História, educação ambiental e políticas: uma retrospectiva da realidade brasileira e uma abordagem sobre os seus desafios

Autores

  • Ivonaldo Leite Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641186

Palavras-chave:

Educação ambiental. História. Políticas. Desenvolvimento sustentável

Resumo

O presente artigo resulta de uma pesquisa recentemente concluída e tem como objetivo geral realizar uma abordagem das políticas brasileiras de educação ambiental, enfocando-as numa retrospectiva histórica. Do ponto de vista metodológico, tem um duplo suporte: um de natureza lógico-analítica, partindo do pressuposto que o sentido da história, em dado contexto, condiciona o sentido da educação; e outro de caráter empírico, na medida em que o trabalho é construído a partir da incursão em fontes primárias, quais sejam, os documentos das políticas educacionais. Dentre os resultados obtidos, podem ser referidos, entre outros, os seguintes: 1) as políticas brasileiras voltadas ao meio ambiente buscaram superar a percepção meramente naturalista do mesmo; 2) as iniciativas governamentais no país em torno da educação ambiental têm sido historicamente condicionadas por orientações externas, de organizações internacionais como a UNESCO; 3) da segunda metade da década de 1990 aos dias atuais, no básico, há uma espécie de continuidade das políticas de educação ambiental, apesar de comando partidário ocorrida no país em 2002; 4) nos anos 2000, as ações governamentais em função do meio ambiente e da educação ambiental foram marcadas por um grau de ambivalência decorrente, este, em parte, da perspectiva econômica do chamado neodesenvolvimentismo. Conclusivamente, é assinalado, por exemplo, que, em decorrência das particularidades que têm marcado o debate sobre meio ambiente e as políticas de educação ambiental no Brasil, a noção de desenvolvimento sustentável tem se constituído numa expressão vazia, genérica, repetida por diferentes segmentos, mas sem clarificação consistente do que significa em termos de conteúdo, e assim assume uma dimensão propensa à manipulação político-ideológica. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivonaldo Leite, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Educação/Centro de Ciências Aplicadas e Educação - Universidade Federal da Paraíba.

Referências

BRASIL (2004). Programa Nacional de Educação Ambiental (PRONEA). Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/pronea_3.pdf. Acesso em: 25 de maio de 2015.

BARSIL (2002). Decreto no 4.281/2002 – Regulamenta a Lei no 9.759 e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4281.htm. Acesso em: 26 de maio de 2015.

BRASIL (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais – Meio Ambiente e Saúde, vol. 09. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro091.pdf. Acesso em: 23 de maio de 2015.

BRASIL (1999). Lei no 9.795/99 – Dispõe a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 26 de maio de 2015.

BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 26 de maio de 2015.

BRASIL (1981). Lei no 9.398/81 - Dispõe sobre a Política Nacional de Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm . Acesso em: 26 de maio de 2015.

DUARTE, Newton (2004). Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria Vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados.

SAMPAIO JR., Plínio de A. (2012). Desenvolvimento e neodesenvolvimento: tragédia e farsa, in Serviço Social & Sociedade, São Paulo, no 112, p. 672-678, out./dez. 2012.

SAVIANI, Demerval (1998). O debate teórico e metodológico no campo da história e sua importância para a pesquisa educacional, in: SAVIANI, Demerval; LOMBARDI, José C.; SANFELICE, José L. (Orgs.). História e educação: o debate teórico-metodológico atual. Campinas-SP: Autores Associados.

SOUZA NETO, João Clemente de; SILVA, Roberto da; MOURA, Rogério Adolfo (Orgs.). Pedagogia social. São Paulo: Expressão e Arte, 2009.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de C. (2007). Contribuições para uma pedagogia crítica da Educação Ambiental: reflexões teóricas, in: LOUREIRO, Carlos Frederico B. (Org.). A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: QUARTET, p. 177-219.

UNESCO (1985). Interdisciplinary approaches in environmental education. Paris: UNESCO/Division Science, Technical and Environmental Education.

VIANNA, Lucila P (2002). Formação em meio ambiente para o ensino formal: uma proposta de formação continuada em serviço para as séries finais do ensino fundamental, in MARFAN, Marilda A. (Org.). Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação: Formação de professores. Vol II. Brasília: MEC, SEEF.

Downloads

Publicado

2015-10-08

Como Citar

LEITE, I. História, educação ambiental e políticas: uma retrospectiva da realidade brasileira e uma abordagem sobre os seus desafios. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 63, p. 306–319, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i63.8641186. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641186. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos