Banner Portal
Do método de ensino individual ao método “phonomimico” nas escolas primárias (Pernambuco, século XIX)
PDF

Palavras-chave

Educação oitocentista. Métodos de Ensino. Escolas Primárias pernambucanas

Como Citar

SILVA, Julianna Souza Lacerda; ARANTES, Adlene Silva. Do método de ensino individual ao método “phonomimico” nas escolas primárias (Pernambuco, século XIX). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 66, p. 15–31, 2016. DOI: 10.20396/rho.v15i66.8643699. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643699. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

Neste texto, buscamos compreender o papel ocupado pelos métodos de ensino nas escolas primárias pernambucanas do século XIX. Baseamos-nos teórica e metodologicamente nos pressupostos da Nova História Cultural, da história do livro e da História da leitura no Brasil. Utilizamos como fontes de pesquisa os protocolos dos livros escolares utilizados nas escolas no período estudado e documentos da Instrução Pública. Sabemos que o século XIX é palco de muitas mudanças no campo educacional e que um dos principais focos de tais mudanças diz respeito à preocupação com a forma de ensinar. Constatamos que cada livro trazia seu método próprio de ensinar, por isso, vários métodos de ensino circulavam nas escolas no mesmo período.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i66.8643699
PDF

Referências

BASTOS, Maria Helena Camara. O ensino monitorial/mutuo no Brasil (1827-1854). In: STEPHAOU, Maia, BASTOS, Maria Helena Camara (orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Vol II, Século XIX. Petropólis, RJ: Vozes, p.34-51, 2005.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Um objeto variável e instável: textos, impressos e livros didáticos. In: ABREU, Márcia (Org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras, p.529-575, 1999.

CAVALCANTI, João Barbalho Uchôa. Advertência do Grêmio dos Professores Primários. In: Leituras Selectas para as escolas primárias. Pernambuco: Typographia Central, 1880.

CHARTIER, Anne- Marie; HÉBRARD, Jean. Método silábico e método global: alguns esclarecimentos históricos. História da Educação. Vol. 5, no 10, Outubro. Pelotas: Editora da UFPel. p.141-154, 2001.

CHOPPIN, Alain. O Historiador e o livro escolar. História da Educação, Pelotas-RS, v. 6, no 11, abril, p.5-24, 2002.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. Instrução Elementar no Século XIX. In: LOPES, Eliana Marta Lopes Teixeira et al. (Orgs.). 500 anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, p.135-150, 2000.

GALVÃO, Ana Maria de O; BATISTA, Antônio Augusto G. Manuais escolares e pesquisa histórica. In: FONSECA, Thaís Nívea de Lima; FONSECA, Cyntia Greyve Veiga. História e Historiografia da Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 161-188.

MACEDO, Joaquim Manoel de. Ao leitor. In: Lições de História do Brasil para uso das escolas de instrucção primária. 6ed. Rio de Janeiro: B.L.Garnier, 1884.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os Sentidos da Alfabetização. São Paulo: Editora UNESP: CONPED, 2000.

PERNAMBUCO. Publica. Provas de candidatos a professor aprovadas com duas espheras brancas em 1de abril de 1856. Documentação Avulsa,1855-1856. APEJE: IP- 09 - Série Instrução Pública. Directoria Geral da Instrucção

PERNAMBUCO. Inspectoria Geral da Instrucção Publica. Pernambuco, 22 de julho de 1880,1880. APEJE: IP- 36.

PERNAMBUCO. Estudo sobre o Systema de ensino primário e organização pedagógica das escolas da corte, Rio de Janeiro, São Paulo e Pernambuco (relatório). Apresentado ao Presidente da Provincia pelo Inspector Geral da Instrução Pública João Barbalho Uchoa Cavalcanti. Recife: Typ. de M. F. de Faria e Filhos,1879.

SILVA, Fabiana Cristina da. Concepções educacionais: um confronto entre as representações contidas nos livros e em outras fontes documentais do período. Relatório de pesquisa apresentado ao CNPq em abril, 2003.

VALDIMARIN, Vera Teresa. Lições de coisas: concepção cientifica e projeto modernizados para a sociedade. In: Cadernos Cedes, ano XIX, no 52, novembro, 2000,74-87.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.