Banner Portal
Oportunidades de qualificação profissional fatiadas: as políticas focais e a formação dos trabalhadores
PDF

Palavras-chave

Expansão da educação profissional. Políticas Focais. Trabalho e Educação

Como Citar

HORA, Lícia Cristina Araújo da. Oportunidades de qualificação profissional fatiadas: as políticas focais e a formação dos trabalhadores. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 65, p. 73–91, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i65.8642697. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642697. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

O artigo analisa a expansão da escola pública, em especial o caso da rede do Instituto Federal do Maranhão. Assim, propõe-se compreender, por meio da análise dos diversos programas de qualificação profissional e de elevação de escolaridade que foram direcionados para formação da classe trabalhadora, o caráter democrático e inclusivo da atual multiplicidade de ofertas formativas que compõem a política educacional dos Institutos Federais. Demonstram-se como as estratégias de inclusão social instituem trajetórias subordinadas de qualificação profissional por meio da diversificação de ofertas educacionais que criam a fantasia do discurso de acesso democrático à escola, intensificando no âmbito destes espaços desigualdade no acesso efetivo e democrático ao conhecimento. Destaca-se ainda como a diversidade de ofertas produz uma formação em fatias, característica de uma concepção de política pública que direciona ações focalizadas às comunidades definidas no discurso oficial como: carentes, pobres, marginalizadas, vulneráveis e de baixa renda. É exposto ainda como a distribuição desigual do conhecimento é organizada como estratégia de formação e de controle da classe trabalhadora.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642697
PDF

Referências

ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

ALVES, Gilberto Luis. A produção da escola pública contemporânea. Campinas: Autores Associados, 2006.

ALGEBAILE, Eveline Bertino. Escola Pública e Pobreza: expansão escolar e formação escolar para pobres no Brasil. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, 2004.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

BRASIL. Decreto n.o 6.095/2007. Cria a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, e dá outras providências. Diário Oficial da União de 30/12/2008. Brasília, 2008.

BRASIL. Lei n.o 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, e dá outras providências. Diário Oficial da União de 30/12/2008. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Expansão da Educação Profissional. Brasília, SETEC, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/expansao_plano.pdf . Acesso em: 24 de Jul. 2011.

BRASIL.Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento dos Arranjos Produtivos Locais. Versão para discussão nos GT Interministerial. Versão Final, 16 de abril de 2004. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_1289322946.pdf. Acesso em: 17 fevereiro: 2013.

BRANDÃO, Marise. O governo Lula e a chamada educação profissional tecnológica. Revista RETTA. Revista RETTA. Dossiê: Reforma do Ensino Técnico e Tecnológico no Brasil. Rio de Janeiro. v. 1. no. 1, jan. jun. ano 2010.

BRANDÃO, Marise. Da arte do ofício à ciência da indústria: A conformação do capitalismo industrial no Brasil vista através da educação profissional. Vol. 25 - Número 3 - Setembro/Dezembro 1999 Disponível em: http://www.senac.br/BTS/253/boltec253b.htm. Acesso em: 10 de setembro de 2012.

BRYAN, Newton Antonio Paciulli. Educação, trabalho e tecnologia em Marx. Revista Educação & Tecnologia n. 1, ano 2011. Disponível em: http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/revedutec-ct/article/view/1010. Acesso em: 03 nov. 2012.

CUNHA, Luis Antônio. O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: Unesp, Brasília: Flacso, 2005a.

ERBER, Stefano Fabio. Eficiência coletiva em arranjos produtivos locais industriais: comentando o conceito. Nova Economia, v. 18, n.1, p 11-32, Belo Horizonte, jan.abr. de 2008. Disponível em: http://www.simi.org.br/biblioteca/exibir/4699. Acesso 17 de fevereiro de 2013.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. São Paulo, Ed. Global, 2008.

FRANCO, Maria Ciavatta. Fábula da nova República: Criação de duzentas escolas técnicas. In.: Caderno CEDES. O Ensino de 2o grau: Trabalho e educação em debate. Ed. Cortez, São Paulo: 1988 n.o 20, p. 36-47.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica In: Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial p. 1129-1152, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 17 de abril de 2014.

FILGUEIRAS, Luiz et al. Modelo liberal-periférico e bloco de poder: política e dinâmica macroeconômica nos governos Lula In: Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. Rio de Janeiro, Editora Garamond, 2010.

FONSECA, Marília. O Banco Mundial e a justiça social no terceiro mundo. 19a ANPED, 1996.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo: Teoria e história. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2012.

GENTILI, Pablo. Educar para o desemprego: A desintegração da promessa integradora In: FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Educação e Crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis, RJ. Ed. Vozes, 1998.

GERMANO, José Willington. Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez, 1993.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 9a ed. Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1995.

HORA, Lícia Cristina Araújo da. A formação dos trabalhadores na rota dos trilhos: o PROEJA nos municípios de Açailândia e Buriticupu. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.

HORA, Lícia Cristina Araújo da. A formação de jovens e adultos trabalhadores sob controle dos empresários: o caso do Proeja no maranhão. Eja em Debate, Florianópolis, v. 3, n. 4, p. 129-147, jul. 2014.

KUENZER, Acácia Zeneida. A reforma do ensino técnico no Brasil e suas consequências. In: FERRETTI, Celso; SILVA JÚNIOR, João dos Reis & OLIVEIRA, Maria Rita (orgs.). Trabalho, formação e currículo: Para onde vai a escola? São Paulo: Xamã, 1999. pp. 121-140.

LEHER, Roberto. Um novo senhor da educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Revista Outubro. no 3, 1999.

LIMA, Marcelo. Problemas da Educação Profissional do governo Dilma: PRONATEC, PNE e DCEMs In: RBPAE - v. 28, n. 2, p. 495-513 mai/ago. 2012 Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/37418/24159. Acesso: 02 de setembro de 2014.

MANCEBO, Dayse. Subjetividade Docente. Trabalho Docente na Educação Básica - Dicionário Verbetes. Disponível em: http://trabalhodocente.net.br/index.php?pg=dicionario-verbetes. Acesso: 07 dez. 2013.

MARX, Karl. O capital: crítica a economia política: livro I. Tradução Reginaldo Sant`Anna. 30. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MANACORDA, M. A. O Principio educativo em Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

MORAIS, Marli Alcântara Ferreira. O tempo dos trabalhadores nos trilhos do capital: o processo de aceleração temporal na Companhia Vale do Rio Doce. Tese (Doutorado em Políticas Públicas), Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Universidade Federal do Maranhão, 2007.

NETTO, José Paulo. Uma face contemporânea da barbárie In.: Anais II Encontro Internacional “Civilização ou Barbárie” , Serpa, 30-31 de outubro/1o de novembro de 2010.

NETTO, José Paulo, BRAZ, Marcelo. 7. ed. Economia Política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2011.

NEVES, Lúcia Maria W. Brasil 2000: A nova divisão de trabalho na Educação. 2a ed. São Paulo, ed. Xamã, 2000.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

PACHECO, Eliezer. Os Institutos Federais: Uma revolução na Educação Profissional e Tecnológica. Natal, Ed. IFRN, 2010.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI 2009 – 2013. Maranhão, jun. 2009.

RELATÓRIO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS SIDERÚRGICAS NA CADEIA PRODUTIVA DO FERRO-GUSA NA REGIÃO DE CARAJÁS: OS PRODUTORES DE CARVÃO VEGETAL INSTITUTO OBSERVATÓRIO SOCIAL. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://www.carvaocidadao.org.br/media/uploads_media/Responsabiliadade_Social_das_Empresas_Siderrgicas.pdf. Acesso em: 05 ago. 2012.

RELATOS DO ENCONTRO REGIONAL DOS ATINGIDOS PELA VALE (PA, MA, TO). 13 e 14 de junho de 2011. Disponível em: http://www.observatorio.ufma.br/noticias/mostra_noticias.php?id=5609. Acesso em: 10 jan. 2013.

RODRIGUES, José dos Santos. O moderno príncipe industrial: O pensamento moderno da Confederação Nacional da Indústria. Tese Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 1997.

ROSAR, Maria de Fátima Félix, CABRAL, Maria Regina Martins (org.). Ensino Médio e Educação Profissional no Maranhão: delineando o perfil e ressignificando os cursos com a participação dos jovens. São Luís, ed. Central dos Livros, 2004.

RUMMERT, Sonia Maria. Notas sobre o pensamento de Antonio Gramsci – Contribuições à reflexão acerca da temática educacional. Revista de Ciências da Educação - Sísifo. jan./abr. 04 (p. 11-52). Universidade de Lisboa, 2007.

RUMMERT, Sonia Maria. Educação de jovens e adultos trabalhadores no Brasil atual: do simulacro à emancipação In: Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 175-208, 2008. Disponível em: http//www.perspectiva.ufsc.br. Acesso em: 25 de agosto de 2010.

RUMMERT, Sonia; ALGEBAILE, Eveline; VENTURA, Jaqueline. Educação e formação humana no cenário de integração subalterna no capital-imperialismo In: SILVA, Mariléia Maria da; EVANGELISTA, Olinda; QUARTIERO, Elisa Maria. (Org.). Jovens, Trabalho e Educação: A conexão subordinada de formação para o capital. 1a Ed. Campinas: Mercado das Letras, 2012, v. 1, p. 15-70.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.