Assentamento Mário Lago: espaço de formação política, qualificação técnica e educação escolar

Autores

  • Marcos Cassin Universidade de São Paulo
  • Laura Nalli Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i68.8643760

Palavras-chave:

Assentamentos rurais. Formação política. Qualificação técnica. Educação escolar

Resumo

Esse artigo se propõe a apresentar a discussão sobre os assentamentos rurais como novo elemento na estrutura fundiária do Brasil e como resultado de uma política assistencialista do Estado aos excluídos da Reforma Agrária, bem como espaço de reprodução da força de trabalho de um exército de reserva de mão de obra a ser empregado sazonalmente, geralmente de forma precarizada. Contraditoriamente os assentamentos rurais se constituem, potencialmente, em locais alternativos de moradia, trabalho e socialização como também espaços de formação política, qualificação técnica agrícola e educação escolar. Esse último aspecto, formação, qualificação e educação é objeto de análise apresentado nesse texto, para tanto, delimitamos o assentamento Mário Lago, organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), localizado no município de Ribeirão Preto. Desta forma, tal artigo apresenta em sua introdução o problema da Questão Agrária e Reforma Agrária no Brasil, seguido de um breve percurso da história do MST a partir de seus Congressos. Na sequência é apresenta a história, a organização e os espaços de formação política, qualificação técnica e educação escolar do referido assentamento. Após essa contextualização, é apontado a necessidade de se aprofundar os estudos e análises acerca da reestruturação produtiva no campo no final do século XX e início do XXI; a tese que a Reforma Agrária foi realizada pelo regime civil-militar de 1964-1985 consolidando a Revolução Burguesa no Brasil; dos assentamentos rurais enquanto política compensatória aos excluídos da Reforma Agrária e locais de produção de subsistência e exército de reserva de força de trabalho sazonal e precarizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Cassin, Universidade de São Paulo

Professor de Sociologia da Educação do Departamento de Educação, Informação e Comunicação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo.

Laura Nalli, Universidade de São Paulo

Pedagoga pela Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto

Referências

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário – INCRA. Projeto de Desenvolvimento Sustentável – PDS. Brasília, outubro de 2000.

DELWEK, Matheus. Comunas da Terra: um novo modelo de assentamento rural do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra; 55 fls. Trabalho de conclusão do Curso (Realidade Brasileira). Juiz de Fora: Universidade Federal de Juíz de Fora e Escola Nacional Florestan Fernandes. Grandes Pensadores Brasileiros, 2003.

Educação. A Formação Técnico-Profissional no Contexto do MST. Revista Educação. Vol. 33; nº 1; Ed 2008. Disponível em: http://coralx.ufsm.br/revce/revce/2008/01/a7.htm. Acesso em: 20 de março, 2014.

FERNANDES, Bernardo M.A ocupação como forma de acesso a terra. Editado por Else R P Vieira, 2002. Disponível em: http://www.landless-voices.org. Acesso em: 25 de julho, 2013.

GONÇALVES, J, C; SCOPINHO, R, A. Desenvolvimento Rural Sustentável: Um Estudo de Caso Sobre as Perspectivas de Sustentabilidade Agroambiental Num Assentamento de Reforma Agrária na Região Nordeste do Estado de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. (Artigo Publicado no III Simpósio de Pós-Graduandos em Sociologia) São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2010. Disponível em: http://www.fflch.usp.br/ds/pos-graduacao/simposio. Acesso em: 20 de Janeiro, 2014.

GONÇALVES, José. C. Reforma Agrária e Desenvolvimento Sustentável? A Difícil Construção de Um Assentamento Rural Agroecológico em Ribeirão Preto- SP. 2010.134 fls. Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos. Dissertação de Mestrado, São Carlos, 2010.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária.Relação de Projetos de Reforma Agrária. Disponível em: www.incra.gov.br. Acesso em: 10 de dezembro, 2013.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Educação no Campo/Pronera.Disponível em :

http://www.incra.gov.br/index.php/reforma-agraria-2/projetos-e-programas-do-incra/educacao-no-campopronera. Acesso em: 8 de março, 2014.

LEANDRO, José. B. Curso Técnico em Administração de Cooperativas do MST: A Concepção de Educação e a Influência no Assentamento Fazenda Reunidas de Promissão – SP. 2002. 232 fls. Programa em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Dissertação de Mestrado, Campinas, 2002.

LEITE, S; HEREDIA, B; MEDEIROS, L; PALMEIRA, M; CINTRÃO, R. Impactos dos Assentamentos. Um Estudo Sobre o Meio Rural Brasileiro. 1º Edição. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

MARTINS, Suely A.A Formação Política da Juventude do Movimento Sem Terra no Estado do Paraná. 2009. 281 fls. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina. Tese de Doutorado - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,2009.

MORISSAWA, Mitsue. A história da Luta pela Terra e o MST. 3ª Edição. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2001.

MST. MST, 30 Anos: Muito Além da Distribuição de Terras. Disponível em: http://www.mst.org.br/node/15648. Acesso em: 05 de março, 2014.

MST. Contra a Idéia da Força, a Força das Idéias. Disponível em: http://www.mst.org.br/jornal/295/entrevista. Acesso em: 10 demarço, 2014.

SALGADO, Sebastião. Prólogo à Secção A luta pela Terra. São Paulo. Editora Companhia das Letras, 1997. Disponível em: http://www.landless-voices.org. Acesso em: 25 de julho, 2013.

STEDILE, João P.; FERNANDES, Bernardo M.. Brava gente: A trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. 2ª Edição. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2012.

Downloads

Publicado

2016-10-30

Como Citar

CASSIN, M.; NALLI, L. Assentamento Mário Lago: espaço de formação política, qualificação técnica e educação escolar. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 68, p. 358-370, 2016. DOI: 10.20396/rho.v16i68.8643760. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643760. Acesso em: 31 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos