“Associação Brasileira de Educação” e a inserção da psicanálise no campo educacional: Julio Porto-Carrero, Pedro Deodato de Moraes e Renato Jardim (1927-1931)

  • Rafael Dias Castro Universidade Estadual de Minas Gerais - Unidade Carangola.
Palavras-chave: Associação Brasileira de Educação. História da educação. História da psicanálise. Rio de Janeiro

Resumo

Apresentamos neste artigo a tentativa de institucionalização da psicanálise no meio educacional, através das iniciativas do psiquiatra Julio Porto-Carrero e do educador Deodato de Moraes junto à “Associação Brasileira de Educação”. Trazemos também, junto a esse debate, as críticas realizadas pelo educador paulista Renato Jardim com relação a essa inserção da psicanálise no meio educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Dias Castro, Universidade Estadual de Minas Gerais - Unidade Carangola.
Doutor em História das Ciências e da Saúde pela Casa de Oswaldo Cruz - Fiocruz. Professor do Departamento de História da Universidade Estadual de Minas Gerais - Unidade Carangola.

Referências

ATA de reunião da Associação Brasileira de Educação. 27 de dezembro de 1924. Disponível em: http://abe1924.web699.uni5.net/acervo/arquivo. Acesso em 13 jan. 2013.

ATA da 40ª Seção do Conselho Diretor da ABE. 29 de agosto de 1927. Disponível em: http://abe1924.web699.uni5.net/acervo/arquivo. Acesso em 10 jan. 2013.

ATA da 43ª Seção do Conselho Diretor da ABE. 19 de setembro de 1927. Disponível em: http://abe1924.web699.uni5.net/acervo/arquivo. Acesso em 10 jan. 2013.

ATA da 44ª Seção do Conselho Diretor da ABE. 26 de setembro de 1927. Disponível em: http://abe1924.web699.uni5.net/acervo/arquivo. Acesso em 10 jan. 2013.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Molde nacional e fôrma cívica: higiene, moral e trabalho no projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931). Bragança Paulista: EDUSF, 1998.

CASTRO, Rafael Dias de. A sublimação do id primitivo em ego civilizado: o projeto dos psiquiatras-psicanalistas para civilizar o país (1926-1944). 1. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

COSTA, Maria Ferreira; SHENA, Denílson; SCHIMIDT, Maria (orgs). 1ª Conferencia Nacional de Educação: Curitiba, 1927. Brasília, INEP: 1997.

EDITORIAL. Boletim da Associação Brasileira de Educação, ano II, n. 6, 1927.

EDITORIAL. Correio da manhã, 13 de junho de 1928.

EDITORIAL. Gazeta de notícias.18 de abril de 1928.

EDITORIAL. Gazeta de notícias. 27 de abril de 1928.

EDITORIAL. O Paiz. 14 de abril de 1928.

EDITORIAL. O Paiz. 12 de novembro de 1927.

FACCHINETTI, Cristiana. Deglutindo Freud: história da digestão do discurso psicanalítico no Brasil 1920-1940. Tese (Doutorado em Teoria Psicanalítica). Universidade Federal do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, 2001.

FACCHINETTI, Cristiana; CASTRO, Rafael Dias de. The historiography of psychoanalysis in Brazil: the case of Rio de Janeiro. Dynamis (Granada), v. 35, p. 13-34, 2015a.

FACCHINETTI, Cristiana; CASTRO, Rafael Dias de. Die Psychoanalyse als psychiatrisches Werkzeug: Die Rolle Juliano Moreira (1900-1930). In: Santos-Stubbe, Chirly; Theiss-Abendroth, Peter; Stubbe, Hannes. (Org.). Psychoanalyse in Brasilien: Historische und aktuelle Erkundungen. 1ed.Gießen: Psychosozial-Verlag, p. 85-112, 2015b.

FACCHINETTI, Cristiana; JACÓ-VILELA, Ana; DANTAS, C. Formação e forma da psicologia social no Brasil. In: Psicologia, Cultura e História: perspectivas em diálogo. Rio de Janeiro: Outras Letras, p. 111-127, 2012.

FIGUEIRÔA, Silvia Fernanda de Mendonça. Mundialização da ciência e respostas locais: sobre a institucionalização das ciências naturais no Brasil (de fins do século XVIII a transição ao século XX). Asclepio, Madrid, v. 50, nº 2, 1998.

FINCHELSTEIN, Federico. Introducción: Psicoanálisis sur y norte. Estudios Interdisciplinarios de America Latina y el Caribe, v. 18, 2007.

FREIRE FILHO, Ernesto de Souza. A trajetória da Associação Brasileira de Educação – 1924-2001. Rio de Janeiro: Editora do Educador, 2002.

GARCIA, Ronaldo Aurélio. A educação na trajetória intelectual de Arthur Ramos: higiene mental e a criança problema. São Carlos: UNESP, 2010. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos.

GLICK, Thomas. Precursores del psicoanálises em La América Latina. Episteme: Filosofia e História das Ciências em Revista (Porto Alegre), n. 8, p. 139-150, 1999.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Sobre os interesses cognitivos, terminologia básica e métodos de uma ciência da literatura fundada na teoria da ação. In: LIMA, Luiz Costa. A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2001.

JARDIM, Renato. Psicanálise e educação. Resumo comentado da doutrina de Freud e critica de sua aplicabilidade à educação. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora Companhia Melhoramentos de São Paulo, 1931.

MAGALDI, Ana Maria Bandeira de Mello. Combatendo a “arte de perverter” e ensinando a de “modelar espíritos”: lições de psicanálise para educadores (anos 1920/30). TEIAS: Rio de Janeiro, ano 2, nº 4, 2001, p. 16-22.

MASSARANI, Luiza Medeiros. A divulgação científica no Rio de Janeiro: algumas reflexões sobre a década de 20. Rio de Janeiro: IBICT, 1998.177f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Informação). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Informação, Instituto Brasileiro de Informações em Ciência e Tecnologia.

MOKREJS, Elizabeth. A psicanálise no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1993.

MONARCHA, Carlos. Sobre Clemente Quaglio (1872-1948): notas de pesquisa. Boletim Academia Paulista de Psicologia, ano XXVII, nº 2, 2007, p. 25-34.

MORAES, Deodato. A Psicanálise na Educação. Mendonça, Machado e C., Rio de Janeiro, 1927.

MORAES, Deodato. Tese nº 65: A psicanálise na educação. In: COSTA, Maria Ferreira; SHENA, Denílson; SCHIMIDT, Maria (orgs). 1ª Conferencia Nacional de Educação: Curitiba, 1927. Brasília: INEP, 1997.

NERY, Ana Clara Bortoleto. A Sociedade de Educação de São Paulo: embates no campo educacional (1922-1931). São Paulo: Editora UNESP, 2009.

OLIVEIRA, Carmen Lucia Montechi Valladares de. Os primeiros tempos da psicanálise no Brasil e as teses pansexualistas na educação. Ágora – Estudos em Teoria Psicanalítica, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, jan-jun. 2002, p. 133-154.

PACHECO FILHO, Raul; ANTUNES, Mitsuko Aparecida. Francisco Franco da Rocha. In: CAMPOS, Regina Helena F. (ed). Dicionário Biográfico da Psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: Imago, 2001.

PLOTKIN, Mariano Ben. Freud in the Pampas: the emergence and development of a psychoanalytic culture in Argentina, 1910-1983. Stanford University Press, 2001.

PONTE, Carlos Fidelis. Médicos, psicanalistas e loucos: uma contribuição à história da psicanálise no Brasil. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). ENSP/Fiocruz, Rio de Janeiro: 1999.

PORTO-CARRERO, Julio. A arte de perverter: aplicação psicanalítica à formação moral da criança. In: PORTO-CARRERO, Julio. Ensaios de Psicanálise. 1ª ed. Rio de Janeiro: Flores & Mano, 1929a.

PORTO-CARRERO, Julio. Educação sexual. Arquivos Brasileiros de Higiene Mental, ano II, nº 3, dez. 1929b.

PORTO-CARERRO, Julio. Educação sexual e caráter. In: PORTO-CARRERO, Julio. Grandeza e Misérias do sexo. Rio de Janeiro: Pongetti, 1934.

PORTO-CARRERO, Julio. Introdução. In: MORAES, Deodato. Psicanálise e Educação. Rio de Janeiro: Mendonça, Machado e Cia, 1927.

PORTO-CARRERO, Julio. O caráter do escolar – segundo a psicanálise [1927]. In: PORTO-CARRERO, Julio. Ensaios de psicanálise. 1ª ed. Rio de Janeiro: Flores & Mano, 1929.

PORTO-CARRERO, Julio. Resposta de um especialista ao inquérito sobre Educação Sexual. Boletim de Eugenia, ano 2, nº 24, dez. 1930.

ROCHA, Franco da. Carta a Porto-Carrero. Jornal Correio da Manhã, 6 de maio de 1928.

RUSSO, Jane. A difusão da Psicanálise no Brasil na primeira metade do século XX - da vanguarda modernista à rádio-novela. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 2, nº 1, pp. 51-61, 2002.

RUSSO, Jane. A psicanálise enquanto processo civilizador: um projeto para a nação brasileira. Cadernos IPUB (UFRJ), v. 16, nº 18, p. 10-20, 2000.

SAGAWA, Roberto. Os inconscientes no divã da história. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1989.

SHENA, Denílson; SCHIMIDT, Maria (orgs). 1ª Conferencia Nacional de Educação: Curitiba, 1927. Brasília: INEP, 1997.

VIDAL, Diana Gonçalves. 80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para debate. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 3, 2013, p. 577-588.

XAVIER, Libânea Nacif. O Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova como divisor de águas na história da educação brasileira. In: XAVIER, Maria do Carmo (org.). Manifesto dos Pioneiros da Educação: um legado educacional em debate. 1ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2004. Disponível em: http://www.convenio1931.ence.ibge.gov.br/web/ence/Libania_Manifesto.pdf. Acesso em: 05 nov. 2013.

Publicado
2016-10-30
Como Citar
Castro, R. D. (2016). “Associação Brasileira de Educação” e a inserção da psicanálise no campo educacional: Julio Porto-Carrero, Pedro Deodato de Moraes e Renato Jardim (1927-1931). Revista HISTEDBR On-Line, 16(68), 89-108. https://doi.org/10.20396/rho.v16i68.8644071
Seção
Artigos