Banner Portal
Sobre o conceito de arte e a formação escolar na Educação de Jovens e Adultos
PDF

Palavras-chave

Ensino de Arte. Educação de Jovens e Adultos. Concepções sobre a Arte. Formação Escolar

Como Citar

ARAUJO, G. C.; OLIVEIRA, A. A. Sobre o conceito de arte e a formação escolar na Educação de Jovens e Adultos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 63, p. 189–209, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i63.8641178. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641178. Acesso em: 20 mar. 2023.

Resumo

O artigo tem por objetivo entender a formação escolar do estudante da Educação de Jovens e Adultos e compreender como são construídas suas concepções sobre a arte nessa modalidade educacional. Para tanto, discutimos aspectos históricos do surgimento da EJA no Brasil e em Mato Grosso, na intenção de contextualizar sócio e historicamente este estudo, além de reflexões sobre as relações entre arte, sociedade e trabalho, a qual é entendida como conhecimento humano, objeto estético e artístico, fruto do processo histórico e social da humanidade. É evidente nas falas dos alunos da EJA que a maioria deixou a escola devido à necessidade de trabalhar, ocasionando a evasão escolar, que é um grave problema para a educação brasileira. Além disso, os conteúdos de Arte na Educação de Jovens e Adultos devem contribuir para a preparação e maior inserção desses alunos no mercado de trabalho e, também, como participantes críticos e ativos na sociedade, ao compreenderem que o conhecimento é construído socialmente durante a aprendizagem em arte e no contato constante com as manifestações artísticas, tendo no professor e na escola, importantes mediadores nesse processo.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641178
PDF

Referências

ALVARES, S. C. Educação Estética na EJA: a beleza de ensinar e aprender com jovens e adultos. São Paulo: Cortez, 2012.

ALVES, L. M. Nas trilhas do ensino: educação em Mato Grosso 1910 - 1946. Cuiabá: EdUFMT, 1998.

BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte: anos 1980 e novos tempos. 8.ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 5.ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BRASIL. MEC. Parecer CNE/CEB n.o 11 de maio de 2000. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.

COUTINHO, R. G. Estratégias de mediação e a abordagem triangular. In: BARBOSA, Ana Mae (Org.). Arte/educação contemporânea: consonâncias internacionais. 3.ed. São Paulo: Cortez, p.171-185, 2009.

DALMASO, E. M. Ensino da Arte sob a ótica de professoras e alunos do ensino médio. 171f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2011.

DI PIERRO, M. C. A Educação de Jovens e Adultos no Plano Nacional de Educação: avaliação, desafios e perspectivas. Educ. Soc., Campinas, v.31, n.112, p.939-959, jul./set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v31n112/15.pdf. Acesso em 13 fev. 2014.

FERRAZ, M. H.; FUSARI, M. F. Arte na educação escolar. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

FREIRE, P. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

HADDAD, S. A ação de governos locais na educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.35, p.197-211, maio/ago. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n35/a02v1235.pdf. Acesso em 15 fev. 2014.

MACHADO, M. M. A educação de jovens e adultos no Brasil pós-Lei no 9.394/96: a possibilidade de constituir-se como política pública. Em Aberto, Brasília: INEP. v.22, n.82, p.17-39, 2009. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/1576/1268. Acesso em 16 fev. 2014.

MACHADO, M. M. A atualidade do pensamento de Paulo Freire e as políticas de educação de jovens e adultos. Revista REVEJA, v.1, n.1, dez. p.20-33, 2007.

MATO GROSSO. Orientações Curriculares: Concepções para a Educação Básica. Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso. Cuiabá: Defanti, 2010a.

MATO GROSSO. Orientações Curriculares: área de linguagens: educação básica. Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso. Cuiabá: Defanti, 2010b.

MARX, K.; ENGELS, F. Sobre literatura e arte. 4.ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1974.

PAIVA, V. História da educação popular no Brasil: educação popular e educação de adultos. 6.ed. São Paulo: Loyola, 2003.

PEIXOTO, M. I. Arte e grande público: a distância a ser extinta. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

PEDROSA, M. Política das artes. São Paulo: Editora USP, 1995.

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Fórum Estadual de Educação (2006-2016). Cuiabá: Secretaria Estadual de Educação de Mato Grosso/SEDUC/Assembleia Legislativa/SINTEP/UNDIME/AME. 2006.

READ, H. O sentido da arte. 6.ed. São Paulo: Ibrasa: Instituição Brasileira de Difusão Cultural, 1987.

RESOLUÇÃO NORMATIVA CEE/MT n.o 005/2011. Fixa as normas para a oferta da educação básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos no Estado de Mato Grosso. Cuiabá: Conselho Estadual de Educação-CEE/Secretaria Estadual de Educação-SEDUC, 2011.

REZENDE, M. A. Os saberes dos professores da Educação de Jovens e Adultos: o percurso de uma professora. Dourados, MS: Editora da UFGD, 2008.

SÁ, E. F; SOUSA, E. J. A escolarização de jovens e adultos em Mato Grosso (1872-1927). Educação e Fronteiras On-Line, v.2, n.4, jan./abr. p.97-109, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/1560/pdf_113. Acesso em 16 fev. 2014.

SOUZA, A. P. Alfabetização de jovens e adultos em Mato Grosso: uma leitura das campanhas oficiais de 1947. 162f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2007.

VÁSQUEZ, A. S. As ideias estéticas de Marx. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 3.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.