A instalação dos centros esperimentais de formação de professores primários em Goiás

Autores

  • Fátima Pacheco de Santana Inacio UFG

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641173

Palavras-chave:

Formação de Professores. Tecnicismo. Desenvolvimento

Resumo

O presente artigo trata das articulações realizadas entre o Brasil e os Estados Unidos, após a Segunda Guerra Mundial, dentro dos Acordos MEC-USAID, voltadas para a formação de professores. Destacando os meandros desse acordo por meio das palavras do Professor Abgar Renault; da criação do Programa de Assistência Brasileiro-Americana ao Ensino Elementar (PABAEE), de seu funcionamento e posterior influência sobre os Centros de Formação de Professores Primários, criados em Goiás. A preocupação com a formação de professores é engendrada na ideologia do capital humano, forjada para dar sustentação ao modelo tecnicista de sistema educacional, o qual deveria ser efetivado pelos considerados países economicamente subdesenvolvidos, com a promessa do alcance de seu desenvolvimento, via escolarização das camadas populares. A intenção era criar um centro irradiador para a formação de uma nova sociedade brasileira, o que supõe um novo modelo de Homem e prescinde um novo modelo educacional, no caso, o modelo tecnicista. O que fundamentava o interesse norte-americano na educação brasileira, prioritariamente, era o aprofundamento das relações econômicas entre os dois países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Pacheco de Santana Inacio, UFG

Pedagoga, mestre e doutora em educação pela UNICAMP, na área de Filosofia e História da Educação. Professora da UFG - Campus Catalão, na área de História da Educação.

Referências

ALVES, Márcio Moreira. Beabá dos MEC-USAID. Rio de Janeiro: Edições Gernasa, 1968, 111 p.

ARAPIRACA, José Oliveira. A Usaid e a Educação Brasileira: um estudo a partir de uma abordagem crítica da teoria do capital humano. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989. 190 p.

BRETAS, Genesco Ferreira. História da Instrução Pública em Goiás. Goiânia: CegrafUFG, 1991. 649 p. (Coleção Documentos Goianos, no 21)

BOURDIEU, Pierre. Escritos da Educação. 10a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. 251 p

CANEZIN, Maria Teresa; LOUREIRO, Walderês Nunes. A Escola Normal nos Parâmetros Educacionais da República Oligárquica em Goiás. In: Inter-Ação; R. Fac. Educ. UFG, 11 (1-2), Jan/Dez.1987. 24 p.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Educação no Brasil anos 60: o pacto do silêncio. São Paulo: Loyola, 1985. 126 p.

PAIVA, Edil Vasconcellos de; PAIXÃO, Lea Pinheiro. A americanização do ensino elementar no Brasil? Niterói: EdUFF, 2002. 192 p.

SAVIANI, Dermeval. História das idéias pedagógicas no Brasil. São Paulo: Autores Associados, 2007. 448 p.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O Trabalho Docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 4. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. 317 p.

TAVARES, José Nilo. Educação e imperialismo no Brasil. In: Educação & Sociedade, n. 7, p. 5-52, 1980.

Downloads

Publicado

2015-10-03

Como Citar

INACIO, F. P. de S. A instalação dos centros esperimentais de formação de professores primários em Goiás. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 63, p. 89–108, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i63.8641173. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641173. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos