Oportunidades de qualificação profissional fatiadas: as políticas focais e a formação dos trabalhadores

Autores

  • Lícia Cristina Araújo da Hora IFMA

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i65.8642697

Palavras-chave:

Expansão da educação profissional. Políticas Focais. Trabalho e Educação

Resumo

O artigo analisa a expansão da escola pública, em especial o caso da rede do Instituto Federal do Maranhão. Assim, propõe-se compreender, por meio da análise dos diversos programas de qualificação profissional e de elevação de escolaridade que foram direcionados para formação da classe trabalhadora, o caráter democrático e inclusivo da atual multiplicidade de ofertas formativas que compõem a política educacional dos Institutos Federais. Demonstram-se como as estratégias de inclusão social instituem trajetórias subordinadas de qualificação profissional por meio da diversificação de ofertas educacionais que criam a fantasia do discurso de acesso democrático à escola, intensificando no âmbito destes espaços desigualdade no acesso efetivo e democrático ao conhecimento. Destaca-se ainda como a diversidade de ofertas produz uma formação em fatias, característica de uma concepção de política pública que direciona ações focalizadas às comunidades definidas no discurso oficial como: carentes, pobres, marginalizadas, vulneráveis e de baixa renda. É exposto ainda como a distribuição desigual do conhecimento é organizada como estratégia de formação e de controle da classe trabalhadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lícia Cristina Araújo da Hora, IFMA

Mestre em Educação pela UFF, Professora de Educação do IFMA, pesquisadora do HISTEDBR GT MA e do Grupo EJA Trabalhadores da UFF.

Referências

ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

ALVES, Gilberto Luis. A produção da escola pública contemporânea. Campinas: Autores Associados, 2006.

ALGEBAILE, Eveline Bertino. Escola Pública e Pobreza: expansão escolar e formação escolar para pobres no Brasil. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, 2004.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

BRASIL. Decreto n.o 6.095/2007. Cria a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, e dá outras providências. Diário Oficial da União de 30/12/2008. Brasília, 2008.

BRASIL. Lei n.o 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, e dá outras providências. Diário Oficial da União de 30/12/2008. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Expansão da Educação Profissional. Brasília, SETEC, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/expansao_plano.pdf . Acesso em: 24 de Jul. 2011.

BRASIL.Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento dos Arranjos Produtivos Locais. Versão para discussão nos GT Interministerial. Versão Final, 16 de abril de 2004. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_1289322946.pdf. Acesso em: 17 fevereiro: 2013.

BRANDÃO, Marise. O governo Lula e a chamada educação profissional tecnológica. Revista RETTA. Revista RETTA. Dossiê: Reforma do Ensino Técnico e Tecnológico no Brasil. Rio de Janeiro. v. 1. no. 1, jan. jun. ano 2010.

BRANDÃO, Marise. Da arte do ofício à ciência da indústria: A conformação do capitalismo industrial no Brasil vista através da educação profissional. Vol. 25 - Número 3 - Setembro/Dezembro 1999 Disponível em: http://www.senac.br/BTS/253/boltec253b.htm. Acesso em: 10 de setembro de 2012.

BRYAN, Newton Antonio Paciulli. Educação, trabalho e tecnologia em Marx. Revista Educação & Tecnologia n. 1, ano 2011. Disponível em: http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/revedutec-ct/article/view/1010. Acesso em: 03 nov. 2012.

CUNHA, Luis Antônio. O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: Unesp, Brasília: Flacso, 2005a.

ERBER, Stefano Fabio. Eficiência coletiva em arranjos produtivos locais industriais: comentando o conceito. Nova Economia, v. 18, n.1, p 11-32, Belo Horizonte, jan.abr. de 2008. Disponível em: http://www.simi.org.br/biblioteca/exibir/4699. Acesso 17 de fevereiro de 2013.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. São Paulo, Ed. Global, 2008.

FRANCO, Maria Ciavatta. Fábula da nova República: Criação de duzentas escolas técnicas. In.: Caderno CEDES. O Ensino de 2o grau: Trabalho e educação em debate. Ed. Cortez, São Paulo: 1988 n.o 20, p. 36-47.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica In: Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial p. 1129-1152, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 17 de abril de 2014.

FILGUEIRAS, Luiz et al. Modelo liberal-periférico e bloco de poder: política e dinâmica macroeconômica nos governos Lula In: Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. Rio de Janeiro, Editora Garamond, 2010.

FONSECA, Marília. O Banco Mundial e a justiça social no terceiro mundo. 19a ANPED, 1996.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo: Teoria e história. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2012.

GENTILI, Pablo. Educar para o desemprego: A desintegração da promessa integradora In: FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Educação e Crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis, RJ. Ed. Vozes, 1998.

GERMANO, José Willington. Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez, 1993.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 9a ed. Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1995.

HORA, Lícia Cristina Araújo da. A formação dos trabalhadores na rota dos trilhos: o PROEJA nos municípios de Açailândia e Buriticupu. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.

HORA, Lícia Cristina Araújo da. A formação de jovens e adultos trabalhadores sob controle dos empresários: o caso do Proeja no maranhão. Eja em Debate, Florianópolis, v. 3, n. 4, p. 129-147, jul. 2014.

KUENZER, Acácia Zeneida. A reforma do ensino técnico no Brasil e suas consequências. In: FERRETTI, Celso; SILVA JÚNIOR, João dos Reis & OLIVEIRA, Maria Rita (orgs.). Trabalho, formação e currículo: Para onde vai a escola? São Paulo: Xamã, 1999. pp. 121-140.

LEHER, Roberto. Um novo senhor da educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Revista Outubro. no 3, 1999.

LIMA, Marcelo. Problemas da Educação Profissional do governo Dilma: PRONATEC, PNE e DCEMs In: RBPAE - v. 28, n. 2, p. 495-513 mai/ago. 2012 Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/37418/24159. Acesso: 02 de setembro de 2014.

MANCEBO, Dayse. Subjetividade Docente. Trabalho Docente na Educação Básica - Dicionário Verbetes. Disponível em: http://trabalhodocente.net.br/index.php?pg=dicionario-verbetes. Acesso: 07 dez. 2013.

MARX, Karl. O capital: crítica a economia política: livro I. Tradução Reginaldo Sant`Anna. 30. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MANACORDA, M. A. O Principio educativo em Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

MORAIS, Marli Alcântara Ferreira. O tempo dos trabalhadores nos trilhos do capital: o processo de aceleração temporal na Companhia Vale do Rio Doce. Tese (Doutorado em Políticas Públicas), Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Universidade Federal do Maranhão, 2007.

NETTO, José Paulo. Uma face contemporânea da barbárie In.: Anais II Encontro Internacional “Civilização ou Barbárie” , Serpa, 30-31 de outubro/1o de novembro de 2010.

NETTO, José Paulo, BRAZ, Marcelo. 7. ed. Economia Política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2011.

NEVES, Lúcia Maria W. Brasil 2000: A nova divisão de trabalho na Educação. 2a ed. São Paulo, ed. Xamã, 2000.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

PACHECO, Eliezer. Os Institutos Federais: Uma revolução na Educação Profissional e Tecnológica. Natal, Ed. IFRN, 2010.

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI 2009 – 2013. Maranhão, jun. 2009.

RELATÓRIO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS SIDERÚRGICAS NA CADEIA PRODUTIVA DO FERRO-GUSA NA REGIÃO DE CARAJÁS: OS PRODUTORES DE CARVÃO VEGETAL INSTITUTO OBSERVATÓRIO SOCIAL. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://www.carvaocidadao.org.br/media/uploads_media/Responsabiliadade_Social_das_Empresas_Siderrgicas.pdf. Acesso em: 05 ago. 2012.

RELATOS DO ENCONTRO REGIONAL DOS ATINGIDOS PELA VALE (PA, MA, TO). 13 e 14 de junho de 2011. Disponível em: http://www.observatorio.ufma.br/noticias/mostra_noticias.php?id=5609. Acesso em: 10 jan. 2013.

RODRIGUES, José dos Santos. O moderno príncipe industrial: O pensamento moderno da Confederação Nacional da Indústria. Tese Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 1997.

ROSAR, Maria de Fátima Félix, CABRAL, Maria Regina Martins (org.). Ensino Médio e Educação Profissional no Maranhão: delineando o perfil e ressignificando os cursos com a participação dos jovens. São Luís, ed. Central dos Livros, 2004.

RUMMERT, Sonia Maria. Notas sobre o pensamento de Antonio Gramsci – Contribuições à reflexão acerca da temática educacional. Revista de Ciências da Educação - Sísifo. jan./abr. 04 (p. 11-52). Universidade de Lisboa, 2007.

RUMMERT, Sonia Maria. Educação de jovens e adultos trabalhadores no Brasil atual: do simulacro à emancipação In: Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 175-208, 2008. Disponível em: http//www.perspectiva.ufsc.br. Acesso em: 25 de agosto de 2010.

RUMMERT, Sonia; ALGEBAILE, Eveline; VENTURA, Jaqueline. Educação e formação humana no cenário de integração subalterna no capital-imperialismo In: SILVA, Mariléia Maria da; EVANGELISTA, Olinda; QUARTIERO, Elisa Maria. (Org.). Jovens, Trabalho e Educação: A conexão subordinada de formação para o capital. 1a Ed. Campinas: Mercado das Letras, 2012, v. 1, p. 15-70.

Downloads

Publicado

2015-12-14

Como Citar

HORA, L. C. A. da. Oportunidades de qualificação profissional fatiadas: as políticas focais e a formação dos trabalhadores. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 65, p. 73–91, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i65.8642697. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642697. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos