O 1º Plano Quinquenal De Valorização Econômica da Amazônia de 1955: educação para o desenvolvimento amazônico

Autores

  • José Bittencourt da Silva Universidade Federal do Pará
  • Iane Maria Silva Batista

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v15i66.8643702

Palavras-chave:

SPVEA. PQVEA. Desenvolvimento. Cultura. Educação

Resumo

O presente texto analisa o Programa de Desenvolvimento Cultural contido no 1º Plano Quinquenal de Valorização Econômica da Amazônia (PQVEA) proposto em 1955 pela Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia (SPVEA). Este Plano propôs melhorias sociais, econômicas e culturais para as populações amazônicas a partir de um ideário de desenvolvimento calcado na ideia de progresso cultural, educacional e técnico-científico e necessário ao crescimento capitalista industrial. Dentre outras coisas, o PQVEA demonstrava a necessidade de construção de um novo equipamento mental societário amazônico, em que a educação teria um papel preponderante. Utilizando-se de elementos metodológicos da análise de conteúdo, este paper demonstra o aspecto ideológico, positivista e etnocêntrico subsumido no documento da SPVEA ao criticar o modus vivendi das populações amazônicas percebido como causador do atrasado e do subdesenvolvimento das pessoas na região. O que segue são aprofundamentos acerca do objetivo traçado com base no material bibliográfico analisado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Bittencourt da Silva, Universidade Federal do Pará

Sociólogo e especialista em Ciência Política (IFCH/Universidade Federal do Pará – UFPA), mestre em Planejamento do Desenvolvimento e doutor em Ciências Ambientais (Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA/UFPA). Atua como professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação (ICED)/ Instituto de Ciências da Educação (ICED/UFPA).

Iane Maria Silva Batista

Historiadora, mestre em Planejamento do Desenvolvimento (Núcleo de Altos Estudos Amazônicos - NAEA/UFPA) e doutoranda em História Social da Amazônia (PPHIST/UFPA). É professora da rede pública estadual de ensino do Pará e na rede particular de ensino de graduação e pós-graduação, atuando, ainda, como colaboradora do Plano Nacional de Formação Docente junto à Faculdade de História da UFPA.

Referências

ALMINO, J. A filosofia política do ecologismo. In: FERNANDES, M.; GUERRA, L (Org.). Contra-discurso do desenvolvimento sustentável. BELÉM: UNAMAZ/NAEA/UFPA,2006, p. 27-50.

ARRUDA, Gilmar. Cidades e sertões: entre a história e a memória. Bauru: EDUSC, 2000.

BATISTA, Iane Maria da Silva. As percepções sobre a natureza amazônica no planejamento do desenvolvimento regional (1955-1959). In: Anais do 3o Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações, p. 934-954. Florianópolis: SC, 2014. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B6UxcuqFVjUZMXhfdzZYRGpiVDQ/view?pli=1. Acesso em: 22.03.2014.

BRASIL. (Constituição) 1946. Presidência da República: Rio de Janeiro, 1946. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao46.htm. Acesso em 15.04.2014

BRASIL. Lei no 1.806, de 6 de Janeiro de 1953. Dispõe sobre o Plano de Valorização Econômica da Amazônia, cria a superintendência da sua execução e dá outras providências. Diário Oficial da União - Seção 1 - 7/1/1953, Página 276. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1950-1959/lei-1806-6-janeiro-1953-367342-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 23 fev. 2015.

BRASIL. Lei no 1806, de 6 de janeiro de 1953. Dispõe sobre o Plano de Valorização Econômica da Amazônia, cria a Superintendência de sua execução e dá outras providências. Departamento de Imprensa Nacional: RJ, 1954.

COSTA, Kelerson Semerene. Homens e natureza na Amazônia brasileira: Dimensões (1616-1920). 2002, 292 f. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-Graduação em História – Universidade de Brasília. Brasília, 2002.

D ́ARAÚJO, Maria Celina. Amazônia e desenvolvimento à luz das políticas governamentais: a experiência dos anos 50. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 19, ano 7, p. 40-55, jun.1992.

DRUMMOND, José Augusto. A extração sustentável de produtos florestais na Amazônia brasileira: vantagens, obstáculos e perspectivas. Estudos Sociedade e Agricultura. p. 115-137, jul. 1996.

ESCOBAR, Arturo. Encoutering development: the making and unmaking of the Third World. Princeton: Princeton University Press, 1995.

FONSECA, Pedro Cezar Dutra. Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil. Revista Pesquisa e Debate. PUC, SP, v. 15, n. 2, v.26, p. 225-256, 2004.

FONSECA, Pedro Cézar Dutra; SOUZA, Luiz Eduardo. O processo de substituição de importações. São Paulo: LCTE, 2009.

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LÉNA, Philippe. O desenvolvimento sustentável: entre a economia e a ética. In: FORLINE, Louis; MURRIETA, Rui; VIEIRA, Ima. Amazônia além dos 500 anos. Belém: MPEG, 2005. p. 357-402.

LEONARDI, Victor. Os historiadores e os rios: natureza e ruína na Amazônia brasileira. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 1999.

KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. 5a Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e Utopia. 2a Ed., Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

MARQUES, Gilberto. S. SPVEA: o Estado na crise. Revista Soc. Bras. Economia Política (no 34), p. 163-198, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. O Manifesto Comunista. In: Daniel Aarão Reis Filho (org.). O Manifesto Comunista 150 anos depois. Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 11a ed., Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2013.

ORLANDI, Eni P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 4a ed., Campinas: Pontes Editores, 2012.

PRADO JÚNIOR, Caio. História e desenvolvimento: a contribuição da historiografia para a teoria e prática do desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1999.

RIBEIRO, Berta (Coord.). Suma Etnológica Brasileira. Vol. 1 (Etnobiologia). Belém: EDUFPA, 1997.

SILVA, José B. da. Elementos para a construção do sentido e o significado do conceito de população tradicional e sua importância para o século XXI. Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais, Macapá, UNIFAP, n. 3, p. 83-92, dez. 2010. Disponível em: http/periodicos. unifap.br/index.php/pracs/article/download/153/137. Acesso em: 07 abr. 2011.

SUPERINTENDÊNCIA DO PLANO DE VALORIZAÇÃO ECONÔMICA DA AMAZÔNIA (SPVEA). Primeiro Plano Quinquenal. Desenvolvimento cultural. Rio de Janeiro, Brasil: SPVEA Setor de Coordenação e Divulgação, 1955. II volume.

SUPERINTENDÊNCIA DO PLANO DE VALORIZAÇÃO ECONÔMICA DA AMAZÔNIA (SPVEA). Comissão de Planejamento. Programa de Emergência para 1954. Belém: SPVEA, 1954a.

SUPERINTENDÊNCIA DO PLANO DE VALORIZAÇÃO ECONÔMICA DA AMAZÔNIA (SPVEA). Concepção Preliminar da Valorização Econômica da Amazônia. Belém: Setor de Coordenação, 1954b.

TRINDADE, José Raimundo Barreto (Org.). Seis décadas de intervenção estatal na Amazônia: a SPVEA, auge e crise do ciclo ideológico do desenvolvimentismo brasileiro. Belém: Paka-Tatu, 2014.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas. 2012.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. 3a. ed. Brasília: Editora da UNB, 2000.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 5a ed., São Paulo: Pioneira, 1987.

Downloads

Publicado

2016-02-26

Como Citar

SILVA, J. B. da; BATISTA, I. M. S. O 1º Plano Quinquenal De Valorização Econômica da Amazônia de 1955: educação para o desenvolvimento amazônico. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 66, p. 56–72, 2016. DOI: 10.20396/rho.v15i66.8643702. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643702. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)