visão industrial --- sumário executivo. Rio de Janeiro: CNI, 1994.

CUNHA, L. A. O ensino profissional na irradiação do industrialismo. 2. ed. São Paulo: UNESP; Brasília, DF: FLACSO, 2000.

FRIGOTTO, G. Educação e trabalho: bases para debater a educação emancipadora. Revista Perspectiva, Florianópolis, v.19, n.1, p.71-87, jan./jun, 2001.

FRIGOTTO, G; CIAVATTA, M. Educar o trabalhador cidadão produtivo ou ser humano emancipado? Trabalho, educação e saúde, Rio de Janeiro, v.1, p. 45-60, 2003.

MELO, A. A educação básica e formação profissional na visão dos empresários brasileiros. Educação e Sociedade, Campinas, v.30, n.108, p.893-914, out.2009. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v30n108/a1330108.pdf. Acesso em: 10 de outubro de 2013.

MINISTÉRIO DO TRABALHO. Portaria n◦ 723, de abril de 2012. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C816A36A27C140137709B066818B2/Portaria%20MTE%20n%C2%BA723,%20de%2023%20de%20abril%20de%202012.pdf.

OLIVEIRA, R. Empresariado industrial e a educação brasileira: qualificar para competir ? São Paulo: Cortez, 2005.

OLIVEIRA, R. Agências multinacionais e educação profissional brasileira. Campinas: Alínea, 2006.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). A OIT e desemprego de jovens. Disponível em: http://www.oitbrasil.org.br/prgatv/prg_esp/emp_form_jov.php. Acesso em: 16 jul. 2013.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Tendências Mundias de Emprego 2013. Disponível em: http://www.oit.org.br/content/desemprego-mundial-aumenta-novamente-mas-com-grandes-diferencas-regionais. Acesso em: 09 de out. de 2013.

PIETRO, M. S. Z. Direito Administrativo. 24 . ed. São Paulo: Atlas, 2011.

POCHAMANN, M. A batalha pelo primeiro emprego: a situação atual e as perspectivas do jovem no mercado de trabalho brasileiro. 1aed. São Paulo: Publischer, 2000.

ROCHA, E. A aprendizagem é vantajosa para a empresa. Depoimento. Disponível em: http://www.buscajovem.org.br/noticias/pesquisa-aponta-vantagens-para-empresas-que-contratam-aprendizes.

VIRIATO, J. P.V. O PLANFOR e a Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores: A Subalternidade Reiterada. 2001. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Downloads

Publicado

2015-10-03

Como Citar

SOUZA, J. P. de. Apontamentos históricos da educação profissional brasileira: a Lei de Aprendizagem n◦10.097/2000 e suas influências. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 63, p. 45–63, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i63.8641171. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641171. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos