O corpo em fronteiras: perfomances excludentes no universo escolar – uma narrativa etnográfica

Autores

  • Marcio Rodrigo Vale Caetano Universidade Federal do Rio Grande
  • Paula Almeida de Castro Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641187

Palavras-chave:

Performance. Exclusão. Estigma. Etnografia

Resumo

As performances excludentes são apresentadas, neste artigo, através da narrativa etnográfica deslocando o não-lugar do corpo na fronteira interativa do universo escolar. Esta interação apresenta-se nas aulas de História com a aluna Tereza e seus processos de aprendizagem marcados pela estigmatização latente daqueles que permanecem nos espaços educativos sem que dele prescindam suas regras. A narrativa nos conduz por um ano letivo e por possibilidades avaliativas na perspectiva de uma Educação que se pretende inclusiva na sua função formadora de alunos e professores em exercício de sua prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Rodrigo Vale Caetano, Universidade Federal do Rio Grande

Líder do Nós do Sul: Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Currículo, graduado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), com mestrado e doutorado em educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Como parte dos estudos de pós-graduação, realizou estágio no Programa de Estudios Feministas do Centro de Investigaciones Interdisciplinarias en Ciencias y Humanidades da Universidad Nacional Autónoma de México (CEIICH- UNAM). Paralelo ao magistério, atuou em organizações de direitos humanos LGBT coordenando projetos de pesquisas e de formação continuada com docentes, profissionais da saúde, gestores/as públicos/as e ativistas dos movimentos sociais LGBT e Aids. Professor de Políticas Públicas da Educação no Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, orienta investigações desenvolvidas nos Programas de Pós-graduação em Educação e em História. Dentre os temas de interesse e de pesquisa estão: 1. gênero, sexualidade e educação; 2. políticas públicas de promoção à cidadania; 3. desigualdades e marcadores sociais de diferenças 4. teorias feministas e queer; 5. educação e currículo e 6. população Lésbica, Gay, Bissexual, Travesti e Transexual. Entre 2013 e 2014, ocupou a secretaria executiva da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura ABEH- e a suplência no Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de LGBT da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Paula Almeida de Castro, Universidade Estadual da Paraíba

Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2003). Mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006). Doutorado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2011). Professora Doutora de Formação de Professores da Educação Básica da Universidade Estadual da Paraíba Centro de Educação. Orientadora de Mestrado no Programa de Pós Graduação em Formação de Professores. Coordenadora Institucional do PIBID/UEPB. Líder do Grupo de Pesquisa Observatório de Pesquisas e Estudos Multidisciplinares (OPEM) e Pesquisadora associada do Núcleo de Etnografia em Educação (NETEDU/ UERJ). Estudos desenvolvidos na área de Psicologia e Educação utilizando a pesquisa etnográfica com ênfase nos processos de tornar-se aluno, formação de professores, identidade, pertencimento, resiliência.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. 5.ed. Trad. Aurora Fornoni Bernardini et al. São Paulo: UNESP/HUCITEC, 2002.

BONDÍA LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. http://www.anped.org.br/rbe/rbedigital/RBDE19/RBDE19_04_JORGE_LARROSA_BONDIA.pdf, acessado em 01 de dezembro de 2010.

BRITZMAN, D. O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação e realidade, Porto Alegre, v.21, n.1, p.71-96, jan./jun. 1996.

CASTEL, R. As transformações da questão social. In: BÓGUS, M.C.; YAZBEK, M. Belfiore-Wanderley, (Org.) Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC, 2007.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis - RJ: Vozes, 1994.

COSTA, L. S. M. da. Abuso no curso médico e bem-estar subjetivo. 2003. Tese (Curso de doutorado em psicologia social). Universidade Federal do Rio de Janeiro.

DUBET. F. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor – entrevista com François Dubet. Revista Brasileira de Educação. Set/Out/Nov/Dez 1997 no 6, p. 222-231, 1997.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GOFFMAN, E. Estigma e identidade social In. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1975.

RANGEL, M. “Bom aluno: real ou ideal? 1995. Tese (concurso para Professora Titular da área de ensino-aprendizagem). Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

RYFF, C. D. Happiness is everything or is it? Exploration on the meaning of psychosocial well being. Journal of Personality and Social Psychology. v.57, n.6, p.1069-1081, 1989.

SENNA, L. A. G. (org.). Letramento: princípios e processos. Curitiba: Ibpex, 2007.

VELHO, G. Desvio e divergência: uma crítica da patologia social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 1989.

Downloads

Publicado

2015-10-03

Como Citar

CAETANO, M. R. V.; CASTRO, P. A. de. O corpo em fronteiras: perfomances excludentes no universo escolar – uma narrativa etnográfica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 63, p. 320–329, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i63.8641187. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641187. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos