Métodos para a instrução da criança na província da Bahia durante o império

Autores

  • Isabel Cristina de Jesus Brandão Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i67.8643926

Palavras-chave:

Império. Educação. Métodos de Instrução

Resumo

O presente trabalho analisa os métodos para a instrução da criança na Província da Bahia durante o Império. Constitui-se em uma pesquisa qualitativa, tendo como metodologia a análise documental. Foram analisados os relatórios dos Presidentes da Província da Bahia, bem como jornais e revistas do período pesquisado. Os dados indicam que o projeto de instrução que se desenvolvia na escola primária tinha como objetivo principal a moralização das crianças, por meio da qual se buscava formar um indivíduo que atendesse a uma sociedade em pleno desenvolvimento da burguesia e expansão do sistema capitalista, que exigia um povo civilizado de acordo com o modelo europeu de sociedade e civilização que definia os padrões da época. Nesse sentido, o mestre que iria instruir as crianças também deveria ter uma formação que contemplasse os princípios de moralidade e a Escola Normal foi a instituição responsável por essa formação e, também, designada para instruir os futuros mestres na aplicação dos métodos de instrução que predominaram durante o Império: Método Mútuo; Método Lancasteriano; e o Método Simultâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Cristina de Jesus Brandão, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa (1997) e mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2003). Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP, é professora adjunto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB.

Referências

ALVES, Gilberto Luiz. O ensino mútuo e a organização do trabalho didático. In: ALVES, Gilberto Luiz. O trabalho didático na escola moderna: formas históricas. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

BAHIA. Falla do Excellentissimo em o 1º de dezembro d’este anno, dia em que se instalou nesta cidade o Conselho Geral da Província. Bahia: Typograprhia Imperial e Nacional, 1828 (Presidente Gordilho de Barbuda – Visconde de Camamú)

BAHIA.Falla do Presidente Luiz Paulo de Araujo Basto. Bahia: Typ. Imp. Nacional, 1830.

BAHIA. Falla que recitou o Presidente da Provincia da Bahia Thomaz Xavier Garcia de Almeida na abertura da Assembléa Legislativa da mesma província em 2 de Fevereiro de 1839. Bahia: Typographia de Manoel Antonio da Silva Serva, 1839.

BAHIA. Relatorio apresentado pelo Concelho de Instrucção Publica, a Assemblea Legislativa da Provincia da Bahia. Bahia: Typographia de Galdino Jose Bizerra e Compª, 1846.

BAHIA. Relatorio sobre o estado da Instrucção Publica da Provincia da Bahia apresentado ao Ex. Dezembargador Conselheiro Francisco Gonçalves Martins presidente da mesma Província, por Casemiro de Sena Madureira no anno de 1851. Bahia: Typographia Const. de Vicente Ribeiro Moreira, 1851.

BAHIA.Falla que recitou o Exm. Presidente da Provincia da Bahia, o Dr. João Mauricio Wanderley, n’abertura da Assembléa Legislativa da mesma Provincia no 1.º de março de 1853. Bahia: Typographia Const. Vicente Ribeiro Moreira, 1853.

BAHIA. Falla recitada na abertura da Assembléa Legislativa da Bahia, pelo Presidente da Provincia o Doutor. João Mauricio Wanderley no 1.º de março de 1854. Bahia: Typographia de Antonio Olavo da França Guerra e Comp., 1854.

BAHIA. Relatorio sobre a Instrucção Publica da Provincia da Bahia apresentado ao ILLmº. e Ex.mº SNR Presidente Commendador Álvaro Tibério de Moncorvo e Lima por Abílio César Borges. Typographia de Antonio Olavo da França Guerra e Comp.,1856.

BASTOS, Maria Helena Câmara. O ensino monitorial/mútuo no Brasil (1827-1854). In:

STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Câmara (orgs.). Histórias e memórias

da educação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

BORGES, Abilio Cesar. Dissertação lida no Congresso Pedagógico Internacional de Buenos Ayres em 2 de maio de 1882. Rio de Janeiro: Typ. A vapor do Cruzeiro, 1882.

BRASIL. Lei de 15 de outubro de 1827. Disponível em: http://www.nepp-dh.ufrj.br/educacao_imperio.html. Acesso em: 25 set. 2008.

DEL PRIORE, Mary (org.). História da criança no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1991. – (Caminhos da história)

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel

Ramalhete. 22º ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 2000.

HAMILTON, David. Mudança social e mudança pedagógica: a trajetória de uma pesquisa histórica. In: Teoria & Educação, Porto Alegre: Pannonica Editora, n. 6, p. 3-32, 1992.

JORNAL O MENTOR DA INFANCIA. Bahia: Typographia Guaycurú, n. 2 ., 7 nov. 1846.

MANACORDA, Mario Alighiero. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. Tradução de Gaetano Lo Mônaco; revisão da tradução Rosa dos Anjos Oliveira e Paolo Nosella – 11. ed. – São Paulo: Cortez, 2004.

NORONHA, Olinda Maria. História da Educação: sobre as origens do pensamento utilitarista no ensino superior brasileiro. Campinas, SP: Editora Alínea, 1998.

ROCHA, Lúcia Maria da Franca. A Escola Normal na Província da Bahia. In:

ARAUJO, José Carlos Souza, FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de Freitas,

LOPES, Antônio e Pádua Carvalho Lopes (orgs.). As escolas normais no Brasil: do

Império à República. Campinas, SP: Editora Alínea, 2008.

SANFELICE, José Luis. Fontes e história das políticas educacionais. In: LOMBARDI, José Claudinei e NASCIMENTO, Maria Isabel Moura (orgs.). Fontes, história e historiografia da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. (Coleção Memória da Educação).

SILVA, José Carlos de Araújo. O ensino mútuo e o ensino simultâneo na provincia da Bahia: cotidiano e trabalho docente. In: LUZ, José Augusto e SILVA, José Carlos (orgs). História da Educação na Bahia. Salvador: Arcádia, 2008.

XAVIER, Maria Elizabete Sampaio Prado, RIBEIRO, Maria Luisa Santos, NORONHA, Olinda Maria. História da Educação: a escola no Brasil. São Paulo: FTD, 1994. (Coleção Aprender & Ensinar)

Downloads

Publicado

2016-07-05

Como Citar

BRANDÃO, I. C. de J. Métodos para a instrução da criança na província da Bahia durante o império. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 67, p. 238–253, 2016. DOI: 10.20396/rho.v16i67.8643926. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643926. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: X Jorn HISTEDBR-História da Educação: intelectuais, memória e política