Banner Portal
Brincar: reflexões a partir da neurociência para a consolidação da prática lúdica na educação infantil
PDF

Palavras-chave

Brincar. Educação Infantil. Neurociência

Como Citar

NOGARO, Arnaldo; FINK, Alessandra Tiburski; PITON, Marta Regina Guerra. Brincar: reflexões a partir da neurociência para a consolidação da prática lúdica na educação infantil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 66, p. 278–294, 2016. DOI: 10.20396/rho.v15i66.8643715. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643715. Acesso em: 14 jun. 2024.

Resumo

O estudo “Brincar: reflexões a partir da neurociência para a consolidação da prática lúdica na educação infantil” resulta de pesquisa bibliográfica realizada por meio de consulta a escritos e publicações na área da educação infantil e neurociência com o intuito de aprofundar conhecimentos sobre o brincar e suas implicações para o desenvolvimento da criança. Investigou-se produções teóricas que explicitem a contribuição dos estudos da neurociência na compreensão do brincar para apontar as interferências que as brincadeiras têm em relação à formação da personalidade da criança e ao processo de aprendizagem. A brincadeira é indispensável para que a criança tenha possibilidade de fantasiar, expressar-se, interagir, construir regras e valores dentro de um grupo ou individualmente, livremente ou em ações planejadas e dirigidas pelo educador. A educação infantil pode ser um ambiente propício para essa prática na qual o educador tem a responsabilidade de possibilitar espaços e condições para a criança poder desenvolver-se, expressar-se e construir conhecimento. Com a pesquisa na literatura pode-se perceber que os conhecimentos advindos da neurociência relacionados à educação infantil sinalizam que é possível melhorar e potencializar o trabalho do educador voltando-o para o desenvolvimento e aprendizagem da criança através do brincar.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i66.8643715
PDF

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. WAJSKOP, Gisela. Educação Infantil: Creches: atividades para crianças de zero a seis anos. São Paulo: Moderna, 1995.

ANSARI, Daniel. Entender o cérebro para ensinar melhor. Revista Pedagógica Pátio. Porto Alegre: Artmed, ano XVI, no 61, p. 18-21, fev./abril, 2012.

BARTOSZECK, Amauri B. BARTOSZECK, Flavio K. Neurociência dos seis primeiros anos- implicações educacionais. 2013. Disponível em: http://www.researchgate.net/publication/267236019_NEUROCINCIA_DOS_SEIS_PRIMEIROS_ANOS-implicaes_educacionais/links/544e03990cf294731619f2d3.pdf Acesso em 20 de Agosto de 2014.

BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação: Lei 9.394/96. Rio de Janeiro: Esplanada, 1998.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Ministério da Criança, 1991.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil São Paulo: Imprensa Oficial do Brasil, 1988.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (Volume 1). Brasil- Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília: MEC/ SEF, 1998.

BROCK, Avril. A importância do brincar na infância. Revista Pátio - Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, ano IX, no 27, p. 4-7, abr./jun., 2011.

CAMARGO, Paulo de. Como a neurociência pode ajudar a pedagogia e a aprendizagem. 2012. Disponível em: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/neurociencia-pedagogia-aprendizagem-692522.shtml Acesso em 20 de agosto de 2014.

CARVALHO, Feranda Antoniolo H. de. Neurociência e educação: uma articulação necessária na formação docente. Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro, v.8, no 3, p. 537-550, nov. 2010/fev. 2011.

COSENZA, Ramon e GUERRA, Leonor. Neurociência e educação. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COSTA, Vera R. da Por que brincar é importante? Instituto Ciência Hoje. Disponível em: cienciahoje.uol.com.br/alo-professor/intervalo/2013/10/por-que-brincar-e-importante/?searchterm=neurociência% Acesso em 21 de agosto de 2014.

FORTUNA, Tânia R. O lugar de brincar na educação infantil. Revista Pátio- Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, ano IX, no 27, p. 8-10, abr./ jun., 2011.

FRIEDRICH, G. e PREISS, G. Educar com a cabeça. Viver Mente & Cérebro. São Paulo: Duetto, fevereiro, 2006.

IZQUIERDO, Iván. Muitas formas de aprendizagem, muitas formas de memória. Revista Pedagógica Pátio. Porto Alegre: Artmed, ano XIII, no 49, p. 8-11, fev./abril, 2009.

KISHIMOTO, Tizuko M. O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

LIMA, Maria Auxiliadora Vasconcelos Peres. Uma reflexão sob o ato de brincar. Disponível em: http://www.profala.com/arteduscesp94.htm. Acesso em 25 de setembro de 2011.

METRING, Roberte. Neuropsicologia e aprendizagem: fundamentos necessários para planejamento do ensino. Rio de Janeiro: Wak, 2011.

MOÇO, Anderson. Quanta coisa eles aprendem. Revista Nova Escola. São Paulo: ano XXV, no 231, p. 42-50, abril, 2010.

NOGARO, Arnaldo; NOGARO, Ivania. Primeira Infância: espaço e tempo de educar na aurora da vida. Erechim-RS: FAPES, 2012.

OLIVEIRA, Vera B. de. SOLÉ, María B. FORTUNA, Tânia R. Brincar com o outro. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

OLIVEIRA, Gilberto Gonçalves de. Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos. São Leopoldo: Unisinos, v. 18 (1), p. 13-24, jan./abril, 2014.

PEIXOTO, Joana e ARAÚJO, Cláudia dos Santos. Tecnologia e educação: algumas considerações sobre o discurso pedagógico contemporâneo. Educação e Sociedade. Campinas/SP, v. 33, no 118, p. 253-268, jan./mar., 2012.

PERRENOUD, Philippe. O bom senso não basta para educar crianças pequenas. Revista Pátio- Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed. Ano I, no 2, p. 18-20, ago./nov., 2003.

ROSSLER, João H. O papel da brincadeira de papéis sociais no desenvolvimento do psiquismo humano. In: ARCE, Alessandra e DUARTE, Newton (Org.). Brincadeira de papéis sociais na educação infantil: as contribuições de Vygotsky, Leontiev e Elkonin. São Paulo: Xamã, 2006.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Livraria Martins Fontes, LTDA, 2002.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.