(Des)humanização e sociedade capitalista: paradoxos de trabalho, arte e educação

Autores

  • Carla Irene Roggenkamp Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Maria José Dozza Subtil Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i64.8641944

Palavras-chave:

Trabalho. Arte. Educação. Capitalismo

Resumo

O presente artigo tem por objeto o homem humanizado e o desenvolvimento de sua sociabilidade através do trabalho criativo e da expressão artística mediados pela educação. Estes elementos se encontram, na sociedade capitalista, estabelecida sobre um sistema baseado na divisão hierárquica do trabalho, em contradição. O trabalho criativo, a arte original e a educação libertadora se encontram entrelaçadas com aspectos alienantes, estandardizados e opressores, frequentemente desumanizadores. A sociedade de classes, regida pela lógica do mercado, apresenta-se como hostil à criação, seja ela no contexto do trabalho ou no da arte. Dão suporte à esta discussão autores fundamentados no Materialismo Histórico e Dialético como Ostrower (1987), Vásquez (1987) e Fischer (2002), além de trabalho de Marx (2006, 2008) e Mészáros (2002).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Irene Roggenkamp, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Mestre em Educação (UEPG) e Licenciada em Música (UFPR), integra o quadro de professores do Departamento de Artes da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Maria José Dozza Subtil, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Mestrado em Educação  (UEPG) e doutorado em Engenharia de Produção – Mídia e conhecimento (UFSC). Pesquisadora Sênior e professora do Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Arte e Comunicação – GEPEAC.

Bolsista Pesquisador sênior Fundação Araucária.

e-mails  mjsubtil@hotmail.com   mjsubtil@gmail.com

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. A indústria cultura: o iluminismo como mistificação das massas. In. Lima, L. C. Teoria da cultura de massa. 3a ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1982.

CALLADO, A. Introdução. In FISCHER, E. A necessidade da arte. 9a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

CANCLINI, N. G. A socialização da arte: teoria e prática na América Latina. São Paulo: Editora Cultrix, 1984.

DUROZÓI, G. Dicionário de Filosofia. Campinas, SP: Papirus, 1993.

FISCHER, E. A necessidade da arte. 9a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2a. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2006.

MARX, K. O capital. Rio de Janeiro: LTC, 1982.

MARX, K.; ENGELS, F. O Manifesto Comunista. Rocket Edition, 1999. Disponível em www.jahr.org

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. Trad. Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2002.

OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 1987.

PEIXOTO, M. I. H. Arte e grande público: a distância a ser extinta. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

REALE, G. História da Filosofia: do romantismo ao empiriocriticismo. São Paulo: Paulus, 2005.

VÁZQUEZ, A. S. As ideias estéticas de Marx. Trad. Carlos Nelson Coutinho. 2a. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

Downloads

Publicado

2015-11-23

Como Citar

ROGGENKAMP, C. I.; SUBTIL, M. J. D. (Des)humanização e sociedade capitalista: paradoxos de trabalho, arte e educação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 64, p. 331–342, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i64.8641944. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641944. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos