Banner Portal
Gestão democrática: trajetória e desafios atuais
PDF

Palavras-chave

Reforma. Gestão educacional. Gestão democrática

Como Citar

ARRUDA, Elenise Pinto de; COLARES, Maria Lília Imbiriba de Sousa. Gestão democrática: trajetória e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 66, p. 222–246, 2016. DOI: 10.20396/rho.v15i66.8643712. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643712. Acesso em: 14 jun. 2024.

Resumo

A gestão democrática traz consigo determinantes históricos, políticos e econômicos. No campo das políticas em educação, é indiscutível a necessidade de se resgatar as reformas educativas que se fortaleceram a partir da década de 1990. As reformas educativas ocorreram diante da nova organização do setor produtivo, provocada pela crise do capitalismo, do reordenamento do papel do Estado e a partir das reformas neoliberais implementadas. No Brasil, ocorreu a Reforma do Estado brasileiro, que entre diversas medidas, teve o ajuste da administração pública. Acompanhando o pacote de ações, a reforma educativa implementada influenciou fortemente na administração da educação e, com isso, a gestão da educação foi reformulada e adequada aos novos parâmetros impostos. Esse cenário é composto ainda pela luta da democratização da sociedade brasileira, que buscou, por meio de movimentos e lutas populares, a erradicação da Ditadura civil militar no país. Todos esses aspectos contribuíram para a construção e reconstrução da história da gestão democrática no Brasil. Assim, tecemos neste artigo algumas considerações sobre esse contexto a fim de se pontuar os fatos que marcaram a trajetória da gestão democrática brasileira.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i66.8643712
PDF

Referências

AGUIAR, M.A.S. Gestão da educação e a formação do profissional da educação no IN: FERREIRA. N. S, AGUIAR. M.A.S. (Orgs) Gestão da educação: Impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2001. pp. 193-212.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. Brasília, DF, 1995

BRASIL, Lei No 9394/96, estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 20 de dezembro de 1996

BRESSER PEREIRA, L. C. A Reforma do Estado nos anos 90: Lógica e Mecanismos de Controle. Cadernos MARE da Reforma do Estado, vol. 1, p. 21-54, 1997.

CAMINI, L. Política e gestão educacional brasileira: uma análise do plano de desenvolvimento da educação/plano de metas compromisso todos pela educação (2007-2009). São Paulo: Outras Expressões, 2013.

CASSASUS, J. A Reforma Educacional na América Latina no contexto da globalização. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: FCC, no 114, p. 7-28, novembro de 2001.

DOURADO,L.F. A escolha de dirigentes escolares: políticas e gestão da educação no Brasil. IN: FERREIRA, N.S.C. Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios. 7 ed. São Paulo: Cortez,2011.

FREITAS, H.C.L. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação & Sociedade, Campinas, v.23, n. 80, p. 137-168, set. 2002.

FRIGOTTO, G. Os delírios da razão: crise do capital e metamorfose conceitual no campo educacional. In: GENTILI, Pablo. A pedagogia da exclusão. Petrópolis (RJ): Vozes, 2010.

FRIGOTTO, G. Fundamentos científicos e técnicos da Relação trabalho e educação no Brasil de hoje. (p. 241-288) IN: LIMA, J. F.; NEVES, Lúcia W. (Orgs.). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006. (2a. reimpressão, 2008)

FRIGOTTO, G. CIAVATTA, M. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 24, n. 82, p. 93-130, abril 2003

HÖFLING, E. M. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, ano XXI, no 55, novembro/2001 [p. 30-41].

HORA,D. L. Gestão educacional democrática. 2.ed. Campinas, SP: Editora Alínea, 2010.

KRAWCZYK, N. R. Reforma educacional na América Latina nos anos 90: Uma perspectiva histórico-sociológica. Revista Latinoamericana de educação comparada. Año 1,no 1 , 2010.

LIMA, A. B. Políticas educacionais e o processo de “democratização” da -gestão educacional. (p.17-38) In: LIMA, Antonio Bosco (Org.). Estado, políticas educacionais e gestão compartilhada. São Paulo: Xamã, 2004.

LIMA,A.B. PRADO, J.C. SHIMAMOTO, S.V. Políticas e gestão da educação: sob a lógica gerencial e compartilhada. IN: XXV Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Educação, II Congresso IberoAmericano de Política e Administração da Educação; organizador: Benno Sander – Niterói (RJ): ANPAE; São Paulo (SP): PUCSP/FACED/PPGE, 2011. CD-ROM. (Coleção Biblioteca ANPAE, Série Cadernos: n. 11)

MARONEZE, L. F. Z.; LARA, A.M.B. A política educacional brasileira pós 1990: novas configurações a partir da política neoliberal de estado. In: IX CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO –EDUCERE/ III ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA. Paraná: PUC, 2009. p.3279 – 3293.

MARTINS, A. M. A descentralização como eixo das reformas do ensino: uma discussão da literatura. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 22, n. 77, p. 28-48, dez. 2001.

MELO, M. P. de. FALEIROS, I.. Reforma da aparelhagem estatal: novas estratégias de legitimação social. In. NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Org). A nova pedagogia da hegemonia. Estratégias do capital para educar para o consenso. São Paulo: Xamã, 2005, p. 175-192.

MÉSZAROS, I. Para além do capital. Tradução Paulo César Castanheira e Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2008.

MINTO, L. W. A administração escolar no Contexto da Nova República e do Neoliberalismo. (p. 173 – 199) IN: ANDREOTTI, A. LOMBARDI, J.C.MINTO, L.W. História da Administração escolar no Brasil. Campinas, SP: Editora Alínea, 2010.

OLIVEIRA, D. A. A educação básica e profissional no contexto das reformas dos anos 90.Trabalho & Educação, Belo Horizonte, n. 8, jan/jun - 2001.

OLIVEIRA, D. A. A gestão democrática da educação no contexto da reforma do Estado. IN: FERREIRA. N. S, AGUIAR. M.A.S. (Orgs) Gestão da educação: Impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2006

PERONI, V. M.V Política educacional e o papel do Estado - No Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2003.

PERONI, V; ADRIÃO, T. Público Não-Estatal: estratégias para o setor educacional brasileiro. In: PERONI, V; ADRIÃO, T. (org.). O Público e o Privado na Educação: interfaces entre o Estado e sociedade. São Paulo: Xamã, 2005

SANDER, B. Políticas Públicas e Gestão Democrática da Educação. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

SANTOS, S. L. O. As Políticas Educacionais e a Reforma do Estado no Brasil.2010. 122 f. Dissertação – Mestrado em Ciência Política - Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, 2010

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-crítica. 8. Ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F. La resignificación de la democracia escolar mediante el discurso gerencial: liderazgo, gestión democrática y gestión participativa. In: FELDFEBER, M.; OLIVEIRA, D. A. (org.). Políticas educativas y trabajo docente: nuevas regulaciones, nuevos sujetos? 1 ed. Buenos Aires: Ediciones Novedades Educativas, 2006. p. 221-237.

SHIROMA, E. O., MORAES.M.C.M., EVANGELISTA.O. Política Educacional. Rio de Janeiro, DP&A, 2000.

TORRES, C. A. Estado, privatização e política educacional. Elementos para uma crítica do neoliberalismo. In: GENTILI, P. (Org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberal em educação. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

VIRIATO, E. O. Descentralização e desconcentração como estratégia para a redefinição do espaço público (p. 39-60). In: LIMA, A. B. (Org.). Estado, políticas educacionais e gestão compartilhada. São Paulo: Xamã, 2004.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.